Seppir será mantida

Dilma nega redução de pastas em futura reforma ministerial

A presidente Dilma Rousseff negou nesta sexta-feira que pretenda fazer uma grande reforma administrativa no governo, com redução no número de ministérios em janeiro, e reafirmou que manterá a “tolerância zero ” com “malfeitos e irregularidades” no governo.

“Eu e meu governo não temos compromisso com qualquer prática de malfeito no governo. Tolerância zero”, disse a presidente a jornalistas no encontro de fim de ano, depois de ter substituído seis ministros que foram alvo de acusações de irregularidades nos últimos meses.

Ao ser questionada sobre a vindoura reforma ministerial, prevista para janeiro, ela disse que “não” terá redução de ministérios. “Não é isso que faz a diferença no governo”, argumentou.

Segundo ela, cada ministério tem sua responsabilidade e que “só não enxerga isso é porque não está no dia a dia do governo”.

Segundo ela, pastas como a Política para as Mulheres e a Promoção da Igualdade Racial têm enorme responsabilidade política, dando a entender que elas não serão fundidas, como se chegou a especular.

Dilma afirmou que pretende aumentar os níveis de governança interna do governo e que nisso os partidos aliados não terão influência.

“(Não quero) que nenhum partido político interfira nas relações internas do governo. Isso vale para todos os partidos políticos. Uma coisa é a governabilidade e que os partidos possam indicar nomes. Mas a partir do momento que o nome foi indicado ele presta contas ao governo e a mais ninguém”, salientou.

Ao analisar o ano, Dilma afirmou que teve “grandes desafios”, mas que os problemas políticos foram específicos nas áreas e não contaminaram o governo como um todo.

“Acho que é do ofício da presidência tomar medidas duras. Lamento porque alguns ministros que saíram eram muito capazes”, disse.

Ela disse que tentou evitar um clima de caças às bruxas no governo e que as sucessivas quedas de ministros atrapalharam a divulgação dos programas do governo.

“Obviamente eu acho que escândalo vende mais jornal”, afirmou criticando a imprensa .

Questionada sobre as recentes denúncias de tráfico de influência ao ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, Dilma disse que elas são infundadas.

“O Pimentel não tem nada a ver com o que estão acusando ele”, disse em defesa do ministro que é seu amigo pessoal há décadas.

Fonte: Agora

+ sobre o tema

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira...

para lembrar

Seppir discute cooperação com BID pela igualdade racial

Reunião, ocorrida na manhã de hoje (09), abordou...

O que é fascismo?

De 1964 a 2022, a palavra "fascista" foi usada...

Dilma confirma que vice será do PMDB e culpa Serra por apagão

Pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff...

Folha de S. Paulo é condenada por publicar anúncio com ofensas a Luís Favre

Tribunal de Justiça entendeu que o jornal Folha de...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público manifestar sua indignação e repúdio à decisão da Câmara dos Deputados, aprovada nesta terça-feira, 12,...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país em protesto contra o avanço, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que equipara...
-+=