Senado dos EUA pedirá desculpas formais pela escravidão no país

Fonte: SRZD

O senado dos EUA votou nesta quinta-feira um pedido formal de desculpas aos negros em nome do povo americano pela escravidão e segregação social. O texto foi aprovado pela maioria democrata e a oposição republicana. Em novembro de 2008, pela primeira vez na história do país, os Estados Unidos elegeram um presidente negro, Barack Obama.

Desde 1865, a escravidão foi abolida em todo o território americano, após o fim da Guerra de Secessão. No entanto, até 1964, alguns estados do sul apresentavam leis segregacionistas conhecidas como “leis Jim Crow”. Negros não podiam frequentar as mesmas escolas que brancos. Trens, ônibus e alguns locais públicos tinham lugares específicos para afro-descendentes.

A luta pelo fim da segregação despertou o ativismo político nos Estados Unidos. Nomes como Rosa Parks e Martin Luther King Jr atuaram contra o preconceito racial nas décadas de 50 e 60.

 

Matéria original: Senado dos EUA pedirá desculpas formais pela escravidão no país

+ sobre o tema

Tribunais são enviesados contra mulheres e negros e não fazem justiça, diz advogada da OAB

Os Tribunais de Justiça são enviesados e, por isso,...

O tal “panelaço” tem cara, grife, cor e endereço, nobre, diga-se de passagem

O tal "panelaço", importado da Argentina, de que  grande...

O silêncio da mídia diante da denúncia de golpe do fotógrafo brasileiro ganhador do Pulitzer

Dez dias atrás, o fotógrafo Mauricio Lima foi festejado pelos grandes meios...

para lembrar

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=