Americanos recorrem a DNA para provar raízes africanas

Os negros ricos americanos redescobriram a África. Com um exame de DNA debaixo dos braços, muitos estão buscando suas raízes históricas, conseguindo dupla cidadania, fundando escolas, ONGs, financiando projetos sociais e até sendo nomeados chefes tribais.

O ator Isaiah Washington, do seriado de TV Grey”s Anatomy, é um dos mais entusiasmados. Um teste de DNA feito em 2005 revelou que ele é descendente da tribo mende, gene que lhe rendeu a cidadania de Serra Leoa. Desde então, ele foi nomeado chefe de um vilarejo, criou uma fundação que já investiu US$ 1 milhão na construção de escolas, hospitais e na restauração de prédios históricos. “Se utilizarmos nossa capacidade financeira para ajudar esses países, daremos algum sentido às nossas raízes”, diz o ator. “Minha verdadeira família está em Serra Leoa.”

O historiador Henry Gates, ativista e professor de estudos afro-americanos da Universidade Harvard, foi um dos idealizadores de uma série de documentários da rede de TV pública PBS, em 2006. A produção reuniu um time de celebridades negras dos EUA que se submeteram a um teste de DNA para conhecer suas origens.

A atriz Whoopi Goldberg, os atores Morgan Freeman e Don Cheadle, a cantora Tina Turner e a apresentadora Oprah Winfrey foram alguns dos personagens. Oprah, por exemplo, descobriu que tem um pé na tribo kpelle, da Libéria. No ano seguinte, ela foi ao continente e construiu uma escola para meninas na África do Sul. O ator Chris Tucker, que descobriu ser descendente dos mbundus, de Angola, também viajou para a África em 2007 e teve uma recepção de rei em um vilarejo perdido no território angolano.

A moda atingiu também o mundo acadêmico. O geneticista Rick Kittles, da Universidade de Chicago, que coordena a fundação African Ancestry, afirma que já testou o DNA de 15 mil negros americanos. Os resultados são comparados com um banco de dados que tem 25 mil códigos genéticos de tribos e povos africanos.

Bruce Jackson, que dirige um projeto semelhante na Universidade de Massachusetts, afirma que a base de dados ainda é pequena e muitos exames não permitem cravar uma origem exata. Mesmo assim, a procura por testes de DNA é tanta que seu programa só aceita análises para daqui a dois anos.

TERCEIRA ONDA

O primeiro descobrimento da África por parte dos EUA foi no início do século 19, quando ex-escravos americanos foram encorajados a fazer o caminho de volta para o continente e fundaram a Libéria, em 1847. O segundo retorno às raízes foi o movimento negro dos anos 60, a luta pela igualdade civil e a difusão do black power. Segundo especialistas, a terceira onda africanista é resultado da conjunção de dois fatores: a presidência de Barack Obama, descendente de quenianos, e a estabilidade de muitos países africanos.

Anthony Archer, cientista político da Universidade do Estado da Califórnia, lançou no ano passado uma cruzada para convencer governos africanos a relaxar os requisitos para obtenção de cidadania.

A dupla cidadania facilitaria a vida dos negros americanos, que teriam direitos garantidos nos dois lados do Atlântico, podendo adquirir imóveis e constituir empresas nos EUA e em países da África. “Os negros americanos são os africanos mais ricos do mundo. A África poderia aproveitar esses recursos”, diz Archer, que em 2008 peregrinou por Serra Leoa, Gana, Libéria e Tanzânia para defender a causa.

ONDAS AFRICANISTAS

Fundação da Libéria – Primeira onda do descobrimento da África pelos EUA. Negros libertados da escravidão retornam ao continente no começo do século 19 e fundam a Libéria, em 1847

Luta por direitos civis – Nos anos 60, impulsionados pelo movimento black power e discurso de líderes como Martin Luther King, negros se revoltam contra o racismo da sociedade americana e derrubam leis segregacionistas – conquistando o direito de igualdade na sociedade americana

Herança genética – O descendente de quenianos Barack Obama chega à presidência dos EUA e celebridades buscam provas genéticas para conseguir obter cidadania em países africanos

+ sobre o tema

Mestre de bumba-meu-boi Seu Teodoro morre aos 91 anos

Morreu às 3h20 deste domingo (15) no Hospital...

Família de Michael Jackson organiza cerimônia para lembrar morte

Para lembrar o aniversário de um ano da morte...

Lauryn Hill começa a cumprir pena de três meses na prisão

Lauryn Hill já está presa. Ed Ross, porta-voz do...

Liniker: Conheça a banda de Araraquara que tem uma produção primorosa

O projeto da banda Liniker, mesmo nome do vocalista,...

para lembrar

Pelo bem dos brasileiros, Gilberto Gil não seguiu o conselho do sábio…

Nesta segunda-feira (26), Gil completa 75 anos em plena...

Kwame Nkrumah

Juventude e estudos Kwame Nkrumah nasceu em 1909 em Nkroful,...

Criada no bairro, Juliana Alves se diz em casa como rainha da Tijuca

Juliana Alves volta à Unidos da Tijuca após dez...

Presidente maliano defende integração africana

O presidente do Mali, Amadou Toumani Touré, disse...
spot_imgspot_img

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...

Livro sobre Luiz Gama o consagra como o maior advogado negro da abolição

Impossível não ficar mexido, ou sair a mesma pessoa, com a mesma consciência dos fatos narrados, depois da leitura de "Luiz Gama Contra o Império",...

Ícone da percussão, Naná Vasconcelos ganha mostra no Itaú Cultural

O Itaú Cultural, localizado na avenida Paulista, em São Paulo, abre nesta quarta-feira (17) a Ocupação Naná Vasconcelos, em homenagem ao músico pernambucano falecido em 2016. A mostra é...
-+=