Uma sentença de Joaquim Barbosa

Por Luciano Martins Costa no Observatório da Imprensa

Folha de S.Paulo encerrou ne quinta-feira (2/10) a série “Ombudsman por um dia”, que comemorou durante uma semana os 25 anos de criação do cargo de ouvidor dos leitores. O texto crítico, de autoria do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, é o único dos sete artigos que merece o tempo gasto em sua leitura.

Apesar de afirmar que não, a visão de Barbosa sobre a Folha é claramente negativa: a leitura de sua análise mostra que ele respeita apenas o que o jornal foi há quatro décadas. A partir do título (“Jornal erra ao tentar se mostrar neutro”, ver aqui), o ex-ministro demonstra como o diário paulista se transformou de referência cultural, no final da ditadura militar, em um órgão escandaloso, superficial e preconceituoso.

Nem o mais crítico entre os analistas agregados neste Observatório seria tão demolidor. A rigor, sua única referência positiva se concentra no último parágrafo, quando o autor afirma que o papel mais importante cumprido pela Folha é o de fazer um contraponto eficaz ao poder político em geral. No entanto, mesmo essa ressalva poderia ser discutida a partir de sua própria avaliação: a Folha não faz um contraponto eficaz ao poder político, exatamente pelos vícios que o “ombudsman por um dia” alinha nos parágrafos anteriores.

Nas suas palavras, o jornal paulista cai frequentemente na tentação de atrair o leitor “pelo estardalhaço dos títulos, não raro em franco contraste com a banalidade e a pouca importância do que é exposto na matéria”. Além disso, segundo Barbosa, o jornal tende a estigmatizar e debochar de certos grupos de pessoas e se mostra antipático a tudo que vem do setor público, tentando fazer crer que tudo de positivo que aconteceu no Brasil se deve à esfera privada.

O articulista também observa, com ironia, como o esforço da Folha em se apresentar como uma mídia “pop” a expõe muitas vezes ao ridículo, quando despreza certos aspectos da cultura nacional, em oposição à “desmesurada importância atribuída a alguns temas e atores da pauta, digamos, não nacional”. “Em suma, o velho complexo de vira-latas”, comenta Barbosa.

Não dá para não deixar de ler

O ex-presidente do STF também desconstrói o mito da neutralidade com que o jornal paulista tenta se apresentar ao público. “No domínio da política, o jornal erra redondamente no seu esforço de querer se mostrar neutro. Não é”, acrescenta Joaquim Barbosa. O jurista até concede que, nos anos não coincidentes com o calendário eleitoral, o noticiário apresenta um pouco mais de equilíbrio. “Mas tão logo se aproximam esses pleitos, o jornal começa a se agitar, e a pauta, a esquentar artificialmente.”

Na opinião do ex-ministro, seria mais transparente se a direção do jornal simplesmente declarasse suas “afinidades eletivas”, como fazem outros órgãos de imprensa, como os jornais The New York Times e Le Monde e a revista The Economist. Joaquim Barbosa observa que o leitor “entenderia e aplaudiria” tal iniciativa, e acrescenta que essa falsa neutralidade ainda não é o pior: “Como outros periódicos brasileiros”, acrescenta, a Folha de S. Paulo não reflete em suas páginas a grande diversidade da sociedade brasileira.

Ele cita especificamente “a ausência do olhar do negro, do mulato e de outros segmentos” culturalmente e socialmente identificados com essa parcela da sociedade brasileira. “É como se o jornal e seus colunistas se dirigissem exclusivamente às classes média alta e alta, supostamente caucasiana, a que muitos jornalistas equivocadamente julgam pertencer”, completa. Nesse contexto, ele cita as campanhas que a Folhapromoveu contra as políticas sociais implantadas no Brasil, como as cotas em universidades.

Entre outras deficiências do jornal, o ex-presidente do STF ainda encontra espaço para citar sua natureza “excessivamente opinativa”, em detrimento da apuração e da pesquisa jornalística em profundidade; a ausência de especialistas de peso em matérias altamente técnicas; o excesso de notícias sobre Brasília e os bastidores da política; e a omissão quanto a assuntos relevantes da América Latina e da África, o que contribui para o enraizamento dos vieses típicos das elites da região, como o eurocentrismo e o norte-americanismo.

Depois dessa sentença de Joaquim Barbosa, você nunca mais vai ler a Folha do mesmo jeito.

+ sobre o tema

Tribunais são enviesados contra mulheres e negros e não fazem justiça, diz advogada da OAB

Os Tribunais de Justiça são enviesados e, por isso,...

Em 2025 comemoraremos as mudanças que começam aqui e agora

Em 2025 comemoraremos a primeira década de significativa redução...

O silêncio da mídia diante da denúncia de golpe do fotógrafo brasileiro ganhador do Pulitzer

Dez dias atrás, o fotógrafo Mauricio Lima foi festejado pelos grandes meios...

para lembrar

O racismo que escapole no discurso politicamente correto do ministro Barroso

Na última quarta-feira (07) o Ministro Roberto Barroso compareceu...

Empreendedor Social abre inscrições em quatro categorias em resposta à Covid-19

 Com  os  crescentes  desafios  para  superação  dos  impactos  da ...

Questão de ordem (em defesa de Joaquim Barbosa), por Míriam Leitão

O ministro Joaquim tem comprovado saber jurídico. Se não...

Uma charge racista e os haitianos em São Paulo

Como professora (também) de Ensino Médio e Pré-Vestibular, volta...

Folha ignora evidências favoráveis às cotas raciais

Na quinta-feira (7), pela oitava vez, esta Folha publicou um editorial ("Cotas sociais, não raciais") explicitando sua posição ideológica sobre as cotas raciais, negando os evidentes resultados...

Em defesa das cotas raciais – uma resposta à Folha de São Paulo

Nos últimos dias a Folha de São Paulo, um dos principais jornais do país, tem publicado matérias e editoriais defendendo abertamente o fim das...

Folha estreia projeto sobre liberdade de expressão

A Folha estreia nesta semana, em parceria com a ONG Artigo 19, o projeto Liberdade de Expressão, que irá difundir conhecimento sobre o tema e apresentar...
-+=