Resultados da pesquisa por 'sociedade'

    O presidente do STF, Dias Toffoli
(Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

    “O racismo estrutural está disseminado na sociedade brasileira”, diz Toffoli

    O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, disse hoje (7) que o racismo estrutural está disseminado na sociedade brasileira. Toffoli participou da abertura do seminário Questões Raciais e o Poder Judiciário, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão que também é presidio por ele. Durante discurso de abertura, Toffoli citou pesquisas que mostram que os níveis de vulnerabilidade social da população negra são maiores, incluindo a desigualdade no mercado de trabalho e no próprio Judiciário. “O racismo estrutural está disseminado na sociedade brasileira. Muitas vezes não existe uma vontade deliberada de discriminar, mas se fazem presentes mecanismos que dificultam a participação da pessoa negra no espaço de poder”, afirmou. Segundo o ministro. uma pesquisa realizada em 2018 pelo CNJ mostrou que apenas 18% dos juízes se declararam negros ou pardos. Do total de juízas existentes, apenas 6% se declararam negras. ‘É preciso corrigir esse cenário, promovendo ...

    Leia mais
    Arte C r i c a  M o n t e i r o @crica.monteiro

    Infâncias negras importam: a luta antirracista deve ser de toda a sociedade

    A morte do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, filho da trabalhadora doméstica Mirtes Renata Souza, ocorrido no Recife, revela a face mais cruel do racismo no Brasil: a desumanização das infâncias negras. O filho da trabalhadora caiu do nono andar do prédio em que a mãe trabalhava, ao ser negligenciado pela empregadora, aos cuidados de quem fora deixado enquanto a mãe cumpria a tarefa de levar os cães da patroa para passear. O episódio revela o racismo estrutural, que perpetua e aprofunda desigualdades sociais-econômicas na sociedade brasileira. Passado mais de um século da abolição da escravidão, os detalhes presentes no episódio trágico e inaceitável nos remetem a cenários do período colonial, em que sinhás se utilizavam dos corpos negros das mucamas, para que estas realizassem, de forma subalterna, as mais variadas atividades afetas aos cuidados e caprichos daquelas, como arrumar cabelos, roupas, preparar e servir refeições, ...

    Leia mais
    Foto: Tiago Queiroz

    Ações da sociedade civil e união de moradores beneficiam comunidade do Jardim Lapena

    O Jardim Lapena, bairro da zona leste de São Paulo onde está localizado o Galpão ZL, núcleo de Prática Local da Fundação Tide Setubal, é marcado por fatores diversos ligados à vulnerabilidade social, logo, praticar o isolamento social tem sido desafiador. Por esse motivo, a ação de moradores do território e de entidades de diversos setores da sociedade civil tem auxiliado a população local a ter condições mínimas para poder cumprir o isolamento social. Para Marcelo Ribeiro, coordenador de Prática Local da Fundação Tide Setubal, é importante ressaltar o protagonismo de quem mora na área para minimizar esse aspecto. “Nada mais justo e coerente do que valorizar o tecido social existente na região, uma vez que faz a ajuda chegar mais rápido para as pessoas. Elas estão bem organizadas, têm cuidado uma das outras e têm o protagonismo para fazer entregas por meio da autogestão.” Moradora ...

    Leia mais
    Adobe

    A sociedade é uma trapaça

    A sociedade trapaceira, deveria ser parceira. Mas mata todo dia jovens por besteiras. Ela não está de brincadeira. Outra noite queimou as bruxas na fogueira. Mulheres bruxas, bruxas mulheres. Deixem-nas fazerem o que quiserem. Mataram Marias e Marieles. Eu me pergunto, o que vocês mais querem? Hoje de novo liguei no jornal. Morte de um marginal, perai… Marginal? Não, era só mais uma criança inocente brincando em seu quintal. Mas um corpo negro que chegou ao fim antes do final. Até agora nenhuma notícia dos culpados. Entretanto quem está preocupado com os culpados? Eram negros… Menos um para o estado. Esse tipo de notícia se repete todo dia. Morre preto, pobre, mulher, viado, trans, sapatão. Um foi de tiro, o outro inocente na prisão, sem falar na depressão. A mulher assediada sem razão, os jovens marginalizados, sem futuro, sem perdão. Sangue preto escorre em suas mãos.  Mônica Silva   ** ...

    Leia mais
    Reprodução/Facebook

    HOJE na TV247 – Diálogo sobre Papel da Defensoria Pública, Sociedade Civil e Governos diante da PANDEMIA

    Nesta segunda, dia 20, às 21h, ao vivo no YouTube da @TV247, Beatriz Lourenço Do Nascimento, Maria Sylvia Oliveira, Oriel Rodrigues Moraes e Gabrielle Nascimento vão refletir sobre os desafios do grave momento que vivemos no debate "Desigualdade Social, Pandemia e acesso à Justiça". A situação do povo mais pobre e negro nas periferias, das mulheres negras, das pessoas encarceradas e seus familiares e dos quilombolas em meio à pandemia, o papel da sociedades civil, da Defensoria Pública e de governos, será tema desta importante conversa. Eleições para a Ouvidoria da Defensoria Pública de SP Nesta próxima quarta, dia 23 de Abril, acontece a escolha da representação da sociedade civil para a lista tríplice, de onde se decide a nova Ouvidora. Beatriz Lourenço, ao lado de Maria Sylvia, Oriel e Gabrielle, formam a candidatura do movimento negro e periférico para esta Ouvidoria. AQUI o Perfil das candidatas da chapa e ...

    Leia mais
    Divulgação/

    Sociedade Contra o Corona: A responsabilidade tem que viralizar

    Vivemos uma crise sem precedentes em virtude da pandemia da Covid-19. O mundo globalizado agora vive em completo isolamento na tentativa de salvar vidas em cada um dos países acometidos pelo coronavírus, que já vitimou dezenas de milhares de pessoas em todas as partes do planeta. Aqui no Brasil, a chegada avassaladora do vírus transformou a vida cotidiana dos brasileiros e trouxe seríssimas preocupações em relação às consequências dessa crise no presente e no futuro da nossa sociedade. No Sociedade Contra o Corona Divulgação/Sociedade Contra o Corona Cada um de nós, sem exceção, está vivendo na pele os efeitos deste momento inédito e tão difícil da história. A sociedade civil organizada, em seu propósito de atuar de forma íntegra e abnegada na promoção e defesa do bem comum, de direitos e liberdades fundamentais, da dignidade humana e do bem-estar social, está se adaptando à nova realidade pandêmica ...

    Leia mais
    Retrato de Felipe Santa Cruz, Presidente da OAB
Imagem: Fernando Moraes/UOL

    “O autoritarismo é um vírus presente na sociedade brasileira”, diz Santa Cruz

    Desde a independência, em 1822, o Brasil vive sob sua sétima Constituição — uma no Império, uma sob a antiga República, duas durante o varguismo, duas sob período democrático (1946 e 1988) e uma na ditadura militar (1967). Por Emerson Voltare, André Boselli e Rafa Santos, do ConJur Retrato de Felipe Santa Cruz, Presidente da OABImagem: Fernando Moraes/UOL A atual, sob a redemocratização, inaugurou um novo arcabouço jurídico-institucional, com ampliação das liberdades civis e direitos e garantias individuais. Mas na visão do presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, "nossa história não nos autoriza sermos lenientes com qualquer movimento autoritário". A entrevista exclusiva foi concedida antes da pandemia do novo coronavírus tomar o debate nacional. Para o advogado filho único de Fernando Santa Cruz, desaparecido político aos 26 anos de idade no Carnaval de 1974, "o Brasil é terra fértil ...

    Leia mais

    “Temos uma sociedade escravocrata”, afirma juíza que põe em evidência sua negritude

    Confira a entrevista que a juíza de direito Karen Luise Vilanova Batista de Souza concedeu ao BdF RS Por Fabiana Reinholz e Katia Marko, do Brasil de Fato "Se você só tem homens brancos na magistratura, você vai ter a visão e a vivência e a experiência do homem branco no mundo" (Foto: Katia Marko/Brasil de Fato) "Nós somos o resultado de nossas circunstâncias, de como nos constituímos, como vemos o mundo. Se você tem uma criação e uma vivência que se aproxima ou se afasta desse olhar feminino, se você não tem leitura sobre isso, se você não se interessa sobre essas questões, você vai reproduzir comportamentos da sociedade, e a nossa é machista”, analisa a juíza Karen Luise Vilanova Batista de Souza, da 1ª Vara do Júri de Porto Alegre. Karen, como ela mesmo pontua, não é a primeira juíza negra do Estado do ...

    Leia mais
    Auschwitz-Birkenau, um campo de concentração nazista na Polônia, onde mais de 1 milhão de judeus e membros de outras minorias morreram durante a Segunda Guerra Mundial. Foto: ONU/Evan Schneider

    75 anos após libertação de Auschwitz, antissemitismo ainda ameaça sociedades democráticas

    Lembrando 75 anos desde a libertação do campo de extermínio nazista de Auschwitz-Birkenau, especialistas independentes em direitos humanos da ONU disseram nesta quinta-feira (23) que “ações urgentes” são necessárias para combater o crescente antissemitismo no mundo. Da ONU “Neste momento solene, designado como Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, Estados em todo o mundo estão falhando em combater suficientemente a violência antissemita, a discriminação e a hostilidade em suas sociedades ou em garantir que suas populações sejam educadas adequadamente sobre o Holocausto”, disseram os relatores em um declaração conjunta. Auschwitz-Birkenau, um campo de concentração nazista na Polônia, onde mais de 1 milhão de judeus e membros de outras minorias morreram durante a Segunda Guerra Mundial. Foto: ONU/Evan Schneider Lembrando 75 anos desde a libertação do campo de extermínio nazista de Auschwitz-Birkenau, especialistas independentes em direitos humanos da ONU disseram nesta quinta-feira (23) que “ações ...

    Leia mais
    A diretora-executiva da ONU Mulheres Phumzile Mlambo-Ngcuka - Alan Marques - 18.nov.15/Folhapress

    Estupro: um custo intolerável à sociedade

    O lar não é um lugar seguro para milhões de mulheres Por Phumzile Mlambo-Ngcuka, da Folha de São Paulo A diretora-executiva da ONU Mulheres Phumzile Mlambo-Ngcuka - Foto: Alan Marques/Folhapress Se eu pudesse ter um desejo atendido, poderia ser o fim do estupro. Isso significa que uma importante arma de guerra sairia do arsenal de conflitos, assim como a ausência de risco diário para meninas e mulheres em espaços públicos e privados. Haveria a remoção de uma afirmação violenta de poder e mudança de longo alcance para nossa sociedade. O estupro não é um ato breve e isolado. Danifica a carne e reflete na memória. Pode causar mudança de vida, com consequências que não foram escolhidas —como gravidez ou DST. Seus efeitos devastadores e duradouros atingem outras pessoas: família, amizades, parcerias e colegas. Tanto no conflito quanto na paz, ele molda as decisões das mulheres de ...

    Leia mais
    (Foto: Felipe Iruatã/Ag. A tarde)

    Conheça a história da Sociedade Protetora dos Desvalidos, primeira associação civil negra do país

    No largo do Cruzeiro de São Francisco, no Pelourinho, há um casarão azul ocupado, no térreo, por uma loja de lembranças da Bahia. Camisas, chaveiros, bonés, coloridos, comuns. Aparentemente indistinto, o sobrado guarda uma preciosidade, maior até que a comoção natural de tudo que sobrevive ao tempo. Por Tatiana Mendonça, do A Tarde Atual presidente da SPD, Ligia Margarida de Jesus demorou dez anos para ser admitida como sócia (Foto: Felipe Iruatã/Ag. A tarde) Os turistas que passam por ali todos os dias não sabem, os baianos que passam por ali todos os dias não sabem, mas naquele lugar está a primeira associação civil negra do Brasil e uma das mais antigas das Américas. Um projeto de sobrevivência. Um ancestral do “ninguém solta a mão de ninguém”. A Sociedade Protetora dos Desvalidos (SPD) nasceu em 16 de setembro de 1832, batizada com verniz religioso de Irmandade ...

    Leia mais

    Sociedade incivil e barbárie

    Degradação social incita classes à produção do ódio Por Muniz Sodré, Da Folha de S. Paulo (Foto: Margarida Neide Ag. A Tarde) A distopia televisiva “Years and Years” (HBO), onde o mundo parece posto de cabeça para baixo, é amostra curiosa de um fenômeno ainda em busca de interpretação, que escolhemos designar como sociedade incivil. Não se trata de mera oposição entre incivilidade e civilização, e sim de uma nova forma social, que emerge de norte a sul do planeta, com especial destaque no Brasil. Para maior clareza teórica, um bom ponto de partida é a suposição de um “comum” inerente a toda atividade humana. Transparece na expressão sociedade civil que, já em meados do século 18, se opunha à noção de indivíduo isolado. A palavra “civil” (civis, cidadão) conota a ideia do homem desvinculado de uma função estatal, mais especificamente de uma obrigação militar. Civil ...

    Leia mais

    Zezé Motta: “Em uma sociedade que valoriza apenas o novo, envelhecer é desafio”

    Atriz e cantora conversa com Camila Pitanga sobre o tema “A beleza do tempo” no Superbonita desta quarta-feira (25) Na Marie Claire Zezé Motta e Camila Pitanga (Foto: Reprodução/Marie Claire/Divulgação) Aos 75 anos, Zezé Motta fala sobre maturidadade, envelhecer e beleza com Camila Pitanga no Superbonita desta quarta-feira (25). A apresentadora recebe a atriz e cantora para uma conversa com o tema “A beleza do tempo” que vai ao ar no GNT, às 23h. “Envelhecer é uma dádiva, mas em uma sociedade que valoriza apenas o que é novo, é também um desafio", diz Zezé Motta, que relembra como as mulheres mais velhas eram vistas no passado e conta um pouco de sua rotina de viagens e cuidados com corpo. “Eu me lembro da época em que as pessoas da minha idade, principalmente se fossem avós como eu sou, tenho seis netos, pensavam muito nessas mulheres ...

    Leia mais
    Direito de imagemABBAS MOMANI / AF
Image caption
Após pressão popular, investigadores pediram nova perícia para definir a causa da morte de Israa. Chegou-se à conclusão de que ela foi violentamente espancada

    Morte violenta de mulher palestina gera debate sobre violência de gênero em sociedade patriarcal

    Quando uma jovem deu entrada no hospital Al Hussein com a coluna fraturada e feridas no corpo e no rosto, os médicos acharam inicialmente que estavam diante de mais um caso cotidiano de ferimentos traumáticos. Por Tom Bateman, da BBC Após pressão popular, investigadores pediram nova perícia para definir a causa da morte de Israa. Chegou-se à conclusão de que ela foi violentamente espancada. (Foto: ABBAS MOMANI / AF) Os médicos que atuam naquele hospital, na Cisjordânia, estão acostumados a lidar com pacientes jovens com ferimentos sérios. O Al Hussein fica localizado perto da cidade palestina de Belém, cujas ruas levam a campos de refugiados, postos de controle israelenses e às barreiras que separam territórios ocupados por Israel de áreas habitadas por palestinos — ou seja, zonas de frequentes confrontos e de violência. Mas a história de Israa Ghrayeb era diferente. Era o enredo de uma ...

    Leia mais
    Plenária de abertura. Foto: Mônica Nobrega/Fundo Brasil

    Encontro nacional debate estratégias para fortalecer organizações da sociedade civil

    A Constituição brasileira de 1988 só tem a abrangência que a tornou conhecida como “Constituição cidadã” porque a sociedade civil organizada teve, naquele momento histórico, uma capacidade de incidência política como nunca tinha tido antes no Brasil. Organizações sociais fizeram o trabalho de mobilização e pressão que conquistou, para a população brasileira, direitos básicos da cidadania, como a liberdade de pensamento. Esta foi uma das reflexões apresentadas por Oscar Vilhena, diretor da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas, durante a plenária de abertura da 1ª Conferência Nacional de Advocacy. A conferência reuniu, em São Paulo, 45 palestrantes e mediadores de 40 organizações, nos dias 9 e 10 de setembro, para discutir o papel do advocacy para o fortalecimento da atuação da sociedade civil em tempos de ataques sistemáticos aos direitos das pessoas. A organização da conferência foi apoiada pelo Fundo Brasil, e as mesas contaram com palestrantes de organizações ...

    Leia mais
    "Execução da punição de açoitamento", pintura do francês Jean-Baptiste Debret (1768-1848) mostra escravo sendo castigado no Brasil no século 19

    O apartheid não escrito na sociedade brasileira

    Além de remeter à escravidão, episódio de tortura de jovem negro é representativo de padrão racista que se repete em supermercados e shoppings e da chegada incompleta do Brasil ao mundo moderno, afirmam especialistas. No Made for Minds "Execução da punição de açoitamento", pintura do francês Jean-Baptiste Debret (1768-1848) mostra escravo sendo castigado no Brasil no século 19 O ano é 2019, e os brasileiros ainda veem alguns dos seus serem chicoteados e torturados. Muitos se perguntam por que ao assistir ao vídeo que mostra um jovem de 17 anos, negro, nu, com um pano amarrado à boca para abafar seus gritos, sofrendo açoites de um segurança de supermercado em São Paulo enquanto outro grava a cena. A tortura, como o ato foi registrado no boletim de ocorrência do 80º Distrito Policial da capital paulista, é crime no Brasil desde 1997, mas segue sendo praticada por ...

    Leia mais
    Kabengele Munanga durante a cerimônia de entrega do 15º Prêmio USP de Direitos Humanos, que foi realizada no dia 29 de junho de 2018 - Foto: Marcos Santos / USP Imagens

    Brasil não é uma sociedade com democracia racial, diz antropólogo

    Para Kabengele Munanga, enquanto o país não admitir o racismo estrutural será difícil enfrentar o genocídio negro Da  RBA   Nos últimos 20 anos, o número de jovens negros assassinados aumentou 429%. A cada 100 assassinatos, 75 vítimas são negras. Entretanto, combate à violência contra a população negra parece não comover autoridades brasileiras (Foto: TVT) São Paulo – Para o antropólogo brasileiro-congolês Kabengele Munanga, enquanto é um mito dizer que o Brasil vive uma democracia racial. Na opinião dele, enquanto o país não admitir o racismo estrutural presente na sociedade e os dados de violência contra população negra aumentarem, será difícil enfrentar o genocídio negro. Nos últimos 20 anos, o número de jovens negros assassinados aumentou 429%. A cada 100 assassinatos, 75 vítimas são negras. Entretanto, o combate à violência contra a população negra parece não comover autoridades brasileiras. Este foi o tema da palestra do ...

    Leia mais

    ‘Temos uma sociedade que nem lembra dos horrores da escravidão’, diz escritor que conta histórias do povo negro no Twitter

    O homem africano que foi exposto junto a macacos do Zoológico de Bronx, nos Estados Unidos. O holocausto promovido no Congo pelo rei Leopoldo II da Bélgica. As estratégias do líder quilombola Benedito Meia-Légua para invadir senzalas e libertar negros escravos no Brasil. A africana que foi capturada para uma turnê no Reino Unido, onde foi obrigada a viver enjaulada e mostrar seu corpo para outros homens. Essas são algumas das narrativas já publicadas pelo publicitário e escritor Ale Santos no Twitter. Há pouco mais de um ano, o escritor decidiu utilizar a ferramenta de threads para contar histórias vivenciadas pelo povo negro no Brasil e em diversos locais do mundo. Por Annie Castro, do Sul21 Ale Santos utiliza o Twitter para compartilhar histórias do povo negro de diversos locais do mundo. (Foto: Luiza Castro/Sul21) Na última semana, Santos esteve em Porto Alegre para participar do ...

    Leia mais
    Foto - Fernando Bola

    Sociedade civil critica afastamento de relatório sobre direitos humanos do governo para a ONU e denuncia intervenção no CNDH

    Em setembro o Brasil deve entregar, no Conselho de Direitos Humanos da ONU, o Relatório Preliminar de Meio Período III Ciclo, referente a avaliação da Revisão Periódica Universal (RPU). O documento será entregue em Genebra, Suíça. A cada quatro anos, todos os 193 países que fazem parte da Organização das Nações Unidas (ONU) passam por uma avaliação internacional sobre a situação dos direitos humanos. No último ciclo da revisão, em 2017, o Brasil recebeu 246 recomendações. Entre elas, 242 foram aceitas pelo país e apontam problemas causados pela violência policial, a necessidade de reformas no sistema penal, políticas que ampliem a igualdade racial e de gênero, o acesso a serviços públicos de qualidade e iniciativas para a redução dos índices de pobreza. O Brasil já passou por três ciclos de avaliação da Revisão Periódica Universal, em 2008, 2012 e em 2017. Nesta quarta-feira (28), a Comissão de Direitos Humanos e ...

    Leia mais
    Foto do Documento em PDF

    III Relatório Luz da Sociedade Civil Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável

    Que pesem os fatos. Esta terceira edição do Relatório Luz da Sociedade Civil sobre a implementação nacional da Agenda 2030 evidencia o acirramento das violações e o desrespeito aos direitos sociais, ambientais e econômicos em curso no Brasil. Da Agenda 2030 Foto do Documento A análise das 125 metas dos Objetivos de Desenvolvi-mento Sustentável (ODS) foi elaborada por experts e par-ceiros do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para Agenda 2030 e, somada ao estudo de caso sobre Mariana-Brumadin-ho, indica o desmonte de programas estratégicos para o al-cance dos ODS. As iniciativas ultra liberais e aquelas base-adas em fundamentalismo religiosos ganham força, apesar de serem comprovadamente ineficazes e danosas, em nada contribuindo para responder às atuais crises econômica, ambiental e social que dominam o país. O desafio não é pequeno. Temos 15 milhões de pes-soas em extrema pobreza, 55 milhões de pobres, 34 milhões sem acesso ...

    Leia mais
    Página 1 de 760 1 2 760

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist