‘Muro das Humilhadas’: Mulheres contam experiências horríveis de humilhação e assédio

Alguns dos comentários são de maridos e namorados.

Por Natasha Hinde, do Huffington Post UK

 

O ‘Muro das Humilhadas’

Humilhação das vadias. Humilhação da menstruação. Humilhação por causa do corpo. Humilhação por ser mãe.

O tempo todo as mulheres são vítimas de humilhação por causa de seu gênero e, embora os comentários ofensivos muitas vezes sejam minimizados, a realidade é que eles têm impacto duradouro para muitas mulheres.

Agora, uma artista está convidando mulheres (e meninas) a tirar um enorme peso das costas, compartilhando suas experiências em um espaço seguro e anônimo.

Suzie Blake, 37, de Melbourne (Austrália), criou uma instalação chamada “O Muro das Humilhadas”, no qual as mulheres podem escrever comentários maldosos feitos sobre seus corpos, ou outras ofensas.

Blake diz ao HuffPost UK que o trabalho é emocionante, mas também parte o coração: “As histórias são tão tristes, mas saber que há tantas delas e que elas muitas vezes são tão parecidas dá às mulheres um senso de compreensão mútua – um senso de solidariedade. Somos estáticas como indivíduos, mas como grupo podemos mover montanhas.”

O muro, que foi colocado no Victorian College of the Arts, em Melbourne, está cheio de comentários chocantes, mostrando o que as mulheres têm de ouvir.

Blake diz que os que falam de estupro são particularmente angustiantes. Uma das mensagens afirma: “O homem que me estuprou quando eu tinha 14 anos me disse que eu tinha ‘coxas de um rinoceronte na hora do ataque'”.

Outro diz: “Estávamos falando sobre estupros recentes na nossa cidade quando um amigo da polícia disse: ‘Não precisa se preocupar. Você é feia demais para ser estuprada'”.

O que entristece é saber que, embora alguns comentários tenham sido feitos por desconhecidos no meio da rua, muitas mulheres foram vítimas de humilhação por seus namorados e maridos.

Eis um exemplo: “Meu primeiro namorado sério e a primeira com quem transei disse que eu não poderia ficar por cima porque eu era grande demais”.

  

O trabalho de Blake foi inspirado por uma exploração da gravidez adolescente e pela maneira como a sociedade as trata – mas logo o objetivo tornou-se algo maior.

“Sou artista feminista e tendo a pesquisar e tentar entender as questões que afetam as mulheres, em particular”, explica ela. “Tento combater essas questões por meio do meu trabalho. Acho que a gravidez adolescente muitas vezes é ignorada no feminismo mainstream, o que considero problemático.”

“Acho que a humilhação de meninas adolescentes não tem comparação em nossa sociedade – é deplorável. Sejamos sinceros, todas estão transando! Eu poderia ter engravidado quando era adolescente, assim como minha irmã e metade das minhas amigas. Acontece.”

As adolescentes não são as únicas humilhadas. “Conheço várias mulheres mais velhas que engravidam e têm de dar o bebê para adoção ou então são isoladas em suas comunidades”, acrescenta Blake.

“Não só isso, mas em muitas partes do mundo o aborto não é uma opção, ou então é impossível de conseguir, ou, pior, ilegal.”

 

Blake observa que a humilhação passada pelas mulheres é muito diferente da que sofrem os homens – e quase sempre os comentários têm a ver com o corpo.

O muro é inspirado por Germaine Greer, que escreveu que “o corpo da mulher é o campo onde ocorre a batalha da libertação”.

“Se quisermos nos libertar, temos de nos entender, e parte dessa compreensão envolve compartilhar experiências”, afirma Blake.

A artista acredita que o processo de escrever no muro é extremamente catártico. “Consegui me libertar de humilhações antigas, e foi ótimo botar tudo para fora”, explica ela. “Ler experiências similares de outras mulheres me fez me sentir menos sozinha. E que não era ‘eu’, mas a expectativa da sociedade em relação a mim.”

O que precisa mudar para acabar com esse ciclo? Blake afirma que dependemos de uma mudança cultural. “O fardo desse tipo de humilhação não deve ser carregado pelas mulheres – não temos de ‘lidar com isso’, como sempre nos dizem.”

“Esse tipo de humilhação foi criado e é invocado por uma sociedade que quer manter as mulheres subordinadas e objetificadas.”

“É claro que mulheres humilham mulheres, mas é a lente da misoginia. A expectativa de que as mulheres atinjam alguma fantasia de perfeição é profundamente problemática, e não vejo uma diminuição dessas expectativas no curto prazo. Na realidade, acho que elas estão piorando.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.

+ sobre o tema

Pulseira é desculpa para crime, diz psicóloga

Para sexóloga da Unifesp, violência contra a mulher continuaria...

Michelle Obama critica Trump por ‘bullying’ e pede união a democratas

Quão popular é Michelle Obama? por Anna Virginia Balloussier no...

Estupro de menina pelo padrasto ocorria com mãe em casa, diz polícia

Segundo a polícia, mulher não sabia do estupro da...

Anitta responde vereador que questionou se ela é prostituta

A cantora Anitta não deixou barato a postagem do...

para lembrar

“Que currículo ótimo, pena que é mulher”

A A. me mandou este relato sobre a mais...

Luislinda, a Iansã de toga – Por: Fernanda Pompeu

A cena poderia ter saído da cabeça de um...

Fogo amigo: novo PLC 122 gera onda de protestos dentro da comunidade gay

"Não é o projeto ideal, mas também não temos...

Modelo transex Camila Ribeiro estreia no SPFW: ‘Brasil é preconceituoso’

Aos 21 anos, top faz desabafo sobre as minorias:...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=