Anjo torto – Por: Fernanda Pompeu

Um dos grandes prazeres de uma Copa do Mundo, além do espetáculo futebolístico internacional, é reviver histórias de outros craques e Mundiais. A Copa também é escola. Fico imaginando a quantidade de meninas e meninos que souberam da existência da Croácia, da Bósnia, e até da Costa do Marfim.

O Brasil é o país do futebol, mais ainda do que do Carnaval. Não vejo fanatismo carnavalesco nos sulistas, mas vejo eles pulando como loucos com um gol da seleção, ou chorando como crianças no último 7×1 contra nós. A bola verde-amarela nos irmana na alegria, tristeza, júbilo, decepção. Ela transforma em nação de iguais um dos países mais desiguais do mundo.

Muita gente pergunta qual será o legado deste Mundial de 2014. Difícil adivinhar o que ficará para o futuro. Mas percebo um legado para trás. Nunca se citou tanto, e com todo merecimento, Nelson Rodrigues – o inventivo escritor das crônicas esportivas. Também ganha holofote a Copa de 1950. Sessenta e quatro anos depois, atualizamos velhas narrativas.

A Copa de 50 é cheia de histórias mil. Desde a polêmica (e acertada) construção do estádio do Maracanã, o mítico gramado onde todas as seleções hoje querem jogar. Meu pai, então com 20 anos, viu a traumática final, quando o Uruguai derrotou o Brasil. Nascida cinco anos depois, ouvi a lembrança paterna por vezes enésimas.

Assim como pouco me recordo de ver jogar o Mané Garrincha (1933-1983). Mas Nelson, meu pai, Ruy Castro, o velho feirante e toda a literatura esportiva contam e recontam o que fez o anjo das pernas tortas. Ser craque de futebol tendo as pernas tortas também é uma metáfora do brasileiro.

Porque a gente não é muito técnico e nem retinho. Temos um certo pânico com planejamentos. Uma dificuldade amazônica com o cumprimento de metas e prazos. Só estudamos na véspera da prova. Entregamos projetos na última hora. Deixamos para amanhã o chato de hoje. Penamos para entender palavras como eficácialongo prazolegado. Sim, há algo de torto em nós!

Mas, igualzinho ao Mané, às vezes somos craques. Arranjamos alegria até no deserto. Acendemos velas no meio das águas. De repente, soluções criativas surgem para salvar a pátria. Mesmo que seja para salvá-la de nós mesmos. Para fazer tudo isso também é preciso talento.

Fonte: Yahoo

+ sobre o tema

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo...

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos...

para lembrar

A Copa de Nações Africanas e a crônica esportiva tupiniquim-por Cidinha da Silva

por Cidinha da Silva Começa o jogo e recomeçam os comentários...

Lula e Sarkozy discutirão termos do acordo nuclear com o Irã

  Os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil,...

‘Eu, o Direitista Raivoso’

  por Paulo Nogueira Eu não vou cumprimentar ninguém...

Perfil social, racial e de gênero das 500 maiores empresas do Brasil – 2010

Por: Reinaldo Bulgarelli Hoje, 11 de novembro de 2010, o...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente. Em quase todos eles, inúmeras vozes nas redes sociais prontamente assumem posicionamentos com verdades absolutas...

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram preocupação com o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia...

Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

"Manter o ideal racial de um continente branco de famílias cristãs e heterossexuais" foi marca de destaque da convenção do Vox - Viva 24,...
-+=