Um dia para lutar pelo aborto seguro

Neste 28 de setembro, movimentos de todo o mundo celebram a luta feminista pelo direito de decidir sobre a interrupção da gravidez. Ação ocorre em meio ao acirramento global da disputa em torno do tema

“São tempos incertos”: assim começa a chamada global para o Dia Internacional do Aborto Seguro, convocado por uma rede de movimentos de 130 países para amanhã, 28 de setembro. A data é marcada por ativistas, especialmente latino-americanas, desde os anos 1990 – mas 2022 foi um ano de retrocessos notáveis. 

O mais gritante aconteceu nos Estados Unidos, onde a Suprema Corte reverteu uma decisão em prol das mulheres, que agora estão em situação delicada. Mas também a China deu um passo atrás, ao decidir que abortos só podem ser feitos por “questões médicas”. E mesmo o Irã retrocedeu ainda mais, ao restringir até direitos de contracepção e de esterilização voluntária. São tempos incertos.

Na América Latina, os ventos ainda são de mudança, alcançada pela luta feminista. A última vitória aconteceu na Colômbia, onde o aborto foi descriminalizado até a 24ª semana de gestação. Já no Brasil, o tema é interditado por um governo de extrema-direita e um Congresso Nacional conservador. Entre a população, 67% acreditam que a criminalização do aborto não resolve o problema e 77% concordam que mulheres pobres sofrem mais com a proibição.

Campanha Internacional pelo Direito ao Aborto Seguro reúne mais de 1,6 mil organizações, redes, coalizões e outros coletivos para lutar pelo direito de as mulheres decidirem sobre sua gestação. Também o Movimento pela Saúde dos Povos (MSP) se engaja na campanha: “O acesso aos cuidados de saúde é um direito humano, e as instituições e governos que não reconhecem e não garantem o acesso ao aborto como cuidados de saúde essenciais estão abstendo-se totalmente de suas obrigações de defender, proteger e cumprir os direitos humanos”.

Embora o Brasil pareça afastado dos debates a favor do aborto seguro, foi importante na criação da data de celebração da luta. O dia 28 de setembro foi escolhido a partir da Lei do Ventre Livre, de 1871, que determinou que todo filho que nascesse de uma mulher escravizada seria, a partir de então, livre.

“Em tempos incertos, nos mobilizamos para exigir cuidados de aborto seguros, legais, acessíveis e sem estigma, disponíveis para todos que precisam”, escreve a A Campanha Internacional pelo Direito ao Aborto Seguro em seu manifesto de 2022. “Nos recusamos a recuar, nos mobilizamos e nos organizamos usando as ferramentas à nossa disposição e nos adaptando às realidades de nossas comunidades.”
Movimentos de todos os países são chamados a celebrar em conjunto. A Campanha sugere algumas ações para serem realizadas por feministas em 28/9: compartilhar informações sobre como conseguir pílulas abortivas seguras (é bom lembrar que, no Brasil, o aborto é criminalizado e portanto é preciso garantir a privacidade ao divulgar métodos abortivos); organizar eventos e debates, festivais, seminários, webconferências e eventos culturais; cobrar de legisladores que pautem o tema; doar a organizações feministas que lutam pelo direito. Movimentos feministas também são chamados a participar da rede.

+ sobre o tema

Feministas indicam desafios para avanço das políticas para as mulheres

Em reunião com a ministra da Secretaria de Políticas...

Graciliana Selestino Wakanã: ‘O que a gente quer é viver bem’

Graciliana Selestino Wakanã, do povo Xucuru Kariri, fala sobre...

Vozes femininas disputam espaço na Rio+20

"Se alguém acha que somos invisíveis, está na hora...

Agressor de mulher terá que pagar gastos do INSS

Medida começará por Espírito Santo e Brasília, mas deve...

para lembrar

Aborto e machismo no mercado de trabalho

Nas últimas semanas, a grande mídia passou a dar...

É preciso falar sobre aborto

No episódio de ‘fetostentação’ na internet, mulheres exibiram a...

Mulheres voltam a protestar contra projeto de lei de Eduardo Cunha

Texto do PL 5069 dificulta o aborto legal em...

Restrições não reduzem taxa de aborto, diz estudo

Taxa de abortos onde a prática é legal é...
spot_imgspot_img

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da filha adolescente quando a menina decidiu se casar. Mas ao vê-la tão magra e abatida...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Dia Internacional das Mulheres: a origem operária do 8 de março

Muitas pessoas consideram o 8 de Março apenas como uma data de homenagens às mulheres, mas, diferentemente de outros dias comemorativos, ela não foi criada pelo comércio...
-+=