Bolsa de Formação Audiovisual “A Ventura da História Múltipla” está com inscrições abertas até 22 de julho

“A Ventura da História Múltipla” busca ampliar a participação de mulheres cis e trans na produção audiovisual e promover oportunidades para aquelas que estão engajadas na luta por movimentos sociais emancipatórios. A bolsa visa oferecer às participantes a chance de explorar o mundo audiovisual e compartilhar suas narrativas

Estão abertas as inscrições para a primeira edição da bolsa de formação audiovisual “A Ventura da História Múltipla”, promovida pela Anavilhana Filmes em parceria com a Renca Produções. Destinada a residentes de comunidades e áreas periféricas de Belo Horizonte, a iniciativa busca fortalecer a produção audiovisual de mulheres cis e trans maiores de 16 anos. Serão contempladas com a bolsa as mulheres que integram grupos, coletivos e movimentos sociais com demandas de produção de conteúdo audiovisual. As inscrições podem ser feitas no site da Anavilhana e vão até o dia 22 de julho de 2023. 

A bolsa de formação audiovisual oferecerá suporte teórico e prático para o desenvolvimento de habilidades na produção de conteúdos audiovisuais. Serão selecionadas quatro duplas, totalizando oito participantes, provenientes de comunidades, entidades e/ou coletivos. Os pares terão acesso a um kit de equipamentos contendo um smartphone, fone de ouvido, microfone, bolsa e aplicativo de edição para a produção dos vídeos. Além disso, cada participante receberá uma bolsa auxílio no valor de um salário-mínimo.

Gabriela Matos, à frente da Renca Produções, conta que o projeto vai ao encontro do que a produtora acredita sobre o audiovisual ser ferramenta para pessoas negras, periféricas e mulheres narrarem suas próprias histórias. “A Renca acredita, a gente nasce desse propósito de representatividade na frente das câmeras, mas também atrás – desde a criação, não só na participação enquanto objeto. Então, para a gente, a parceria faz muito sentido”. Com o convite, Anavilhana e Renca atuam em conjunto para que mais mulheres estejam à frente de projetos no audiovisual.

Nesta perspectiva, a bolsa visa fortalecer as participantes de diversos grupos emancipatórios, ou seja, que acolhem e reconhecem a importância daqueles que se opõem ao sistema de acumulação flexível. Tendo em comum a luta contra a subordinação da força de trabalho ao capital, esses coletivos se engajam com a agroecologia, a moradia, a educação, a cultura, entre outras pastas. Desse modo, o intuito é criar um programa inclusivo que atenda às diferentes necessidades e promova visibilidade a esses movimentos. 

Durante a formação, as selecionadas terão aulas teóricas sobre metodologia com a produtora e gestora cultural Andressa Iza Gonçalves e aulas de roteiro com a professora e pesquisadora em cinema e audiovisual, Tatiana Carvalho Costa. Terão, também, orientação prática e acompanhamento ao longo da realização do projeto  com as integrantes da Renca Produções: Denise Santos, Gabriela Matos e Natalie Matos. Como parte das atividades do curso, as duplas participantes devem desenvolver um produto audiovisual de até cinco minutos, que será exibido em um encontro final do projeto.

“A Ventura da História Múltipla” tem como objetivo fortalecer a produção audiovisual realizada por mulheres em Belo Horizonte, abrindo espaço para as histórias e vivências de seus grupos e movimentos. “A bolsa nasce de um desejo de ampliar a experiência de formação para mulheres fora do circuito mais estrito do cinema e audiovisual. Queremos trocar e partilhar conhecimento com mulheres que tragam outras necessidades e olhares”, conta a coordenadora do projeto Marília Rocha. 

As interessadas em participar da formação audiovisual “A Ventura da História Múltipla” podem se inscrever até 22 de julho. O  resultado da seleção será divulgado no dia 31 de julho por meio do site. A iniciativa conta com o apoio da Funarte/MG e o incentivo da PBH, por meio do Projeto 0150/2020 – Edital LMIC 2020 – Modalidade Incentivo Fiscal.

As atividades serão realizadas na Funarte MG, localizada na rua Januária, 68, Centro, Belo Horizonte. O curso terá início no dia 19 de agosto de 2023 e seguirá um cronograma de encontros.

Para acompanhar as atualizações sobre o projeto e obter mais informações, siga o perfil do Instagram da Anavilhana Filmes em https://www.instagram.com/anavilhana_filmes/.

Sobre a Anavilhana: A Anavilhana surgiu do encontro entre Clarissa Campolina, Luana Melgaço e Marília Rocha. Fundada em 2005, a produtora reúne mais de 20 anos de experiência de suas sócias, com o desejo de articular pesquisa, formação, produção e criação audiovisual. A Anavilhana desenvolve projetos de cinema e audiovisual em parceria com diretores independentes, produtoras e co-produtoras no Brasil e no exterior. Seu trabalho é orientado pela criação de desenhos de produção específicos para cada projeto, colaboração com outras produtoras e pesquisa de linguagem. A empresa já lançou mais de 30 obras audiovisuais, incluindo curtas, longas-metragens, séries de TV e instalações, sendo reconhecida em festivais nacionais e internacionais, além de ter suas produções exibidas em museus de renome. O nome da produtora foi inspirado no arquipélago de Anavilhanas, na região amazônica, representando a união e autonomia necessárias para um arquipélago se formar. Atualmente, os projetos em destaque da Anavilhana são o filme “Canção ao Longe”, que está no circuito comercial dos cinemas em todo Brasil, e também a série “Resíduo”, exibida pelo Canal Brasil e disponível na Globoplay para assinantes.

SERVIÇO

O que é: Primeira edição da bolsa de formação audiovisual “A Ventura da História Múltipla”

Período de inscrição: 10 a 22 de julho de 2023

Quem pode se inscrever: Mulheres cis e trans integrantes de coletivos e movimentos sociais de Belo Horizonte, maiores de 16 anos 

Como se inscrever: através do link: https://www.anavilhana.art.br/formacao/bolsa-de-formacao

Resultado da seleção: 31 de julho de 2023, também pelo site da Anavilhana.

+ sobre o tema

Henrietta Lacks a mulher que mudou a ciência para sempre (e nunca ficou sabendo)

Henrietta Lacks teve uma vida curta e dura. No...

Beatriz Bissio: “As ruas são uma tsunami nos partidos e na mídia”

Em 2005, a jornalista e cientista política Beatriz...

Incidência e Monitoramento de políticas públicas

  participa de diversas iniciativas da sociedade civil...

para lembrar

#QuemMatouNicinha: Quantas ativistas serão mortas na luta por direitos na Amazônia?

A missionária americana Dorothy Stang defendia o uso sustentável...

Mais de 100 organizações se inscrevem no Pró-equidade de Gênero e Raça

Em novembro, será realizada uma oficina com todas as...

Número de mulheres que operam máquinas agrícolas aumenta em MT

Porém, mulheres ainda representam menos de 10% do total...

Pedro Silveira Carneiro: E por falar em escravidão médica…

Escravidão médica, exploração, e servidão: uma experiência...
spot_imgspot_img

Câncer de pênis: Brasil é considerado o país com maior número de casos do mundo; veja os 6 sinais mais comuns da doença

O Brasil é considerado o país com maior incidência de câncer de pênis no mundo, em especial nas regiões Norte e Nordeste. Este tumor representa...

Geledés participa da 54ª Assembleia Geral da OEA

Com o tema “Integração e Segurança para o Desenvolvimento Sustentável da Região”, aconteceu entre os dias 26 a 28 de junho, em Assunção, Paraguai,...

Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos abre inscrições para sua 46ª edição

As inscrições para a 46ª edição do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos estão abertas de 20 de junho a 20...
-+=