Uso do tempo: especialistas discutem bases para melhorar pesquisas sobre impacto econômico e socia

Especialistas discutem bases para melhorar pesquisas sobre o uso do tempo, impacto econômico e social

Administração do tempo determina oportunidades de trabalho, educação, saúde e lazer e está condicionado às relações de gênero, raça e etnia. Evento internacional coloca questões em evidência, nos dias 9 e 10 de setembro, no Rio de Janeiro

Como você administra o seu tempo? Em que áreas homens e mulheres dedicam mais tempo no seu dia-a-dia? Essas são perguntas de fundo do II Seminário Internacional sobre Pesquisas de Uso do Tempo – Aspectos Metodológicos e Experiências Internacionais que vai reunir no Rio de Janeiro, nos dias 9 e 10 de setembro, representantes de governos, pesquisadores e especialistas de 13 países: Argentina, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Equador, Estados Unidos, França, México, Inglaterra, Portugal, Suíça e Uruguai.

 

O encontro será inaugurado na quinta-feira (9/9), às 9h, por Rebecca Tavares, representante do UNIFEM Brasil e Cone Sul (parte da ONU Mulheres); Laís Abramo, diretora da OIT Brasil (Organização Internacional do Trabalho); ministra Nilcéa Freire, da Secretaria de Políticas para as Mulheres; Eduardo Nunes, presidente do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística); e Jorge Abrahão, diretor de Estudos e Políticas Sociais do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

 

O uso do tempo é uma ferramenta para medir o emprego da energia produtiva e as áreas de maior concentração de esforço e atenção de homens e mulheres no dia-a-dia. Segundo os dados da PNAD 2007 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio do IBGE), as brasileiras consomem 27 horas por semana com afazeres domésticos, enquanto o tempo médio para os homens é de 10 horas semanais. Quando analisada a concentração total do tempo de mulheres e homens, os números são mais alarmantes: 89,9% para elas e 50,7% para eles. No Uruguai, as mulheres dedicam 36 horas por semana a trabalhos não remunerados (além de tarefas domésticas, serviços voluntários, por exemplo), os homens dedicam 16 horas.

 

Valor do tempo: igualdade e qualidade de vida

Além da conciliação entre vida pessoal e família, o trabalho e o lazer também são influenciados pelas dimensões de gênero, raça e uso do tempo. Conforme o Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, produzido pelo governo brasileiro e pelo UNIFEM Brasil e Cone Sul (Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher – parte da ONU Mulheres), a grande maioria das trabalhadoras e dos trabalhadores, gasta em média 30 minutos no deslocamento da residência até o local de trabalho. Enquanto para homens e mulheres a média de tempo é próxima, para negros e brancos o uso do tempo no deslocamento é diferenciado: 70% dos brancos gastam 30 minutos; para os negros o percentual é de 65,4%.

 

O uso do tempo também está relacionado à qualidade de vida da população e às oportunidades de acesso à educação, saúde, cultura e lazer. Está vinculado, ainda, ao valor atribuído às atividades remuneradas e não remuneradas e aos papéis sociais determinados pelas relações de gênero, raça e etnia.

 

Debate sobre relações sociais e impacto econômico

Na abertura do seminário, a representante do UNIFEM Brasil e Cone Sul vai abordar como a economia de cuidado e a valoração do trabalho não remunerado das mulheres impactam na vida econômica das sociedades. Segundo Rebecca Tavares, o uso diferencial do tempo produz e reproduz uma série de desigualdades. “Há uma relação direta entre o pleno exercício dos direitos sociais, políticos e econômicos por parte das mulheres e sua dedicação ao trabalho não remunerado”, considera Rebecca Tavares.

 

Na sequência, acontecerá a conferência de abertura “O tempo nas sociedades modernas” a ser proferida por María Ángeles Duran, professora de Pesquisa do Instituto de Economia, Geografia e Demografia do Centro de Ciências Humanas e Sociais da Espanha. Nos demais painéis, serão discutidas metodologias de classificação de atividades, coleta e tratamento de dados e aplicações das pesquisas nas políticas públicas.

 

Ainda no primeiro dia do evento, às 18h da quinta-feira (9/9), será lançada a versão em português do livro “O valor do tempo: quantas horas te faltam ao dia?”, da pesquisadora María Ángeles Duran. O segundo dia (10/9) reserva espaços de interação e troca de experiências entre estudos de uso do tempo nos 11 países representados no seminário, com destaque para os estudos de gênero e tempo, saúde, políticas de gênero, tempo das trabalhadoras domésticas e impacto do trabalho não remunerado na economia.

 

O II Seminário Internacional sobre Pesquisas de Uso do Tempo – Aspectos Metodológicos e Experiências Internacionais é uma realização do UNIFEM Brasil e Cone Sul-ONU Mulheres, OIT, IPEA, IBGE e Secretaria de Políticas para as Mulheres.

 

 

II Seminário Internacional sobre Pesquisas de Uso do Tempo – Aspectos Metodológicos e Experiências Internacionais

Datas: 9 e 10 de setembro de 2010

Horário: 9h

Local: IBGE – Centro de Documentação e Disseminação de Informação (Rua General Canabarro, 706, auditório Teixeira de Freitas, bairro Maracanã) – Rio de Janeiro/RJ

Inscrições: vagas limitadas, solicitações para cristina.queiroz@spmulheres.gov.br

Informações: (61) 3411.4289/4237

 

 

 

 

 

 

  

 

+ sobre o tema

Casamento de saudita de 90 anos com menina de 15 revolta o país

Segundo imprensa local, homem teria pago dote de cerca...

Quantas vezes nós, mulheres negras, fomos amadas?

Inicio esse texto com uma adaptação do título do...

PLP2.0 Vencedor do prêmio Oi tela viva móvel 2016 na categoria Utilidade Pública

O Geledés Instituto da Mulher Negra e Themis Gênero...

Medalhista, Jucielen Romeu, do boxe é proibida de falar sobre racismo e empoderamento

Medalhista de prata nos Jogos Pan-Americanos, Jucielen Romeu foi...

para lembrar

Casal gay é agredido em bar no Itaim, e diz ter sido vítima de homofobia

Homem afirma que ele e o namorado foram surpreendidos...

Mulheres no setor de saúde e assistência ganham 24% menos que os homens, diz OMS

As mulheres no setor de saúde e cuidados enfrentam...

Fox se desculpa por cartaz acusado de estimular a violência contra mulheres

Pôster do filme “X-Men: Apocalipse” apresenta a personagem da...

Austrália elege a primeira mulher indígena para o parlamento

Linda Burney, uma antiga professora, conquistou um assento na...
spot_imgspot_img

Mulheres negras têm poder de internacionalizar lutas e reconfigurar a política

Do ponto de vista das lutas históricas em prol das mudanças monumentais que precisam incidir no mundo capitalista, portanto desigual, tornou-se referência inescapável a...

Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha tem marchas em todo o país; confira

Nesta quinta-feira (25), Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, marchas acontecem em diversas partes do país, como Bahia, Maranhão, Piauí, Pernambuco, São...

ALERJ homemageia escritora Sueli Carneiro com medalha Tiradentes

A filósofa e escritora Sueli Carneiro, ativista do movimento negro, vai receber a Medalha Tiradentes nesta quinta-feira (25), Dia da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=