Alemães se mobilizam para apoiar refugiados

Movimento ocorre por todo o país e contrasta com os ataques dos grupos neonazis a vários centros de acolhimento. Alemães recebem refugiados com flores, cartazes de boas vindas e aplausos e asseguram o atendimento de suas necessidades básicas. Times de futebol também têm manifestado apoio durante os jogos

Do Revista Fórum

Diante da inação das autoridades alemãs, os cidadãos têm se auto-organizado por meio das redes sociais, como Facebook e Twitter, e criado documentos no Google em que vão fazendo o levantamento das necessidades das famílias de refugiados, que incluem bebês, crianças e doentes e se encontram nos centros de acolhimento provisórios espalhados pelo país.

Estas estruturas não têm, em muitos casos, as condições mínimas para os receber e a distribuição de bens essenciais como água, comida e roupa e é uma das principais preocupações daqueles que acabam por substituir o Estado alemão no que diz respeito ao apoio aos milhares de refugiados que continuam a chegar ao país.

De fato, os inúmeros voluntários ouvidos pelo eldiario.es defendem que o Estado “está intervindo de forma insuficiente”.

Além da distribuição de bem essenciais, projetos na internet para acolhimento de refugiados em casas particulares, como o “Refugiados bem vindos”,  têm atingido adesão massiva.

Também os médicos têm se mobilizado para assegurar a assistência aos refugiados.

Em declarações ao diário Hamburger Blatt, o presidente da Ordem dos Médicos da Alemanha, Ulrich Montgomery, advertiu que nas instalações de emergência reina o caos e que o serviço público de saúde não conta com os recursos necessários para momentos de crise como este.

Sublinhando que a carência de assistência aos refugiados não só representa riscos para a saúde dos mesmos como para a saúde pública, Montgomery destacou que “é inaceitável que num país rico como a Alemanha seja necessário esperar três meses por uma revisão médica para aclarar casos de tuberculoses, uma doença muito perigosa e de alto contágio”.

As mensagens de solidariedade reverberam por todo o país, inclusive nos estádios de futebol. No último final de semana, o Borussia Dortmund levou 220 refugiados ao estádio para que assistissem ao jogo contra o Odds Ballklubb.

 

+ sobre o tema

Salve Zumbi e João Cândido, o mestre sala dos mares

Por Olívia Santana   Há 15 anos, após uma grande marcha...

Olimpíadas de Tóquio devem ser novo marca na luta por igualdade

Os Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968,...

Matias, o menino negro fotografado com um boneco de “Star Wars”, foi a Hollywood. Por Cidinha da Silva

Em tempos de comunicação-relâmpago pela Web, a imagem viralizada...

para lembrar

“O Brasil não pode repetir com os refugiados o erro da escravidão”

O advogado Pitchou Luambo, de 34 anos, é um...

A ambiguidade dos corpos de nossos iguais: do desprezo à solidariedade

Tenho pensado em alguns episódios que vivenciei e testemunhei...

Campanha #MaisQueImigrante visa desconstruir xenofobia dos brasileiros

Até o fim do mês, projeto reunirá relatos, fotos...

Diagnosticada aos 55 anos, britânica usa crachá: ‘Tenho Alzheimer’

"Tenho Alzheimer. Seja paciente." Com esses dizeres estampados em um...

Quando o refugiado é branco europeu

"A cobertura mais racista da Ucrânia na TV" foi denunciada pelo jornalista Alan MacLeod em seu Twitter, reproduzindo falas ou textos, como, por exemplo,...

Uma semana após temporais, comunicador conta sobre solidariedade na BA

Nos últimos dias de dezembro, o comunicador Rick Trindade, 30, assistiu Itabuna, cidade no sul da Bahia onde nasceu e foi criado, ser transformada...

Pessoas sem pátria e terra: a crise mundial de migrantes e refugiados em 2021

Das multidões sob uma ponte na fronteira dos Estados Unidos com o México e venezuelanos caminhando pela América Latina aos campos de migrantes na Belarus e os esforços para realocar milhares de...
-+=