As memórias de indígenas do Brasil eternizadas para as futuras gerações… na Noruega

Num país em que o extermínio do seu povo e da sua história já foi naturalizado, o Museu da Pessoa leva para um arquivo mundial digital a história de algumas lideranças dos povos originais.

Por que não aprendemos nada com nossas tragédias?

Por KAREN WORCMAN, Do El País

Foto antiga que mostra indígenas sentados em troncos de arvores.
Povo Krenak. ACERVO PLINIO AYROSA /USP PIB SOCIOAMBIENTAL)

 

2019 é, segundo a ONU, o ano internacional das línguas indígenas. A justificativa é de que as línguas importam para o desenvolvimento, a construção da paz e a reconciliação. Por incrível que pareça, começamos, no Brasil, esse mesmo ano com um governo eleito que nega a legitimidade das demarcações das terras indígenas no Brasil e com a tragédia de Brumadinho, que repetiu Mariana, ao descarregar resíduos de minério sobre cidades, rios e campos, matando pessoas e todo tipo de vida aquática e terrestre. 2019 pode também ser chamado, no Brasil, de Ano do Esquecimento, pois, ironicamente, as terras de Brumadinho e Mariana são as mesmas terras do povo Krenak, conhecidos como os botocudos, que quase foram exterminados por D. João VI, assim que pôs os pés no Brasil.

“Tudo quanto era botocudo encontrado transitando pelos caminhos, acampado ou aldeado, podia ser morto. Se o camarada que capturasse ‘nossos parentes’ apresentasse um par de orelhas, ganhava 2 mil réis. Se apresentasse 4 pares de orelha, ganhava uma grana legal. Então, tinha gente que passava a vida só cortando a cabeça de botocudo e entregando orelha no regimento militar, no quartel e ganhando recompensa”, foi o que contou Ailton Krenak, liderança indígena reconhecida mundialmente, em entrevista registrada pelo Museu da Pessoa, em 2007.

Leia a matéria completa em El País 

 

 

+ sobre o tema

Crianças e adolescentes são prioridade absoluta no orçamento público?

Não é o que mostra a análise do orçamento...

Quem “controla” a mídia?

Por: Venício Lima   Enquanto na América Latina,...

A mensagem forte de Kondogbia contra a escravatura na Líbia

Kondogbia foi um dos jogadores a reagirem à realidade...

para lembrar

Mídia pública deve combater racismo e dar voz a trabalhadores

A representante da Comissão Nacional de Jornalistas pela Igualdade...

Carta de apoio às famílias ocupantes da Usina Ariadnópolis, em Minas Gerais

Uma disputa judicial envolve 462 famílias de trabalhadores rurais...

Frente dos Direitos Humanos entrega dossiê ao presidente da Câmara

No final da manhã desta quinta-feira, 25, a...

O mês da consciência negra e a representatividade na TV

Silêncio dos canais comerciais sobre tema ao longo de...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=