Bruno é condenado a 22 anos e 3 meses de prisão. Dayanne é absolvida

Bruno foi condenado a 17 anos em seis meses em regime fechado e quatro anos e nove meses em regime aberto. Assim como pediu a promotoria, a ex-mulher do goleiro está livre

Por: Carolina Garcia e Ricardo Galhardo, do iG 

 

O goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza, de 28 anos, foi condenado a 22 anos e três meses de reclusão em regime, incialmente, fechado pelo sequestro do filho Bruno Samudio e morte e ocultação de cadáver da ex-amante Eliza Samudio. Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, de 25, ex-mulher do goleiro, acusada de sequestro e cárcere privado de Bruninho, foi absolvida.

A pena total de Bruno de 22 anos e 3 meses é composta por 17 anos e seis meses em regime fechado pelo crime de homicídio triplamente qualificado, três anos e três meses em regime aberto pelo sequestro e cárcere privado de Bruninho e por um ano e seis meses em regime aberto pela ocultação de cadáver de Eliza.

O goleiro já cumpriu 2 anos e 9 meses de prisão desta pena. E por ter trabalhado na lavanderia da penitenciária Nelson Hungria durante o tempo em que está preso o goleiro ainda teria direito a redução de mais uma parcela da punição. Segundo previsão do advogado de defesa Lúcio Adolfo, Bruno poderá progredir para o regime semiaberto em três anos e seis meses. Se continuar a trabalhar na prisão, a expectativa é que esse prazo caia para dois anos e oito meses.

Em sua decisão, a juíza Marixa Fabiane Rodrigues afirmou que os crimes cometidos pelo goleiro foram considerados de “culpabilidade intensa e altamente reprovável”. Bruno não mereceu a mesma redução de pena concedida a Macarrão, no julgamento de novembro, quando ele foi o primeiro a admitir que Eliza teria sido entregue para morrer . Bruno não poderá recorrer à pena em liberdade.

A leitura da sentença da juíza Marixa Fabiane Rodrigues começou às 2h09 desta sexta-feira (08) após quatro dias de julgamento, divididos entre depoimentos, trocas de acusações entre advogados de defesa e acusação, interrogarório dos réus – quando finalmente Bruno admitiu que sabia da morte de ex-amante Eliza Samudio – e a votação dos jurados . Às 2h23, a juíza encerrou o julgamento.

Na quinta-feira, Bruno e Dayanne refizeram seus depoimentos . Na sequência, defesa e acusação apresentaram suas teses sobre o crime e tiveram suas últimas chances de convencer os jurados. Após isso, o Conselho de Sentença, composto pelos sete jurados, cinco mulheres e dois homens, foi levado pela juíza Marixa Fabiane Rodrigues para uma sala secreta.

Na sala, cada jurado respondeu a 20 perguntas (quatro para Dayanne e 16 para Bruno) preparadas pela magistrada. Os jurados receberam cédulas de papel contendo uma a palavra “sim” e a outra a palavra “não”, para darem suas respostas. Com a decisão dos jurados em mãos, a juíza redigiu a sentença de Bruno.

dvq4rsjnhe1lu5yrs5g7k3vwe
Foto: Renata Caldeira / TJMG

A primeira fase do julgamento, que ocorreu em Contagem em novembro do ano passado , terminou com as condenações de Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, e Fernanda Gomes de Castro , ex-namorada do goleiro Bruno. Macarrão foi condenado a 15 anos de prisão por homicídio, sequestro e cárcere privado, enquanto Fernanda, acusada de sequestro e cárcere de Eliza, foi condenada pelos dois crimes e teve pena de cinco anos de prisão – pena da qual recorre em liberdade. O Ministério Público recorreu contra o regime fixado para Fernanda. Em relação ao réu Luiz Henrique, a sentença transita em julgado e não cabe mais recurso.

Outros réus do processo, o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, apontado como o executor do assassinato, será julgado em 22 de abril. Elenilson Vítor da Silva e Wemerson Marques de Souza também serão julgados em outra data.

 

 

 

+ sobre o tema

para lembrar

Em São Paulo, Dieese e SEPM lançam Anuário das Mulheres Brasileiras

Na segunda-feira, 04 de julho, foi lançado na cidade...

Não foi culposo, foi coletivo!

O que é a figura do estupro? O Código...

UNIFEM repudia perseguições e assassinatos de mulheres

As investigações do assassinato de Mércia Nakashima e o...

Epsy Campbell Barr

Epsy Campbell Barr é ativista feminista e antiracista e...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=