Vou sair de drag queen no Dia do Orgulho Hetero

O projeto que cria o Dia do Orgulho Heterossexual, de autoria do presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deve voltar a tramitar. A ser comemorado no terceiro domingo de dezembro, tem como justificativa “resguardar direitos e garantias aos heterossexuais de se manifestarem e terem a prerrogativa de se orgulharem do mesmo e não serem discriminados por isso”.

Foto: Flávio Florido

Por Leonardo Sakamoto no Blog do Sakamoto 

Vivemos em uma democracia republicana, então que se crie a festividade. Um amigo jornalista, homossexual e militante LGBTT disse que, na opinião dele, não há nada mais que se aproxime daquele velho estereótipo gay que um Dia do Orgulho Hétero, mas vá lá.

Não temos o Dia do Pombo da Paz (20 de setembro), Dia da Levitação (16 de dezembro) e Dia Paulista do Ovo (23 de dezembro)? Então, por que não?

Contudo, vale lembrar que vivemos em uma sociedade que considera anormal qualquer coisa que não seja uma relação cissexual homem/mulher. Criar elementos simbólicos com o objetivo de fortalecer aspirações reacionárias é sempre preocupante.

Daria para escrever uma tese diante tratar do perigo representado por uma maioria (com direitos assegurados) que começa a se manifestar de forma organizada diante da luta de uma minoria por sua dignidade.

Uma maioria que, cada vez mais, não tem vergonha de reivindicar a manutenção de privilégios, garantindo, dessa forma, o espaço que já é seu (conquistado por violência, a ferro e fogo). Mesmo que a obtenção de direitos pela minoria não signifique redução de direitos dessa maioria mas, apenas, necessidade de tolerância por parte desta.

Lembrando, é claro, que “maioria” e “minoria” não são uma questão numérica, mas sim de quanto um grupo consegue efetivar sua cidadania.

Mas quando li, como parte das justificativas do projeto, que “a preocupação com grupos considerados minoritários tem escondido o fato de que a condição heterossexual também pode ser objeto de discriminação, a ponto de que se venha tornando comum a noção de heterofobia”, desisti.

Um sentimento de vergonha alheia, daqueles que provoca na gente vontade de se esconder embaixo do tapete da sala, tomou conta de mim.

Nessas horas, só posso citar a sabedoria presente na mitologia cristã, uma das melhores passagens de toda a bíblia, em minha humilde opinião.

Evangelho de Lucas, capítulo 23: Pai, perdoai. Eles não sabem o que fazem.

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Expulso de casa por ser gay, jovem divulga vídeo de briga com os pais

Pais evocam argumentos bíblicos para dizer que filho gay...

para lembrar

Mentira. Não está faltando água em São Paulo – Por: Leonardo Sakamoto

O paulistano é bicho engraçado. Escolhe uma esfera de...

Redução da maioridade penal no (filho) dos outros é refresco

A questão sobre a redução da maioridade penal é,...

“Por favor, me dá um beijo”: Formas de sentir vergonha alheia no Carnaval

Detesto sentir vergonha alheia. por Leonardo Sakamoto no Blog Aquela vontade...

Nos EUA e no Brasil, o “mal” são sempre os outros. Nunca nós mesmos

''Nós devemos manter o 'mal' fora de nosso país!'' Por Leonardo...
spot_imgspot_img

Número de resgatados da escravidão dispara em 2023 e é o maior em 14 anos

O Brasil encontrou 3.190 trabalhadores em condições análogas às de escravo em 2023. O número é o maior desde os 3.765 resgatados em 2009. Foram...

Governo do PT da BA copia bolsonarismo em nota sobre violência policial

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia, Estado governado por Jerônimo Rodrigues (PT) e que deu ampla vitória a Lula, conseguiu produzir uma nota...

Fome atinge 22% das famílias de mulheres negras e 8%, de homens brancos

A fome esteve presente em 20,6% das famílias chefiadas por pessoas que se autodeclaram pretas, em 17% daquelas comandadas por pardas e em 10,6%,...
-+=