Cassandra Wilson volta mais próxima do blues

Intérprete de jazz, que diz sentir afinidade com o gênero do sul dos EUA, se apresenta com destacados músicos de Nova Orleans 

Ela só esteve uma vez no Brasil, em 1994, quando substituiu às pressas o cantor Mel Tormé, no extinto Free Jazz Festival.

Agora, consagrada como uma das maiores intérpretes do jazz na atualidade, Cassandra Wilson, 53, retorna para se apresentar amanhã e sexta em São Paulo (no Bourbon Street e no HSBC Brasil, respectivamente) e, no domingo, no Vivo Rio.

“Os dias que passei aí foram excitantes, mas não tive tempo para conhecer a Bahia, o que quero muito fazer desta vez. Sinto que essa será uma experiência que vai enriquecer minha vida”, diz a cantora à Folha, por telefone, de sua casa em Jackson (no Mississipi, sul dos EUA), onde nasceu.

Quem acompanha a carreira de Cassandra desde os anos 80, quando seu vozeirão expressivo despontou no M-Base (coletivo de vanguarda de jazzistas radicados em Nova York), sabe que em seus últimos discos ela tem demonstrado uma ligação mais íntima com o blues. Isso fica evidente em suas releituras de clássicos de Robert Johnson e Muddy Waters.

“Tudo parece levar a que eu me aproxime mais do blues, este que foi um dos componentes primários do jazz. Como o blues é uma música bastante emocional, quanto mais eu amadureço, melhor entendo como essa emoção pode ser poderosa”, comenta.
A intimidade com o blues e outras vertentes musicais do sul dos EUA também transparece na banda que a acompanha. Seu quinteto, que inclui Marvin Sewell (guitarra) e Lekan Babalola (percussão), destaca três dos melhores músicos da atual cena do jazz em Nova Orleans: o baterista Herlin Riley, o baixista Reginald Veal e o pianista Jonathan Battiste.

Afinidade

“Sou muito próxima de Nova Orleans, em termos culturais, porque Jackson fica apenas duas horas ao norte”, afirma a cantora. “A comida, que é algo importante, o clima ou mesmo o dialeto dessas cidades são muito próximos. A geografia permite essa afinidade.” Mas essa é só uma faceta do eclético repertório de Cassandra, que em “Loverly” (Blue Note), seu mais recente CD, recria standards do jazz, como a exótica “Caravan” (Duke Ellington) e a romântica “The Very Thought of You” (Ray Noble). Ou até um clássico da bossa nova, como “Black Orpheus” (versão de “Manhã de Carnaval”, de Luiz Bonfá).

+ sobre o tema

Usain Bolt posta foto ao lado da namorada com mensagem de amor

Após passar por uma "saia justa" nos Jogos Olímpicos...

Câmara do Rio institui 24 de junho como Dia do Jongo

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro aprovou o...

Viúva de Abdias Nascimento quer programa de incentivo ao ativismo

Na data em que se comemora o centenário de...

Sul-africana Nkosazana Dlamini-Zuma eleita presidente da CUA

A ministra sul-africana do Interior, Nkosazana Dlamini-Zuma, foi...

para lembrar

Kim Kardashian mostra pela primeira vez o rosto do filho Saint

Finalmente o mundo conheceu o rostinho de Saint Kardashian...

Lázaro Ramos recebe vacina contra covid-19 e comemora: ‘Me sinto abençoado’

Lázaro Ramos é o mais novo integrante do time...

Ilê Omolu Oxum irá lançar podcasts sobre “Memórias e Saberes” do candomblé

    Ilê Omolu Oxum Projeto Memórias e Saberes  Lançamento: 19 de maio...
spot_imgspot_img

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem imagina que aquela praça, onde ironicamente hoje se encontra o Fórum Ruy Barbosa, foi palco...

Iza anuncia que terá uma menina e o nome será Nala

O primeiro bebê de Iza e Yuri Lima já teve o sexo revelado: será uma menina. A cantora contou a novidade aos fãs na noite desta segunda-feira (13),...

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...
-+=