Câmara apresenta plano de ações administrativas para a equidade de gênero e raça

A Câmara vai adotar medidas políticas e administrativas de promoção da igualdade entre homens e mulheres e entre todas as raças, nos termos do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça do Governo Federal. Nesta quarta-feira (23), o presidente Marco Maia e a Procuradora Especial da Mulher, deputada Elcione Barbalho, entregaram formalmente cópia do Plano de Ação da Casa para a Secretária de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, Ministra Iriny Lopes.

Em rápida solenidade que contou com a presença de deputadas e de diretores da Câmara, a Procuradora Especial da Mulher destacou a importância de se adotarem medidas concretas de incentivo à igualdade de condições de trabalho, salariais e de apoio às mulheres e a todas as raças, lembrando que metade da força de trabalho é do sexo feminino e que, portanto, devem ser ocupados pelas mulheres número equivalente de cargos de chefia.

A ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes, pediu às deputadas e ao presidente da Câmara, Marco Maia, apoio para a votação em plenário da Lei de Igualdade de Gêneros e Raças, que desde março tramita em regime de urgência, e disse que a Lei vai impor a equidade não apenas na administração pública, mas especialmente na iniciativa privada, que é onde trabalha a maioria das mulheres.

O presidente Marco Maia enfatizou que a Câmara está empenhada na efetiva implantação do Programa de Equidade, não apenas porque definiu um plano de ações concretas nesse sentido, mas também por admitir publicamente que existem desigualdades de tratamento. “O primeiro passo para corrigir as falhas é reconhecer publicamente que elas existem e fazer a mea culpa” – afirmou.

A Câmara aderiu formalmente ao Programa Pró-Equidade em junho de 2011, criando um grupo de trabalho que, em 11 de novembro, concluiu a elaboração do documento que reúne as ações a serem implantadas para tornar mais justas e igualitárias as condições de trabalho na Casa. É esse o plano de metas que foi entregue oficialmente à Ministra.

O Programa Pró-equidade de Gênero e Raça está em seu 4º ano e objetiva promover a igualdade de oportunidades e de tratamento entre homens e mulheres nas instituições públicas e privadas por meio do desenvolvimento de novas concepções na gestão de pessoas e na cultura organizacional. É uma iniciativa do Governo Federal, que, por meio da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República – SPM/PR e do II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, reafirma os compromissos de promoção da igualdade entre mulheres e homens inscrita na Constituição Federal de 1988.

Conta ainda com o apoio da Entidade das Nações Unidas para Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres) e da Organização Internacional do Trabalho – (OIT – Escritório Brasil).

Fonte: Câmara

+ sobre o tema

Novos tipos de família já são maioria no brasil

Pela primeira vez, o modelo de casal com filhos...

Verbete Draft Feminismo nos Negócios: o que é Bropriating

De 13 de dezembro a 10 de janeiro, interrompemos...

Os bilhetinhos aos pés da santa que protege as mulheres

Em 1º de setembro, o papa Francisco deu permissão,...

Centro de Cidadania LGBT em SP é alvo de ataque, e vândalos urinam e defecam no local

Também houve furto de objetos, documentos foram rasgados e...

para lembrar

Por que resistir à feminilidade deveria fazer parte de nossas lutas?

A gente, mulheres, quer acabar com o patriarcado e...

Lula assina lei que eleva pena para pedofilia e estupro

Brasília - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva...

Vítima de estupro coletivo cometeu suicídio após ser humilhada no WhatsApp

Uma indiana de 40 anos cometeu suicídio em janeiro...

‘Lálá’, novo clipe de Karol Conka, tem uma mensagem que não deixa dúvidas

"Direitos de prazer iguais, mais compreensão." Por Ana Beatriz Rosa, do HuffPost...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=