Atentado contra homossexual no Rio pode ter tido participação de militares

Rio de Janeiro – Apesar de o Comando Militar do Leste negar a participação de militares no atentado contra um estudante que participou da Parada Gay, no último domingo, no Rio de Janeiro, a Polícia Civil não descartou essa possibilidade. Foi o que afirmou nesta terça-feira (16/11) o delegado Fernando Veloso, titular da delegacia do bairro do Leblon (zona sul da cidade), onde o caso foi registrado. “A investigação é recente, começou agora. Por enquanto, a gente não pode eliminar nenhuma possibilidade”, disse Veloso.

O delegado confirmou o envio de um ofício ao Exército solicitando a relação completa dos militares que estavam de serviço no último domingo no Forte de Copacabana, que fica próximo ao local onde o estudante foi baleado. Além da presença dos oficiais com a lista, prevista para a próxima quinta-feira, Veloso também espera o comparecimento da vítima “para tentar fazer o reconhecimento, por foto, do suposto autor”.

Em nota, o Comando Militar do Leste negou que militares tenham dado tiros no dia do incidente. Informou ainda que não há patrulhamento fora da área militar do Forte de Copacabana e que o Exército não utiliza uniformes azuis, descritos pela vítima como sendo a cor predominante dos uniformes dos agressores.

O rapaz, que estava com dois amigos, foi baleado nas pedras da Praia do Arpoador, entre Copacabana e Ipanema. Parentes informaram à polícia que o grupo foi abordado por militares uniformizados e que um deles, por discriminação sexual, teria disparado tiros contra o jovem. Uma equipe da Polícia Civil esteve hoje no local para procurar as cápsulas das balas disparadas, mas nada foi encontrado.

O superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria Estadual de Direitos Humanos do Rio, Cláudio Nascimento, disse que tudo leva a crer em crime homofóbico. “A denúncia é clara, o jovem relata que sofreu homofobia, toda a abordagem, segundo ele, foi homofóbica”, disse Nascimento.

A orientação para os homossexuais vítimas de qualquer tipo de violência é que denunciem. O telefone 0800 023 4567 é um serviço gratuito para denúncias de homofobia. De acordo com ele, são recebidas, em média, duas denúncias de violência contra homossexuais por dia no estado do Rio.

Fonte: Correio Braziliense

+ sobre o tema

Ação pede que ex-secretário do Rio pague indenização de R$ 1 milhão

A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro...

Bares gay britânicos boicotam vodca russa

Vários bares gay do Reino Unido convocaram um boicote...

Tradução do conto “Você na América”, de Chimamanda Ngozi Adichie

O blog traz abaixo a tradução do conto “Você...

Pai e filha mudam de gênero juntos nos EUA

Caso ocorreu em Detroit e chamou atenção no mundo Do...

para lembrar

Obama indica primeira mulher negra para a Secretaria de Justiça dos EUA

Barack Obama anunciará no sábado sua intenção de indicar...

Colombianas oferecem a lição do dia: si se puede

O histórico de vitórias de seleções sul-americanas contra europeias...

Donas da Favela: a grande arte de travestis no Piscinão de Ramos

Botar a cara no sol e praticar nado sincronizado...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=