sábado, fevereiro 4, 2023
InícioÁfrica e sua diásporaEntretenimentoAfro Fashion Day: Marcas baianas celebram Consciência Negra com desfile em evento...

Afro Fashion Day: Marcas baianas celebram Consciência Negra com desfile em evento realizado pelo Correio

O dia 20 de novembro de 2015 vai ficar marcado na história do mercado de moda de Salvador como o dia em que a cidade celebrou a beleza negra com muito estilo. Na última sexta-feira, em comemoração ao Dia da Consciência Negra, 45 modelos desfilaram marcas baianas na primeira edição do Afro Fashion Day Salvador (AFDS), que também  levou para a praça da Cruz Caída (Centro Histórico) oficinas de maquiagem e de turbantes, mostrando a força e a beleza do povo negro.

Para o prefeito ACM Neto, o AFDS consolidou a influência da cultura afro na cidade. “Salvador demonstra com o evento o orgulho de ser afrodescendente, ressaltando nossas origens, cores e sabores por meio da produção de moda e da gastronomia”, lembra. A secretária-executiva da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), Adile Reis, ressaltou a relevância do evento. “É uma oportunidade importante para os negros, principalmente as mulheres, entenderem que elas podem ocupar todos os espaços sociais”.

O evento contou com 26 marcas de roupas e acessórios como turbantes e bijuterias, que levaram à passarela looks atuais. Além de 36 modelos, seis convidados deram mais brilho à noite de festa. Os artistas Denny, Magary Lord, Ninha, Tony Salles e Lincoln Sena e o agitador cultural Uran Rodrigues dividiram a passarela com modelos baianos.

O desfile serviu também para algumas grifes apresentarem novas coleções como foi o caso de Jeferson Ribeiro, Dresscoração e Meninos Rei. Outras fizeram peças exclusivas para o desfile, como Vinícius Cerqueira, Outerelas e Katuka.

A decoração do local ficou por conta do escritório de arquitetura GMF Arquitetos e foi assinado por Giuseppe Mazzoni. “Pensamos em aproveitar a beleza do local, que tem uma riqueza arquitetônica e unir o rústico da madeira no cenário com o granito da praça”, diz.

O Afro Fashion Day Salvador é uma realização do CORREIO com apoio institucional da prefeitura de Salvador, do governo do estado, através da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), do Senac-BA e do Hapvida.

RTEmagicC_modabazar03
Foto: Imagem retirada do site Correio24h

DESFILE
Dividido em cinco blocos, o desfile reuniu com equilíbrio moda conceitual e  urbana. Logo após o pôr do sol, as cores quentes ainda dominaram a praça com o primeiro bloco do desfile, chamado Sunset, que levou looks em tons de vermelho, amarelo e laranja e foi seguido pelo bloco Étnico, mais gráfico, com estampas que remetiam à cultura africana e uso de turbantes feitos com amarração. P&B levou tendência das passarelas do mundo inteiro também para a Cruz Caída, com visuais misturando preto e branco, seguido de muitas cores no bloco Black Power, inspirado no movimento dos anos 1970. O desfile foi fechado com looks com roupas brancas, lembrando a religiosidade da cultura de matriz africana.  O responsável por unir as peças das 26 marcas foi o produtor Fagner Bispo.

RTEmagicC_modabazar05
Foto: Imagem retirada do site Correio24h
RTEmagicC_modabazar04
Foto: Imagem retirada do site Correio24h

FEIRA
Uma feira com 17 das 26 marcas que desfilaram no Afro Fashion Day Salvador ocupou o espaço da Praça da Cruz Caída antes mesmo dos modelos pisarem na passarela. Estandes expuseram e venderam peças de roupas, calçados e acessórios como bijuterias e turbantes. O estilista Jeferson Ribeiro aproveitou o momento para lançar uma nova marca de sunga: a Mar. “A inspiração surgiu da necessidade de atender ao homem contemporâneo, que não tem vergonha de mostrar o corpo”, explicou.

Já a Outerelas apresentou uma coleção exclusiva para o desfile. A marca de acessórios levou peças com inspiração étnica, com elementos como búzios, dentes e contas africanas. Vinicius Cerqueira também resolveu apresentar peças exclusivas e levou para a feira uma série abusando de texturas, estampas e colorido.

Quem também esteve no local vendendo camisetas do projeto Eu sou Negão foi o Instituto ComVida, ONG que trabalha com formação de inclusão de adolescentes e jovens entre 25 e 24 anos, moradores de Camaçari, da região de Catu de Abrantes. A entidade atende cerca de 80 meninos e meninas que participam de cursos e oficinas.

RTEmagicC_modabazar07
Foto: Imagem retirada do site Correio24h
RTEmagicC_modabazar06
Foto: Imagem retirada do site Correio24h

EMPREENDORISMO
Uma das marcas do Afro Fashion Day Salvador foi a valorização da produção baiana. Para Jeferson Ribeiro, um desfile apenas com marcas regionais revela a força do setor na Bahia. “Isso é importante em um mercado que é cada vez mais dominado por grandes marcas globais”, comentou. Carol Barreto também defende que a quantidade de empresas locais prova que o mercado existe e é forte. “São marcas que conseguem manter um negócio aberto dentro de uma desestruturação da cadeia de vestuário local e isso prova como eles são vencedores”.

RTEmagicC_modabazar09
Foto: Imagem retirada do site Correio24h
RTEmagicC_modabazar08
Foto: Imagem retirada do site Correio24h

VISIBILIDADE
Muitas das marcas locais que participaram desfile  levam raízes africanas do povo baiano em sua identidade. Para Renato Carneiro, designer da Katuka, a realização de um evento como esse tem grande importância para a moda que se faz na Bahia, com destaque para as peças feitas com inspiração na cultura afro. “Com um evento desse, a gente consegue trazer informação e promove contato com outro conceito estético, que muitos consideram até folclórico”, explica. Em consonância, Carol Barreto comemorou o desfile e enfatizou a necessidade de assumir a ancestralidade.

RTEmagicC_modabazar11
Foto: Imagem retirada do site Correio24h
RTEmagicC_modabazar10
Foto: Imagem retirada do site Correio24h
RTEmagicC_modabazar13
Foto: Imagem retirada do site Correio24h
RTEmagicC_modabazar12
Foto: Imagem retirada do site Correio24h

“Assumir-se afrorreferenciado é essencial para a gente”, ressalta a estilista que se prepara para desfilar uma nova coleção na Black Fashion Week Paris, no dia 10 de dezembro, única brasileira a participar do desfile. A mesma ideia também é defendida por Jeferson Ribeiro, que entende o evento como uma oportunidade de aumentar a visibilidade, tanto para os produtores quanto para os modelos. “Com o Afro Fashion Day, a gente assume que nossa cidade tem uma beleza negra que pode ser exportada”, conclui.

ARTE
O Afro Fashion Day deu lugar também à produção artística local, a começar pela discotecagem do DJ Mauro Telefunksoul. O músico, que tem cerca de 15 anos de experiência em desfiles, apresentou mixagens do seu recente trabalho, um movimento musical intitulado Bahia Bass Music, que mistura batidas eletrônicas com ritmos baianos como pagode, axé, ijexá e arrocha. Na abertura e nos intervalos entre os blocos do desfile, três integrantes do Balé Folclórico da Bahia se apresentaram.

No entanto, a arte não ficou restrita à passarela, já que logo na chegada, o público foi recepcionado com uma obra da artista plástica Adenilse Romana, que construiu um painel com inspiração em pop art, usando fotografias de Alex Dantas, da Diferente Agência de Imagens. Os registros  foram feitos pelo fotógrafo em um editorial de preparação para o evento.
A artista visual Helen Mozão também levou tintas para o desfile, mas não para pintar telas. Helen pintou o rosto de participantes do AFDS com desenhos inspirados em  tribos africanas.

RTEmagicC_modabazar16
Foto: Imagem retirada do site Correio24h
RTEmagicC_modabazar15
Foto: Imagem retirada do site Correio24h
RTEmagicC_modabazar14
Foto: Imagem retirada do site Correio24h

GASTRONOMIA
Roupas e acessórios não foram os únicos itens à venda no Afro Fashion Day Salvador. Quem passou pela Praça da Cruz Caída também pôde experimentar a riqueza da culinária baiana. O restaurante Dona Mariquita levou o projeto Merenda de Tabuleiro e vendeu  lelê de milho, bolinho de estudante, acaçá de leite e bolos. “São comidas que foram sendo esquecidas pelas pessoas e eu faço uma pesquisa para resgatar esses sabores e trazer novamente”, conta Leila Carreiro, chef do restaurante. Quem também participou da feira gastronômica foi o Abará do Original, que levou à praça, os quitutes temperados com sabores diversos.

OFICINAS
Durante a tarde, as mulheres receberam dicas de beleza em três oficinas. Duas delas mostraram truques de maquiagem para pele negra e foi ministrada pela esteticista Regiane Ferreira, professora do Senac. “A pele negra tem uma atenção especial porque geralmente é mais oleosa, então”, explica. Regiane também ensinou a fazer maquiagem para o dia a dia e para a noite. Em outro momento, a designer de moda Cecilia Cadille mostrou como amarrar turbantes e contou um pouco da história do acessório, usado também como peça de afirmação pela população negra.

demonstra com o evento o orgulho de ser afrodescendente, ressaltando nossas origens

RTEmagicC_modabazar18_01
Foto: Imagem retirada do site Correio24h
RTEmagicC_modabazar17_01
Foto: Imagem retirada do site Correio24h

 

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench