Caso Marielle: veja quem já foi preso e os movimentos da investigação

Operação conjunta neste domingo (24) prendeu os irmãos Chiquinho e Domingos Brazão e o ex-chefe da Polícia Civil do Rio Rivaldo Barbosa, suspeitos de serem os mandantes do assassinato de Marielle Franco (Psol). Na semana passada, Ronnie Lessa, o autor dos disparos, entregar o nome dos mandantes do crime, que ocorreu há seis anos.

Uma operação conjunta da Procuradoria Geral da República, do Ministério Público do Rio de Janeiro e da Polícia Federal prendeu neste domingo (24) três suspeitos de serem os mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco, em março de 2018.

Foram presos Domingos Brazão, atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Chiquinho Brazão, deputado federal do Rio de Janeiro, e Rivaldo Barbosa, ex-chefe de Polícia Civil do Rio.


Na semana passada, Ronnie Lessa, autor dos disparos que mataram Marielle Franco e Anderson Gomes, entregou os mandantes e as circunstâncias do atentado contra a vereadora. Na ocasião, o ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, anunciou a homologação da delação no caso.

Segundo a apuração de César Tralli, o ex-PM deu detalhes de reuniões que manteve com quem o contratou, antes e depois dos homicídios. Os mandantes, segundo Lessa, integram um grupo político poderoso no Rio de Janeiro com vários interesses em diversos setores do Estado.

Até a última atualização desta reportagem, o nome dos mandantes não foi revelado.

O assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol) e de seu motorista Anderson Gomes completou 6 anos nesta quinta-feira (14). O último foi detido no final de fevereiro: Edilson Barbosa dos Santos, o Orelha, apontado como o responsável por desmanchar o Cobalt prata usado no 14 de março de 2018.

Até agora, sete suspeitos estão presos:

  • Domingos Brazão, atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado;
  • Chiquinho Brazão, deputado federal do Rio de Janeiro;
  • Rivaldo Barbosa, ex-chefe de Polícia Civil do Rio;
  • Edilson Barbosa dos Santos, o Orelha, apontado como o responsável por desmanchar o Cobalt usado na execução;
  • Ronnie Lessa, apontado como o autor dos disparos que mataram e vereadora e o motorista;
  • Élcio de Queiroz, confessou que dirigia o carro usado na execução;
  • e Suel, acusado de ceder um carro para Ronnie Lessa esconder as armas usadas no crime.

Veja os presos suspeitos de participar do crime:

Chiquinho Brazão, Domingos Brazão e Rivaldo Barbosa, acusados de mandar matar Marielle Franco (Foto: Imagem retirada do site g1)
Ronnie Lessa, Élcio de Queiroz e Maxwell Simões Corrêa, o Suel (Foto: Reprodução/ TV Globo)

Ronnie Lessa

Foi preso em março de 2019. Na delação de Élcio de Queiroz, é apontado como autor dos disparos. Lessa foi expulso da PM e condenado, em 2021, a 4 anos e meio de prisão pela ocultação das armas que teriam sido usadas no crime — pena aumentada depois para 5 anos.

Até ser preso, em 12 de março de 2019, ele tinha a ficha limpa. Egresso do Exército, foi incorporado à Polícia Militar em 1992. Depois, virou adido da Polícia Civil. Trabalhou na extinta Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (Drae), na Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) e na extinta Divisão de Capturas da Polinter Sul.

Foi nessa experiência como adido que, segundo as investigações, Lessa impulsionou sua carreira criminosa. Como muitos agentes na mesma situação, conhecia mais as ruas que os policiais civis. Destacou-se pela agilidade e pela coragem na resolução dos casos. Nos bastidores da polícia, o comentário é que essa fama chamou a atenção do contraventor Rogério Andrade, que travava uma disputa com o também contraventor Fernando Iggnácio de Miranda.

Élcio de Queiroz

Ex-sargento da Polícia Militar, expulso da corporação em 2015. Após 4 anos preso, ele fez uma delação premiada e admitiu que dirigia o carro que perseguiu o veículo onde estavam a vereadora e seu motorista. Élcio foi preso no mesmo dia que Lessa.

No depoimento, apontou a participação de mais uma pessoa, Maxwell Simões Corrêa, o Suel, nas mortes de Marielle e Anderson.

Suel

Ex-sargento do Corpo de Bombeiros, é acusado de ter cedido um carro para a quadrilha esconder as armas após o crime e auxiliar no descarte delas.

Segundo a deleção de Queiroz, o ex-bombeiro também participou de uma tentativa frustrada de matar a vereadora em 2017. Naquela ocasião, Maxwell, que estava dirigindo, não teria conseguido emparelhar com o táxi onde estava Marielle na hora que Lessa mandou.

LessaQueiroz e Suel já são considerados réus pelo crime pelos homicídios de Marielle e Anderson.

Amigos, Ronnie e Elcio estão presos em penitenciárias federais de segurança máxima e serão julgados pelo Tribunal do Júri. O julgamento ainda não tem data marcada.

Orelha

Edilson Barbosa dos Santos, o Orelha (Foto: Jornal Nacional/Reprodução)

Edilson Barbosa dos Santos, o Orelha, é apontado como dono do ferro-velho que desmanchou o Cobalt prata, usado no assassinato. Segundo a denúncia Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), o Cobalt foi levado até Edilson no dia 16 de março de 2018. De acordo com os promotores, o dono do ferro-velho “embaraçou a investigação”, uma vez que deu sumiço ao veículo usado no homicídio.

Presos e soltos

Além dos sete suspeitos, outras quatro pessoas também foram presas em desdobramentos do caso, mas acabaram soltas.

Em 2019, alvos da Operação Submersus, Elaine de Figueiredo Lessa (mulher de Ronnie) e Bruno Figueiredo (cunhado de Ronnie, irmão de Elaine) foram presos preventivamente.

Elaine foi apontada como suspeita de comandar as ações para sumir com as armas do marido e apagar vestígios da quadrilha, enquanto seu irmão teria ajudado na empreitada.

José Márcio Mantovano, o Márcio Gordo, foi preso após ser flagrado retirando uma caixa — supostamente com armas — de um apartamento de Ronnie Lessa no bairro do Pechincha, na Zona Oeste.

Já Josinaldo Lucas Freitas, o Djaca, teria sido o destinatário das supostas armas recolhidas por Márcio Gordo. Djaca teria ainda alugado um barco para se livrar do armamento em alto-mar na Barra da Tijuca, também na Zona Oeste. A arma do crime nunca foi encontrada.

Vaivém das investigações

Na Polícia Civil, as investigações da morte de Marielle Franco e Anderson Gomes ficaram a cargo, desde o dia do crime, da Delegacia de Homicídios da Capital, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste.

A especializada não apura mais o caso: em fevereiro de 2023, o então ministro da Justiça, Flávio Dino, autorizou a Polícia Federal a abrir um inquérito para investigar os dois assassinatos e a tentativa de homicídio da assessora Fernanda Chaves.

Delegados que já estiveram à frente das investigações:

  1. Giniton Lages (2018-2019)
  2. Daniel Rosa (2019-2020)
  3. Moisés Santana (2020-2021)
  4. Edson Henrique Damasceno (2021-2022)
  5. Alexandre Herdy (2022)

Responsáveis no Ministério Público:

O promotor Homero Freitas ficou responsável pela investigação nos primeiros meses.

Ainda em 2018, Simone Sibilio e Letícia Emile, com auxílio do Grupo de Atuação Especializada e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), passaram a comandar as investigações até 2021, quando deixaram a força-tarefa.

Em 2023, uma nova equipe de trabalho foi montada. A família de Marielle Franco foi recebida pelo Procurador-Geral de Justiça, Luciano Mattos, e pelos integrantes, que atualmente contam com os seguintes promotores:

  1. Eduardo Morais Martins;
  2. Paulo Rahba de Mattos;
  3. Patrícia Costa dos Santos;
  4. Gláucia Rodrigues Torres de Oliveira Mello;
  5. Pedro Eularino Teixeira Simão;
  6. Mário Jessen Lavareda;
  7. Tatiana Kaziris de Lima Augusto Pereira.

+ sobre o tema

Nota da Plataforma Dhesca sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco

A Plataforma Dhesca Brasil manifesta indignação e pesar pelos...

A História de amor interrompida de Marielle e Monica

Era 7 de janeiro de 2017. Marielle Franco tinha...

O intrincado quebra-cabeças das mortes de Marielle e Anderson

Quem matou Marielle e Anderson?". A pergunta que numa...

Caso Marielle: PF vai investigar se agentes públicos atuam para impedir resolução do crime

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, anunciou nesta...

para lembrar

No “trote” violento da Medicina, lições de Freud e Foucault

Humilhações na calourada expõem formação que vê o outro...

Quem é Carmen Silva, a líder dos sem-teto que a (in)Justiça quer prender

Admiradores, amigos e parceiros revelam a mulher que pretende...

Patrão é preso em flagrante por manter empregada doméstica em situação análoga à escravidão

Uma operação para resgatar trabalhadora doméstica em situação análoga...

Procuradoria dá 48 horas para polícia dar explicação sobre morte em viatura em Sergipe

O MPF (Ministério Público Federal) de Sergipe informou ter aberto um...
spot_imgspot_img

PF prende Domingos Brazão e Chiquinho Brazão por mandar matar Marielle; delegado Rivaldo Barbosa também é preso

Os irmãos Domingos Brazão e Chiquinho Brazão foram presos neste domingo (24) apontados como mandantes do atentado contra Marielle Franco, em março de 2018, no qual também morreu o motorista Anderson...

A cada 24 horas, ao menos oito mulheres são vítimas de violência

No ano de 2023, ao menos oito mulheres foram vítimas de violência doméstica a cada 24 horas. Os dados referem-se a oito dos nove...

Estereótipos sobre crianças e adolescentes alimentam violências cotidianas

Quando o assunto é proteção de adolescentes, nós, pessoas adultas, temos muito o que aprender. E eu estou me incluindo nessa conta aí, viu?...
-+=