Valores de sociedades tradicionais africanas são imprescindíveis para educar e humanizar

Não podemos deixar que prevaleça o 'o olho por olho, dente por dente'

“Coube ao Ocidente avançar na militarização e na tecnologia, mas caberá à África humanizar o mundo.”

Pode-se dizer que a frase de Nelson Mandela, registrada em meu livro “Cidadania em Preto e Branco”, tem sido uma realidade que se torna visível no Carnaval brasileiro, destacando aqui o de São Paulo, por exemplo, que durante o desfile da escola campeã desse ano, a Mocidade Alegre, num enredo muito interessante, não deixou de tematizar os desafios que vivenciam no país os grupos mais vulnerabilizados.

Ou a Vai-Vai, que, ao focalizar nos 50 anos do hip hop na cidade, exibiu na avenida o tema da violência contra os segmentos mais pobres e negros da sociedade. Ou ainda a Portela, no Rio de Janeiro, que ao trazer um enredo baseado no livro “Um Defeito de Cor”, de nossa querida Ana Maria Gonçalves, não nos deixa esquecer que essa história de violência vem de muito longe na história do país.

Desfile da Mocidade Alegre, em São Paulo – Karime Xavier/Folhapress

Esse lugar civilizatório e educador que as festas brasileiras, em particular o Carnaval, vêm ocupando é complexo e cheio de desafios, mas ganha dimensão maior na atualidade, quando constatamos que neste mesmo Carnaval o ouvidor da polícia do estado de São Paulo, Cláudio Aparecido da Silva, informa ter recebido diversas denúncias sobre a Operação Escudo (nova fase??), que está sendo realizada na Baixada Santista e que já resultou em 19 mortes nos confrontos entre moradores e autoridades.

Em nota divulgada no domingo (11), a Ouvidoria informou que “A partir de denúncias que nos têm chegado através de moradores e grupos em redes sociais, com vídeos, fotos e áudios, nota-se um recrudescimento assimétrico da violência nos últimos quatro dias, com ênfase para a última sexta-feira, percepção que parte não apenas desta Ouvidoria, mas compartilhada por diversas instituições e entidades de direitos humanos que têm atuado no episódio”. Vale acrescentar que o próprio ouvidor e outra(o)s representantes de organizações de defesa dos direitos humanos, como a Comissão Arns, além de familiares das vítimas, relatam tentativa de intimidação por parte de policiais envolvidos na operação.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

O financiamento da educação básica e a equidade racial

A professora Zara Figueiredo Tripodi, chefe da Secadi (Secretaria...

Sargento que gravou homens agonizando poderá ser expulso da PM

“A violência policial está fora de controle”, afirma advogado...

Série emocionante mostra as últimas frases de homens negros assassinados por policiais e lança debate

No começo deste mês, um garoto desarmado foi morto por policiais em Ferguson,...
spot_imgspot_img

Instituto Odara lança dossiê sobre a letalidade policial que atinge crianças negras na Bahia

O Odara - Instituto da Mulher Negra torna público o documento “Quem vai contar os corpos?”: Dossiê sobre as mortes de crianças negras como consequência...

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...
-+=