Campanha #NemPenseEmMeMatar denuncia cultura feminicida e número alarmante de mortes no Brasil

Embora o crime de feminicídio esteja no Código Penal desde 2015, o assassinato de mulheres – apenas por serem mulheres – cresce diariamente no Brasil. No primeiro semestre de 2020, ano em que a pandemia de Covid-19 se alastrou pelo mundo impondo a necessidade de isolamento social, foi registrado aumento de 1,9% deste crime de ódio*. Naqueles primeiros seis meses, foram mortas 648 brasileiras, a maioria negras e vivendo em desigualdade social.

Dados como estes e a falta de políticas públicas se agravam em um país que já ocupava o 5º lugar entre as nações que mais matam suas mulheres**. Com o objetivo de denunciar a omissão do Estado e exigir a proteção da vida delas, nasce o Levante Feminista contra o Feminicídio, frente suprapartidária que lançará no próximo dia 25 a campanha “Nem Pense em Me Matar”, apoiada nesta ideia: “Quem mata uma mulher mata a humanidade!”

A articulação foi iniciada por Vilma Reis, socióloga, referência dos movimentos negros no país, integrante da Coalizão Negra Por Direitos, Marcia Tiburi, filósofa, escritora e artista, e Tania Palma, pesquisadora e assistente social. O Levante, que rapidamente ganhou corpo, é formado por cerca de 200 pessoas que se articulam remotamente para a construção de uma ação conjunta pela vida das mulheres. Entre elas, estão mulheres negras, indígenas, quilombolas, ribeirinhas, das águas, das florestas, antiproibicionistas, parlamentares, dos movimentos LBTQIA+ e de outros segmentos das organizações populares e da sociedade civil.

Em manifesto construído de forma coletiva e tornado público dia 12 de março, a frente pontua de forma contundente que a existência de uma “cultura de ódio” direcionada às mulheres brasileiras precisa chegar ao fim, e que a prática do crime de feminicídio “nunca esteve tão ostensiva e extremista” quanto agora, no governo de Jair Bolsonaro e sobretudo no contexto da pandemia do novo coronavírus. Em três dias, o documento obteve mais de 8 mil assinaturas.

Entre as denúncias, o Manifesto afirma que “ideias e atitudes misóginas transformaram-se em comportamento aceito e legitimado pela sociedade, contaminando o Executivo, o Legislativo e o Judiciário capaz de sentenças sexistas e de ressuscitar arcaicos argumentos da ‘legítima defesa da honra’ e da ‘passionalidade’ como uma espécie de ‘mérito’ para absolver criminosos. Isso confirma a negligência e inoperância do Estado Brasileiro no enfrentamento à violência contra as mulheres”.

Traça também o perfil dos matadores: “são homens que não admitem a autonomia, a igualdade e a liberdade das mulheres. São machistas, violentos que querem a redomesticação e o afastamento das mulheres da vida pública…”; “usam a violência física, psicológica, moral, sexual e patrimonial contra mulheres e seus filhos até o extremo, que é o ato do feminicídio”.

Foto: Divulgação

Um Levante pela vida das mulheres e pelo fim do feminicídio

Marcia Tiburi conta que a ideia de se juntar a outras mulheres contra este crime de ódio surgiu exatamente pela urgência em combater o desamparo e a negligência. “O patriarcado é um juramento de morte contra as mulheres pelos mais diversos motivos, sempre torpes”, afirma.

A filósofa espera criar, com suas companheiras, condições para superar a velha cultura feminicida. “Trata-se de uma guerra sangrenta que precisa parar. O que desejamos com a nossa campanha é estancar esse banho de sangue que vem sendo promovido pelo machismo e pela espetacularização da violência que dele faz parte.”

A campanha, que está em ebulição nas redes sociais, terá ações pontuais em cada estado, organizadas pelas mulheres que vivem e conhecem a realidade específica do feminicídio em cada lugar. Para isso, estão sendo criados materiais de comunicação, exaltando a imagem dos girassóis amarelos, símbolo do Levante, que figura como sinal de esperança e celebração da vida. Com a hashtag #NemPenseEmMeMatar, a frente busca atingir um público amplo e disseminar a ideia de que a violência contra a mulher é um problema que afeta não só as famílias, mas a sociedade inteira.

“Nós estamos fazendo um trabalho de base e queremos agregar o maior número de mulheres que pudermos, mesmo aquelas que não se entendem como feministas”, explica Tania Palma. “Estamos falando com religiosas, pescadoras, desempregadas, quilombolas, ribeirinhas”, pontua ela, que é também membro do GTFem, da Universidade Federal da Bahia, que realiza a primeira pesquisa sobre casos de feminicídio em Salvador. “Não é preciso ser feminista para querer o fim do feminicídio. A gente tem que compreender politicamente isso”, diz a pesquisadora, acreditando que todas devem ser efetivamente conquistadas para a campanha.

Além de fazer o esforço de base, o Levante se conduz pela pauta feminista que, do ponto de vista das organizadoras, é inegociável. Isso significa combater a política de militarização do governo, que tem liberado o acesso a armas e munições, com objetivo de armar a população – uma plataforma publicizada por Jair Bolsonaro. Além de almejar o fim do feminicídio, o Levante quer fortalecer a democracia.

“Organizamos o levante feminista para conter a matança de mulheres no país. É a nossa forma de discordar dos decretos de armas e de toda essa onda misógina patriarcal que nós estamos vivenciando”, contextualiza Vilma Reis. “A gente diz ‘nem pense em me matar’ e traz a ideia de ‘quem mata uma mulher mata a humanidade’ para materializar que, sem as mulheres, sem a potência feminista, o Brasil não vai para a frente.”

*Fonte: https://forumseguranca.org.br/anuario-brasileiro-seguranca-publica/

**Fonte: O Brasil aparece no quinto lugar em uma lista da Organização Mundial da Saúde (OMS)
de países com maior número de feminicídios, atrás apenas de El Salvador, Colômbia, Guatemala e
da Rússia.

Levante Feminista Contra o Feminicídio
Campanha #NemPenseEmMeMatar #QuemMataUmaMulherMataAHumanidade
Lançamento da campanha em 25/03/2021
Programação contará com evento online. Ações, horários e convidados serão divulgados
posteriormente; evento ainda está em construção.
Conheça o manifesto #NemPenseEmMeMatar: http://bit.ly/3vvuIVy
Interessado em apoiar financeiramente? Acesse: http://bit.ly/2OE7mMS

Siga a campanha nas redes sociais:
Twitter: https://twitter.com/LevanteFem
Facebook: https://www.facebook.com/LevanteFeminista2021
Instagram: https://www.instagram.com/levantefeminista/

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Obrigada, Luíza Bairros!

Tenho aprendido que a morte embora produza um destino...

Teólogo sugere que evangélicos ignorem os homossexuais para poderem se preocupar com “temas mais importantes”

Teólogo presbiteriano recomenda aos evangélicos que deixem em paz...

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava...

“In a Heartbeat” Animação mostra o primeiro amor de dois garotos

Na história, Sherwin, se apaixona por um colega da escola onde...

para lembrar

Reino Unido: Polícia vai tratar denúncia de estupro com mesma severidade de ameaça terrorista

Manifestantes levantam faixa: 'estupro:um problema global' Segundo relatório, 80% das...

Casal de transgêneros dá à luz um filho em Porto Alegre

A mãe, que nasceu Andressa, teve o bebê na...

Mulheres negras enfrentam problemas semelhantes na América Latina

Estudos e especialistas apontam que as mulheres negras vivem...

Espetáculo pensa a história gaúcha a partir das mulheres negras

Estreia no dia 22 de maio o espetáculo Negressencia:...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=