Alemães angariam fundos para a família de Angolano recordado como 1.ª vítima de racismo na ex-RDA

Há mais de vinte anos, em dezembro de 1990, um crime racista abalou a Alemanha. O angolano, Amadeu António, foi assassinado em Eberswalde, no leste da Alemanha, por um grupo de neonazis.

Amadeu António foi uma de muitas vítimas de uma onda de racismo que rebentou, sobretudo na extinta República Democrática da Alemanha (RDA), depois da reunificação alemã. As vítimas destes ataques eram oriundas de Moçambique, do Vietname, de Cuba e de Angola, tratando-se de pessoas que tinham vindo para a Alemanha no quadro de programas de cooperação entre os países então comunistas.

Para que a morte de Amadeu António e outros não fosse esquecida, e para precaver novos crimes, várias personalidades da vida cultural e política alemã criaram a “Fundação Amadeu António”, que, desde então, combate o racismo e promove a convivência pacífica entre os povos.

Cidadãos lutam pela memória de Amadeu António

Agora, vinte anos após a morte de Amadeu António, um grupo de cidadãos da região onde tudo aconteceu iniciou uma campanha para a angariação de fundos. O objetivo é apoiar a família do falecido Amadeu António que vive em Luanda com algumas dificuldades.

Dieter Gadischke trabalha para uma instituição da igreja evangélica em Barnim, a poucos quilómetros do local onde foi morto Amadeu António. Gadischke lembra-se que, na altura, ficou traumatizado com esta morte violenta. A vítima tinha apenas vinte anos e foi atacada por um grupo de cerca de 50 cidadãos alemães, apenas porque era africano.

O caso deu muito que falar, sobretudo porque os processos contra os autores das agressões físicas que levaram à morte do jovem angolano resultaram apenas em sentenças leves dos quatro jovens, condenados por agressão e não por assassinato.

Autoridades alemãs não cumpriram promessas

O corpo foi enviado para Angola imediatamente depois do assassinato, lembra Dieter Gadischke: “Há pouco tempo viemos a saber que não existe qualquer lápide de pedra ou mármore no cemitério onde Amadeu António foi enterrado. Quando o corpo foi entregue à família em Angola não lhe foi dada qualquer explicação pelas autoridades alemãs”.

Isto apesar de ter sido estabelecido pelas autoridades alemãs que havia contas a prestar à família, que devia ainda receber apoio para o enterro e a compra de uma lápide. “Promessas que nunca foram cumpridas”, diz Gadischke, e acrescenta: “Quando o soubemos, pensámos que mais vale tarde do que nunca e decidimos iniciar uma campanha de apoio, para que os familiares de Amadeu António vejam que na Alemanha ainda há gente que não se esqueceu e sente uma certa compaixão. Foi então que nós, como grupo da sociedade civil, decidimos angariar fundos para apoiar a família de Amadeu António e lhe mostrar a nossa solidariedade”.

Medidas para precaver futuros ataques racistas

Na altura da morte de Amadeu António, a sua companheira alemã estava grávida. Hoje o seu filho tem vinte anos. A iniciativa de Dieter Gadischke, a que aderiram várias dezenas de cidadãos da região situada a cerca de 50 quilómetros de Berlim, muito se esforça por evitar que o caso caia no esquecimento. Uma tarefa nada fácil, salienta Dieter Gadischke: “Em 2006, 16 anos depois da morte de Amadeu António, verificámos que muitos dos jovens da nossa região, que tinham nascido depois dessa tragédia, pouco ou nada sabiam sobre o caso. As conversas que tivemos nas escolas confirmaram que é muito importante informar os jovens sobre o fenómeno do racismo, para que acontecimentos como o de dezembro de 1990 não se repitam”. Para isso foram criados espaços para seminários sobre as vítimas do racismo na Alemanha. O objetivo é fornecer informação aos jovens e dar respostas a todas as questões em aberto, explica Gadischke.

Para além de tentar angariar fundos para a família em Angola, o grupo também exige às autoridades alemãs que financiem a construção de um túmulo em pedra no cemitério de Santa Ana, em Luanda, local onde se encontra a campa de Amadeu António.

Recorde-se que a família de Amadeu António vive em condições difíceis, no bairro de Rocha Pinto, perto do aeroporto de Luanda. Helena Afonso, mãe do falecido, disse à Deutsche Welle: “Eu não tenho dinheiro para a campa. E não posso ir ao cemitério, porque quando lá vou, só choro”.

Morto por ‘skinheads’ em 1990, já depois da reunificação, Amadeu foi esta semana homenageado na vila de Eberswalde

A vila de Eberswalde, no estado federado de Bramdeburgo, prestou esta semana homenagem a Amadeu António Kiowa, morto há 20 anos por skinheads alemães. O angolano foi a primeira vítima de racismo na antiga ex-RDA, após a reunificação alemã.

Amadeu, de apenas 28 anos, foi atacado na noite de 24 de Novembro de 1990 por 50 skinheads que o agrediram com tacos de basebol, agressões de tal forma graves que o deixaram em coma profundo. O angolano, que chegara em 1987, para trabalhar como contratado, faleceu após 11 dias depois. O seu filho, Amadeu António Jr., nasceu algumas semanas mais tarde e nunca conheceu o pai.

A Alemanha ficou em estado de choque com a violência do crime e os cinco agressores foram condenados à prisão em 1992. O incidente violento deu origem à Fundação Amadeu António, em 1998, com sede no centro da cidade e presidida por Anetta Kahane. Esta jornalista, de 56 anos, está empenhada numa luta contra o neo-nazismo, racismo e anti-semitismo.

“A fundação foi criada com o objectivo de ajudar as pessoas que têm problemas com neo-nazis. Existem diversos projectos em curso, como dar conselhos, ensinar pessoas que trabalham em zonas mais sensíveis como em creches e escolas. Também tentamos tirar jovens do contexto neo-nazi e reintegrá-los na sociedade. Organizamos concertos, o nome da nossa fundação tem o nome da primeira vítima, para que as pessoas saibam quais são as razões da nossa luta”, explicou, ao DN, Anetta Kahane.

A jornalista afirma que o trabalho é imenso, enquanto refere que o ambiente e habitantes do centro de Berlim contrasta fortemente com os dos arredores da capital, com foco muito especial para todas as zonas que pertenciam à ex-RDA, como sejam o Norte de Pankow ou Marzahn que são ainda terreno fértil para grupos de jovens com tendências anti-sociais deste género.

Autor: António Cascais

Fonte:DN

Fonte: DW

+ sobre o tema

“Preconceito Racial Não É Mal-Entendido”

A Ouvidoria da Secretaria de Políticas de Promoção da...

Quando a morte bate na porta de meu vizinho

É desanimador ter que acordar com a notícia de...

Natural Hair Song By Tiririca Deemed Racist, Sony Music Ordered To Pay $1.2 Million

We couldn't stop laughing when Franchesca Ramsey joked about...

Não Dunga, eu não gosto de apanhar!

O técnico da seleção brasileira de futebol, Carlos Caetano...

para lembrar

Balotelli diz que matará quem o ofender com xingamentos racistas

O atacante Mario Balotelli não cansa de dar...

Versace processada por preconceito racial

Um ex-funcionário de uma loja outlet da Versace em...

Polícia Militar paulista matou 229 pessoas no primeiro semestre

Por: Elaine Patricia Cruz São Paulo – Confrontos...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=