Apreensão de jovens sem flagrante autoriza racismo e segregação em praias do Rio

PGR vai ao Supremo contra medida do governo Cláudio Castro que deu licença à polícia para decidir quem pode e quem não pode frequentar a orla; barrados são sempre negros, pobres e da periferia

O sol não é para todos

A Procuradoria-Geral da República pediu ao Supremo Tribunal Federal que proíba a apreensão de jovens sem flagrante nas praias do Rio. A medida foi adotada pelo governo do estado na chamada Operação Verão. A justificativa oficial: garantir a segurança dos banhistas.

Em dezembro, a juíza Lysia Maria da Rocha Mesquita ordenou que a prática fosse suspensa. Em 11 páginas, ela descreveu uma rotina de abusos e arbitrariedades cometidas por autoridades de segurança.

Crianças e adolescentes são retirados de ônibus à força, sem ter praticado qualquer ato infracional. Levados a delegacias, passam a ser tratados como suspeitos até a chegada de um responsável. Fichados e impedidos de ir à praia, ainda têm suas imagens expostas ilegalmente nas redes sociais.

Relatórios encaminhados à Vara da Infância e Juventude informam que os jovens apreendidos têm o mesmo perfil: negros, pobres e moradores da periferia. Alguns vivem em municípios da Baixada Fluminense, como Duque de Caxias e São João de Meriti. Outros em bairros do subúrbio, como Bonsucesso, Jacaré e Manguinhos.

“Todos matriculados na rede pública, um deles no 9º ano do Colégio Pedro II”, anotou a juíza. Poderia ter acrescentado: o mesmo onde estudaram presidentes da República e magistrados que chegaram à Suprema Corte, como o ministro Luiz Fux.

Na decisão, Lysia Maria disse o óbvio: o poder público deve garantir segurança “sem violar direitos, sem incentivar mais violência e sem reforçar o racismo estrutural”. “Os moradores das periferias pardos e negros, crianças e adolescentes, devem ter garantido o seu direito de desfrutar das praias como todos os outros”, escreveu.

Ao tratar jovens negros como criminosos em potencial, o Estado “reforça essa estrutura triste e vergonhosa de segregação, exclusão e divisão”, concluiu a juíza. A decisão vigorou por 24 horas. Foi revogada pelo presidente do Tribunal de Justiça, sob aplausos do governador Cláudio Castro e do prefeito Eduardo Paes.

“A ordem foi restabelecida”, festejou Castro. Ele descreveu a dura nos ônibus como “abordagem preventiva”. Como se a polícia tivesse licença para decidir, com base no CEP e na cor da pele, quem pode e quem não pode pegar sol.

Assaltos e arrastões fazem parte da paisagem carioca há décadas. Incapazes de resolver o problema, governantes apelam a medidas pirotécnicas ou simplesmente ilegais. O arbítrio não garante segurança a ninguém, mas agrada a um setor da sociedade que Chico Buarque radiografou em “As caravanas”: “A gente ordeira e virtuosa que apela/ Pra polícia despachar de volta/ O populacho pra favela/ Ou pra Benguela, ou pra Guiné”. A música foi lançada em 2017, quando o atual inquilino do Palácio Guanabara ainda era um vereador de primeiro mandato.

Na reclamação ao Supremo, o procurador Paulo Gonet lembrou que a Corte já decidiu, por unanimidade, que crianças e adolescentes não podem ser apreendidos sem flagrante ou ordem judicial. O acórdão foi ignorado pelo presidente do TJ, Ricardo Rodrigues Cardozo. E pelo Conselho Nacional de Justiça, que resolveu investigar a juíza que mandou a polícia cumprir a lei.

+ sobre o tema

Estudo encontra discriminação racial em anúncios no Google

Estudo da Universidade Harvard encontrou indícios de discriminação...

Respeito

Fonte: Jornal Correio Braziliense - Coluna Opinião A cor da...

Madureira Pede o Fim do Extermínio da Juventude Negra

Na noite de sábado, 28 de novembro, um carro...

para lembrar

Deputada é impedida de assinar lista de presença na Alesp: ‘racismo puro’

A deputada estadual Thainara Faria (PT) denunciou nesta sexta-feira...

Afinal, somos racistas?

No último final de semana reencontrei um jovem brilhante...

Senador Demóstenes Torres participa de audiência pública sobre cotas raciais

  O presidente da Comissão de Constituição, Justiça...

Médico que filmou homem negro acorrentado tenta se justificar: “Foi uma zoeira”

O médico Márcio Antônio Souza Júnior, da cidade de Goiás...
spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=