Carlinhos Brown inaugura centro de música em Salvador

Enviado por / FonteG1

Salvador, 13 nov (EFE).- O músico Carlinhos Brown inaugurou na quinta-feira, em Salvador, o Centro de Música Negra (CMN), que, segundo ele espera, servirá para materializar seu sonho de que os tambores “substituam” as armas.

“Queremos deixar um legado com este centro, substituir o tráfico de escravos pela troca de culturas e que os tambores cumpram a função para a qual nasceram, substituir as armas”, afirmou Brown.

O CMN é integrado ao Museu do Ritmo, foi impulsionado pelo músico e está localizado no bairro do Comércio, em Salvador, próximo ao centro histórico do Pelourinho.

O artista lembrou que o Pelourinho foi um mercado de escravos na época colonial, depois se transformou em uma zona de prostitutas e finalmente se transformou no “centro cultural” de Salvador, graças à contribuição de grupos musicais como o Olodum.

O cantor defendeu a utilização da música para combater “a degradação de valores humanos” e “a dor e a pobreza” à qual foram submetidos os povos africanos e seus descendentes.

“Houve escravidão e preconceitos no passado e hoje continua. Nós, africanos, queremos (…) utilizar nossa força espiritual para preservar nossa cultura”, acrescentou.

No entanto, na opinião de Brown, o CMN não se limita a explorar as expressões musicais das diferentes etnias negras, mas “amarra o desejo de irmanar todas as culturas”.

“Todos somos africanos: brasileiros, argentinos, uruguaios, anglo-saxões, bantús e urubás. Ser africano não é ser negro”, disse.

O CMN, em suas cinco salas, apresenta um percurso multimídia pelas diferentes contribuições dos negros para a música, desde os ritmos das tribos ancestrais da África até o jazz, o rap e outros sons contemporâneos.

A primeira sala é dedicada aos músicos que se tornaram ícones mundiais pelo impacto de suas obras, entre eles Gilberto Gil, Bob Marley, Carlos Santana, Ray Charles, Louis Armstrong, James Brown, Jimi Hendrix ou Aretha Franklin.

O segundo espaço se dedica à música africana contemporânea e é seguido por um “túnel” que faz referência à travessia dos navios negreiros da África para América, que foi “horrível”, mas trouxe a “fértil” cultura africana ao novo mundo, segundo o arquiteto Pedro Mendes Rocha, que projetou o espaço.

Os dois últimos núcleos, ainda em fase de construção e cuja inauguração está prevista para dezembro de 2010, são dedicados à América negra e às expressões mais contemporâneas, com um passeio do reggae ao hip hop. EFE

 

+ sobre o tema

Glória Maria faz aniversário: “Não queria uma cara nem uma bunda melhor”

Em entrevista ao portal iG, a jornalista,e atual apresentadora...

Grandes escolas retomam a africanidade

  Meu Deus, dessa vez, o tema da...

Marcelo d’ Salete: Cumbe, l’ histoire de l’esclavage au Brésil, sera publié en France

Cumbe (Brésil) Traduit du portugais par Christine Zonzon et Marie...

para lembrar

Samuel L. Jackson é confundido com ator negro e se irrita: “não somos todos iguais”

Era apenas mais uma entre as dezenas de entrevistas...

Greve assombra Copa na África

Perueiros protestam contra obra para melhorar o transporte de...

Ciclo de Conversas discutirá os lugares de memória negro indígena de 14 a 16 de setembro de 2022

O Ciclo de Conversas Lugares de Memória Negro-indígena reunirá...

Gaby Amarantos anuncia parceria com Liniker em novo trabalho

Dando fim ao mistério criado nas redes sociais, Gaby...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...
-+=