Tag: Angela Davis

Foto: Paul Morigi via Getty Images

O Discurso de Angela Davis na Women’s March (tradução)

No dia 21 de Janeiro, centenas de milhares de mulheres mobilizaram-se em diversos países na Women’s March, por justiça social, direitos iguais e contra o avanço conservador no mundo sintetizado na figura de Donald Trump, agora Presidente dos Estados Unidos. Por Juliana Borges, do CRÔNICASNABELAVISTA Foto: Paul Morigi via Getty Images Abaixo uma tradução, livre, que fiz do discurso de Angela Davis, filósofa e feminista negra. Um dos mais marcantes de toda a Women’s March. “Em um momento histórico desafiador, vamos nos lembrar que nós somos centenas de milhares, milhões de mulheres, transgêneros, homens e jovens que estão aqui na Marcha das Mulheres. Nós representamos forças poderosas de mudança que estão determinadas a impedir as culturas moribundas do racismo e do hetero-patriarcado de levantar-se novamente. Nós reconhecemos que somos agentes coletivos da história e que a história não pode ser apagada como páginas da Internet. Sabemos que esta ...

Leia mais
Em 1969, Angela Davis foi demitida do cargo de professora de filosofia da Universidade da California por sua associação com o partido comunista americano e com os Panteras Negras. A filósofa viria a ser perseguida, colocada na lista dos 10 criminosos mais perigosos do país, condenada e presa sem provas e com altas doses de espetacularização. (Foto: Antonio Scorza / Agência O Globo)

Afro Imagens: Política, Moda e Nostalgia, por Angela Davis

Referência Angela Davis (1994) Não muito tempo atrás, na cidade de São Francisco, eu assisti uma peça realizada por mulheres presidiárias e ex-presidiárias em colaboração com “Bay Area” performance de mulheres artistas. Depois desse show, fui para os bastidores da “green room”, onde as mulheres reclusas, vigiadas por policiais estacionados em frente a porta, estavam celebrando com suas famílias e amigos. Por ter trabalhado com algumas dessas mulheres na prisão, eu queria parabenizá-las no show. Uma delas introduziu-me para seu irmão que a princípio respondeu ao meu nome com um olhar inexpressivo. A mulher o repreendeu: “Você não sabe quem é Ângela Davis? Você deveria estar envergonhado”. Repentinamente um lampejo de reconhecimento atravessou sua face. “- Oh”, ele disse, “- Ângela Davis, a Afro”. Eu acho que esses tipos de respostas são dificilmente excepcionais, e é tanto humilhante quanto degradante descobrir que uma única geração após os eventos que me ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

Brasil e EUA fracassaram em abolir escravidão, afirma Angela Davis

Brasil e Estados Unidos ainda são assombrados pelo fracasso em abolir completamente a escravidão. A violência policial e a política de encarceramento em massa expressam o racismo estrutural e estão na base da desigualdade racial. As afirmações são de Angela Davis, 72, ícone da luta pelos direitos civis nos EUA e no mundo, em entrevista à Folha. Após ter enfrentado racismo, ódio, violência e machismo, ela avalia que é preciso entender o contexto maior dos problemas e apontar a conexão entre racismo, capitalismo e patriarcado. "Não avançaremos em nenhuma de nossas lutas principais se não formos capazes de desafiar e finalmente desmantelar o capitalismo", diz. Segundo ela, a cultura do estupro deve ser encarada como fruto da violência institucional. "Violência militar, violência policial, violência prisional incorporam e ajudam a reproduzir o estupro e outras formas individualizadas de violência de gênero." Ela defende que o direito ao aborto é "fundamental para ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

“Mulheres, Raça E Classe”: Livro De Angela Davis Ganha Tradução Inédita Para O Português

A Boitempo Editorial publica pela primeira vez no Brasil o livro “Mulheres, raça e classe”, escrito pela famosa ativista feminista negra e abolicionista Angela Davis. O livro faz parte de mais uma tradução feminista da editora. Recentemente, a Boitempo lançou o clássico “Reivindicação dos Direitos da Mulher”. Por MARINA COLERATO, do Modefica Publicado originalmente em 1981 nos Estados Unidos, “Mulheres, raça e classe” analisa as tensões durante o movimento sufragista americano, aborda os interesses divergentes das mulheres brancas e negras, e conta aos detalhes sobre os movimentos sociais da época e como muitas mulheres estavam envolvidas neles. Todo o trabalho de Davis preza pela interseccionalidade dos movimentos sociais, ou seja, entender as diferentes opressões sem hierarquizá-las. “Meu objetivo sempre foi encontrar pontos entre as ideias e derrubar os muros. E os muros derrubados se transformam em pontes” é uma de suas citações mais célebres. Não à toa, o livro é considerado um ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

Angela Davis autoriza filme baseado em sua biografia

Angela Davis vai se juntar a "Estação Fruitvale" e "Dope" produtora de Nina Yang Bongiovi para trazer o ainda sem título em projeto baseado em sua autobiografia para o cinema. A história de vida da lendária ativista, erudita e líder do movimento Black Power Angela Davis em breve vai enfeitar a tela grande. A Revista Variety informou no dia 09 de agosto que Davis autorizou um filme biográfico sem nome definido e com base no seu livro de memórias, "Angela Davis: An Autobiography". Eisa Davis ,sobrinha, escritora e finalista do Prêmio Pulitzer para a peça "Bulrusher" será a roterista do projeto. O estúdio de cinema independente  Codeblack Films ("Addicted", "Frankie and Alice") adquiriu os direitos do filme para a autobiografia. Nina Yang Bongiovi ("Dope", "Fruitvale Station") irá produzir o filme ao lado do CEO da Codeblack, Jeff Clanagan  e Sidra Smith produtora de documentários  "Free Angela and All Political Prisoners". Nem uma data de lançamento ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

Raça, gênero, classe, prisão: sete décadas de luta e teoria de Angela Davis

A necessidade de entender as histórias de forma coletiva e global marcaram a trajetória teórica e política de Angela Davis. Do PCB “Queremos o fim imediato da brutalidade policial e do assassinato de negros, de outras pessoas de cor e de todos os oprimidos no interior dos Estados Unidos”, dizia o Programa dos 10 Pontos do Partido Panteras Negras, em outubro de 1966. O documento incluía também a redistribuição da propriedade, reconhecendo a exploração aos escravos, o pleno emprego; habitação, saúde e educação dignas e mais. Após cinquenta anos do Programa, a acadêmica, membro do Partido Comunista, publicamente lésbica desde 1997, ativista e ex-membro dos Panteras Negras, Angela Yvonne Davis visita o Chile. Davis vem no marco do “X Encontro do Instituto Hemisférico de Performance Política eX-Cêntrico: Dissidências, soberanias, performance”, organizado pela Vice-reitoria de Extensão e Comunicações e o Departamento de Teatro da Universidade do Chile e a Universidade de ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

Curso online de feminismo negro

Formação online sobre feminismo negro será dividida em quatro módulos Por Pedro Borges Do Alma Preta  O Coletivo Di jejê oferece um curso online sobre o histórico do feminismo negro no Brasil. Os encontros virtuais começam a partir do dia 28 de junho e se estendem até 3 de julho. O número de vagas é de 30 pessoas e todos inscritos receberão um certificado ao final das aulas. A programação está dividida em quatro módulos. Enquanto a primeira conversa propõe a reflexão “O que é ser mulher negra?”, o segundo debate coloca em pauta a pergunta “Por que um feminismo negro?”. O terceiro questionamento suscita a discussão “Movimento Nacional de Mulheres Negras: as demandas das mulheres negras ou as mulheres negras demandam?”. O último momento apresenta os “princípios epistemológicos do feminismo negro no Brasil”. Jaqueline Conceição, organizadora da atividade e integrante do Coletivo Di jejê, explica o porquê da escolha de ...

Leia mais
blank

A utopia de Angela Davis

Angela Davis consegue capturar de forma profunda e sofisticada as nuances das diferentes formas de opressão e mostrar como elas agem e ainda constituem a sociedade. Por  Djamila Ribeiro, do Blog da Boitempo Em Mulher, raça e classe, Angela Davis faz um estudo elaborado sobre as condições da população negra nos Estados Unidos por um viés interseccional, ou seja, analisando como racismo, capitalismo e sexismo estruturam as relações gerando formas combinadas de opressão. Davis inicia o livro com o capítulo “O legado da escravidão: parâmetros para uma nova condição feminina” falando sobre o modo pelo qual a mulher negra escravizada era tratada de modo a ofuscar uma “condição feminina” já que elas eram forçadas a desempenhar o mesmo trabalho dos homens negros escravizados. O que as diferenciavam dos homens, e essa se torna uma diferença crucial, era o fato de terem seus corpos violados pelo estupro. Essa outra construção de ...

Leia mais
(Foto: Reprodução/As Mina na História)

28 mulheres negras ativistas que você precisa conhecer

As contribuições das mulheres negras para moldar e mudar o mundo para melhor são muitas vezes minimizadas. Reunimos uma lista com algumas das mulheres negras ativistas para as quais devemos ser gratos: Ella Baker (Foto: Reprodução/As Mina na História) Ella Baker começou seu envolvimento com a NAACP em 1940. Ela trabalhou como secretária de campo e, em seguida, atuou como diretora de 1943 até 1946. Em 1957, Baker se mudou para Atlanta para ajudar a organizar nova organização de Martin Luther King, a Southern Christian Leadership Conference (SCLC). Ela também fez uma campanha de registro de eleitores chamados  “A Cruzada para a Cidadania”. Em 1 de Fevereiro de 1960, um grupo de estudantes universitários negros de North Carolina A & T University foram impedidos de almoçar em um restaurante no  Greensboro, Carolina do Norte. Baker deixou o SCLC após esse acontecido. Ela queria ajudar os novos estudantes porque ...

Leia mais
blank

Lutar contra prisões em massa e pena de morte é lutar contra escravidão dos tempos modernos, diz Angela Davis

Em entrevista concedida junto com a irmã, Fania Davis - uma das principais expoentes da justiça restaurativa nos EUA, ressalta a necessidade de se criar um processo para 'curar os traumas raciais que continuam sendo reencenados' Por Sarah van Gelder, do Opera Mundi  “Assumimos uma luta que nos vincula aos abolicionistas que se opuseram à escravidão. As instituições da prisão e da pena de morte são os exemplos mais óbvios de como a escravidão continua a assombrar nossa sociedade”, diz Angela ao explicar a importância do abolicionismo penal, a nova trincheira das irmãs. Fania lembra que “abolimos a instituição da escravidão, mas ela foi substituída pela vassalagem, pelas leis Jim Crow , pelos linchamentos, pelas prisões privadas. A essência da violência racial e do trauma que vimos na instituição da escravidão e nas instituições subsequentes continuam até hoje sob a forma do encarceramento em massa e práticas policiais letais”. Ambas defendem a ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

Angela Davis fala sobre libertação negra, sua história e sua visão contemporânea

Cinquenta anos depois da fundação do Partido Pantera Negra de Auto-defesa , a agenda e o estilo da lendária organização revolucionária Negra permanecem relevantes no debate público atual.  A erradicação da “violência policial e do assassinato de negros”, essencial ao movimento “Vidas Negras importam” (“Black Lives Matter”), constava da plataforma de dez pontos dos Panteras Negras cinco décadas atrás. Tanto a aclamação e a condenação emergiram quando suas icônicas boinas pretas surgiram recentemente na apresentação da Beyoncé durante o intervalo do campeonato Super Bowl.  Por Tatiana Bustamante, do Imprensa Feminista É evidente que os Estados Unidos ainda estão amarrados às mesmas desigualdades e injustiças raciais de 50 anos atrás – e que o orgulho negro permanece um tema polêmico. Tal não surpreende a intelectual, ativista, ícone feminista e parceira dos Panteras Negras, Angela Y. Davis. “Ao lermos os dez pontos do programa do Partido Pantera Negra, constatamos que os mesmos temas do período ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

É preciso ser negro além da estética

Acreditar que só assumir os cabelos naturais é a única coisa necessária para empoderar a mulher negra é esquecer que essa ainda está na busca pelo seu reconhecimento e valorização em outras áreas que vão além da estética. Apostar que somente o visual poderá resolver os problemas da mulher negra é não olhar as demais lutas travadas ao longo da história. Do Linocasouza Diversas marcas de beleza têm utilizado modelos negras em suas propagandas, marcas de produtos para cabelos que não tinham produtos para cabelos afro, crespos ou cacheados estão criando linhas pra esse público, mulheres negras têm aparecido um pouco mais em capas de revistas e símbolos como turbantes, tecidos estampados como as capulanas e a famosa ‘estampa étnica’ têm sido cada vez mais vistos por aí. Isso tudo é importante, mas ainda é pouco. Ainda mais em um mundo que ainda é muito racista, a leitura estético-visual do negro ainda não é suficiente, até porque, o negro não é só estética, ...

Leia mais
blank

Qual é o seu feminismo? Conheça as principais vertentes do movimento

O que é feminismo? Essa é uma daquelas perguntas que não têm resposta definitiva. por Ione Aguiar no Brasil Post "Hoje vivemos os 'feminismos'. Sempre temos que falar no plural, pois este é um movimento marcado por uma dinâmica horizontal", disse a pesquisadora Carolina Branco de Castro Ferreira, em entrevista ao Brasil Post. O feminismo ganhou força no Brasil a partir dos anos 60, de braços dados com a luta pela redemocratização. "São mulheres letradas, de classe alta, que foram entrando em contato com feministas de fora do País", comentou Carolina, que é pós-doutoranda do núcleo de estudos de gênero Pagu, da Unicamp. Hoje, meio século depois, ele se amplificou e se dividiu em vários movimentos. Seu sujeito já não se resume à mulher branca, de classe média, que luta por direitos civis: é também a mulher negra, a mulher mãe, a mulher da periferia, a mulher jovem, a mulher lésbica... Fundadora do site ...

Leia mais
Foto: Getty Images

Halle Berry: ‘Sempre tive dificuldade em obter papéis por ser negra’

Aquela que continua a ser a única mulher negra a ter ganho o Óscar de melhor actriz ('Monster’s Ball', em 2002), a atriz Halle Berry, falou com sinceridade ao The Guardian sobre a dificuldade em obter bons papéis e partilhou as suas impressões sobre a indústria cinematográfica, na altura em que foi finalmente lançado em DVD o filme em que é protagonista, “Frankie and Alice”, e que valeu a nomeação para um Globo de Ouro. O filme, de baixo orçamento, foi rodado em 2008, e esteve em exibição apenas uma semana. Conta a história verídica de uma stripper nos anos ‘70, Frankie, que sofre do distúrbio de múltipla personalidade. Apesar do insucesso financeiro do filme, para Halle valeu a pena o “sangue, suor e lágrimas” que depositou no projeto recompensados pela experiencia de ter trabalhado com Phylicia Rashad e Stellan Skarsgård, a quem não poupa elogios. “Quando tens um impulso artístico e ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

Angela Davis: A inimiga pública número 1 dos EUA

Na última segunda-feira (26), a ativista e professora Angela Yvonne Davis completou 71 anos, um ótimo momento para relembrar a trajetória desta brilhante militante do coletivo Panteras Negras, que teve o seu nome, recentemente, alçado à fama mundial por conta do documentário Free Angela Davis, que trata do período em que esteve presa, o que provocou uma mobilização nacional pela sua libertação. A mais perigosa Angela Yvonne Davis é natural do estado do Alabama, considerado um dos mais racistas do sul dos Estados Unidos e, de acordo com a sua autobiografia, desde criança sofreu na pele humilhações racistas. Leitora voraz desde criança, aos 14 ganhou uma bolsa para estudar em Greenwich Village, em Nova Iorque, fato que transformaria a sua vida, pois é neste momento que ela entra em contato com as teses comunistas e inicia a sua militância no movimento estudantil. Ainda nos idos de 1960, Davis tornou-se militante ...

Leia mais
Foto: JIM YOUNG / REUTERS

9 mulheres negras que mudaram o mundo

Conheça aqui algumas dessas mulheres que ajudaram a tornar o mundo um lugar melhor. 1 - Ellen Johnson Sirleaf photo credit: Chip Somodevilla/Getty Images É a atual presidente da Libéria e a primeira mulher a ser eleita chefe de estado de um país africano. Foi eleita pela primeira vez em 2005 e reeleita em 2011, ano em que também ganhou o prêmio Nobel da Paz, pelo seu trabalho como a Primeira Ministra da Libéria. 2 - Oprah Winfrey Getty Images Oprah é apresentadora de televisão e empresária, além de ser uma das pessoas mais influentes do mundo. Ganhou múltiplos prêmios Emmy por seu programa de TV, que é o talk-show com maior audiência da história da televisão norte-americana. 3 - Dandara Zumbi Reprodução Dandara foi mulher de Zumbi dos Palmares e mãe de três filhos. Pouco se sabe ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

Eu sou Angela Davis

por Orlando Margarido No documentário 'Libertem Angela Davis', é a própria filósofa e militante socialista quem conta sua trajetória de vida Coadjuvante habitual no cinema inspirado nos movimentos de luta dos negros americanos, Angela Davis ganha o enfoque de protagonista que efetivamente foi. Em Libertem Angela Davis, em cartaz, a filósofa e militante socialista incômoda aos radicais e ao governo dos Estados Unidos nos anos 60 é descolada do coletivo para ter trajetória recomposta à margem de grupos determinantes que integrou, como os Panteras Negras. O resultado do documentário de Shola Lynch, o mais completo até agora, pode ser impactante àqueles que vislumbravam a personagem apenas como uma das várias peças daquele período de transformação. Não deixa de ser, claro, na medida em que o país era sacudido por diversos conflitos e manifestações do grupo oficialmente discriminado pela sociedade. A própria Davis, hoje com 70 anos, dá voz aos seus ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

Criminalizar a violência doméstica não basta para erradicá-la, diz Angela Davis

Angela Davis é a entrevistada do Programa Espaço Público Marcello Casal Jr./Agência Brasil Mariana Tokarnia Fim do sistema carcerário atual, denunciar o racismo presente em diversas instituições, crítica ao papel desempenhado pela mídia e que ativistas cuidem também do meio ambiente e da própria saúde. Essas são algumas das ideias defendidas pela ex-integrante do grupo Panteras Negras e do Partido Comunista dos Estados Unidos, Angela Davis, entrevistada hoje (29) no programa Espaço Público, da TV Brasil. Para ela, “quando simplesmente punimos os culpados, em geral o que acontece é que eles saem da cadeia pior do que entraram para cumprir a pena. As cadeias contribuem para reproduzir a violência e a conduta antissocial”. Angela chegou a constar na lista dos dez fugitivos mais procurados pelo FBI (agência federal de investigação dos Estados Unidos).  Ela foi presa na década de 1970 e inspirou a campanha "Libertem Angela Davis", que angariou apoiadores em todo o mundo. ...

Leia mais
blank

Racismo na mídia: entre a negação e o reconhecimento

A visibilidade às discussões sobre o racismo dada pela TV Globo e o reconhecimento da violência decorrente dele são uma vitória para a luta por igualdade racial Por Cecília Bizerra Sousa* “Sempre que venho ao Brasil, assisto à TV para ver como o país se representa. Pela TV brasileira, nunca seria possível imaginar que sua população é majoritariamente negra”. Esta observação, entre tantas outras acerca dos desafios que ainda cabem à luta pela igualdade racial no Brasil e no mundo, foi feita pela ativista estadunidense Angela Davis, em conferência em Brasília na noite de 25 de julho, na 7ª edição do Latinidades – Festival da Mulher Afro Latino Americana e Caribenha. “Não posso falar com autoridade no Brasil, mas às vezes não é preciso ser especialista para perceber que alguma coisa está errada se a cara pública deste país, majoritariamente negro, é branca”, acrescentou. Referência mundial na luta contra o ...

Leia mais
Foto: Paul Morigi via Getty Images

“Quantos senadores negros há no Brasil?” Angela Davis, a antítese de Joaquim Barbosa

por : Marcos Sacramento A ausência de negros em cargos políticos e de destaque no Brasil chamou a atenção da filósofa e ativista norte-americana Angela Davis. Nascida no Alabama, Davis foi professora da Universidade da Califórnia e teve ligações com o grupo Panteras Negras, sendo presa por causa disso no início dos anos 70. Uma das principais lideranças femininas na luta pelo direito dos negros nos Estados Unidos, foi homenageada em músicas de John & Yoko (“Angela”) e dos Rolling Stones (“Sweet Black Angel”). Ela foi um dos destaques do Festival Latinidades 2014: Griôs da Diáspora Negra, em Brasília. Na sua conferência, disse que ficou impressionada com a pouca presença de negros e pardos na política nacional. “Quantos senadores negros há no Brasil? Se olharmos para o Senado não saberíamos que os negros constituem mais de 50% da população brasileira”, questionou. “Não posso falar com autoridade no Brasil, mas às vezes ...

Leia mais
Página 2 de 3 1 2 3

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist