Carrie Fisher: ‘Não seja uma escrava como eu fui’

Estreia do novo título da franquia Star Wars levou fãs a retomar debate sobre a erotização de sua única estrela feminina

Do Carta Capital

Antes do tão aguardado lançamento de Guerra nas Estrelas: O Despertar da Força, os fãs da franquia reviveram uma controvérsia sobre uma figura que marcou a cultura pop por décadas: a princesa Leia usando um biquíni dourado e com uma corrente gigante em torno de seu pescoço.

O debate se deu por duas razões. Primeiro, o furor sobre a natureza altamente sexualizada do traje “escrava Leia”, como é chamada oficialmente. E, segundo, sobre a suposta decisão da Disney de retirar todas as mercadorias relacionadas a ela das prateleiras das lojas – eliminando, efetivamente, a única e importante personagem feminina da trilogia original de Guerra nas Estrelas.

Os rumores de que a “escrava Leia” seria removida das prateleiras – o que a empresa não quis comentar – começaram quando um artista da Marvel, que também faz parte do grupo Disney, postou em seu perfil no Facebook que ele ouviu de diversas e importantes fontes da empresa que os brinquedos e produtos da “escrava Leia” seriam descontinuados.

O movimento foi supostamente associado à luta da empresa com as implicações de vender um brinquedo que representa uma mulher de biquíni acorrentada pelo pescoço por seu carrasco, o gângster alienígena Jabba, o Hutt.

A atriz Carrie Fisher, que interpretou a princesa Leia na trilogia original e repete o papel em O Despertar da Força, falou de seu repúdio em relação ao traje.

“Não seja uma escrava como eu era”, disse Fisher para Daisy Ridley – que interpreta o papel no novo filme, que tentou redimir os pecados do passado ao incluir personagens femininas – em recente entrevista à revista Interview. “Lute pelo seu figurino. Continue lutando contra o traje de escrava”, afirmou Fisher.

Por outro lado, Fisher rejeitou a controvérsia de merchandising em comentários mais recentes ao jornal Los Angeles Times, ao dizer que “indicar que o traje é algum tipo de acessório sadomasoquista é absolutamente estúpido”.

“Eu concordo plenamente que pessoas estão indo longe demais nas suposições sobre o que realmente o traje quer dizer”, opina Alexandra Steiger, autoproclamada “fã de longa data da princesa Leia”, em entrevista à DW. “Mas isso precisa ser considerado no contexto do filme.”

Apesar de Leia ser a única personagem feminina importante do filme, Steiger afirma que “sua presença é sentida mais que suficiente”. Como uma líder de uma rebelião, responsável e corajosa, pela maior parte dos 386 minutos da trilogia original, não importa se Leia é passiva e acorrentada por 15 minutos.

Ao olhar esses 15 minutos de vergonha, é também importante lembrar que “ela consegue virar o jogo, mata Jabba e usa sua corrente como uma arma”, afirma Natalie Wreyford, especialista na representação de mulheres no cinema da Universidade de Southampton, em entrevista à DW.

“Não é problemático como brinquedo, mas é problemático porque é a única representação de Leia amplamente disponibilizada”, afirma Wreyford, e não apenas com parte do merchandising do filme: as representações midiáticas de Leia também tendem a colocá-la nesse traje.

“Esse traje não representa o caráter dela, e nós sabemos que Carrie Fisher relutou em usá-lo”, diz Wreyford.

No entanto, um problema ainda maior, de acordo com Wreyford, é o fato de, ao descontinuar a venda dos produtos “escrava Leia”, a Disney ter praticamente erradicado a princesa Leia das prateleiras, enquanto seus colegas do sexo masculino se multiplicaram.

Em 2014, Wreyford ficou desapontada ao entrar em uma loja da Disney com seus dois filhos pequenos e ver que os brinquedos eram claramente separados em “para meninos” e “para meninas” – sendo que os produtos de Guerra nas Estrelas estavam somente na seção para os meninos. Até mesmo na nova linha e de alta tecnologia que a Disney acabou de introduzir, todos os personagens principais do sexo masculino foram bem representados, com nenhuma Leia à vista.

Wreyford diz que o problema não é apenas a decepção de sua filha, que ama a princesa Leia. “Eu gostaria também que meu filho observasse que as mulheres são importantes, mas não é isso que está acontecendo com o marketing da Disney”.

“Os homens não são mais responsáveis pela maior parte da bilheteria”, afirma Wreyford, depois de realizar uma pesquisa sobre o assunto. Apesar disso, a Disney permanece “desinteressada em ver as meninas como consumidoras de produtos Guerra nas Estrelas”.

+ sobre o tema

Geni Guimarães: a cor da ternura da literatura negra

Escritora e poetisa, Geni Guimarães versa sobre uma vida...

8 de março: O que esperar do orçamento e das políticas para as mulheres em 2010?

Neste 8 de março, aproveitamos para trazer às mulheres...

Toni Morrison

- Nascida em: 18 de fevereiro de 1931 (78 anos),...

Rainha Quelé

Essa mulher jamais deve ser esquecida! Clementina de Jesus,...

para lembrar

Por promover “terapias de conversão”, Marisa Lobo será julgada por Conselho nesta sexta-feira

Após inúmeras denúncias, defensora da “psicologia cristã” pode ser...

O pessoal é político… mas, pera lá! – Por: Camilla de Magalhães Gomes.

Nos últimos dias andei tendo várias conversas online sobre...

Seis mil acarajés serão distribuídos de graça em Salvador; saiba onde

Ação acontecerá no dia 28 de julho Do Correio 24...

Mulheres vítimas de violência estão sem atendimento em São Paulo

No início do nosso mandato, em 2017, protocolamos um...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=