Chacina por vingança

Onde estão as câmeras que mostrarão a tortura a céu aberto?

O governador está nu, e por baixo dele há sangue. Tarcísio, o político vendido como um bolsonarista moderado (um oxímoro), desmoderou o que nunca foi comedimento: por baixo da roupagem de um político que sabe, ao contrário de Bolsonaro, aparentar seriedade quando lhe convém, resta a promoção explícita da violência, único produto que o seu partido, o do fuzil, sabe vender. O governador paulista quer vender uma ideia: inevitabilidade.

Quer que acreditemos que é inevitável que segurança pública signifique torturar, até a morte, o vendedor ambulante Felipe Vieira Nunes, 30. “Ouvimos tiros. Ele só gemia de dor e implorava por ajuda”, disse uma moradora de 28 anos. Quer que acreditemos que é inevitável que segurança pública signifique aterrorizar a população. “Ele [policial] disse que daria um tiro na minha cara na frente da minha filha”, declarou um morador de 34 anos. Não é.

Ato em repúdio as mortes na Baixada Santista na praça 14 Bis, em Guarujá – Danilo Verpa/Folhapress – Folhapress

De Tarcísio nada se espera, disso sabemos: o mandatário encontra-se “extremamente satisfeito” com a chacina em Guarujá (SP), que já representa metade de todos os mortos pela PM de São Paulo neste primeiro semestre de 2023. Resta saber se o Judiciário paulista e os órgãos de controle da polícia externos (Ministério Público) e internos (corregedoria) deixarão o sangue correr impune. A regra no país sempre é que a polícia executa, o governador aplaude e o Judiciário se cala.

Tarcísio quer que acreditemos que é inevitável usar policiais num ciclo de chacina por vingança, onde nem os policiais, nem a população ganham. O único que ganha é o próprio governador que, como mestre de marionetes, faz do espetáculo do medo o seu palco para a projeção nacional. Não é o único. A barbárie policial é democrática: os governos bolsonaristas e petistas de Rio e Bahia concentram, hoje, 43% das mortes da polícia no país. Com as câmeras corporais, São Paulo reduziu a letalidade, mas Tarcísio parece disposto a aumentá-la: onde estão as câmeras dos policiais de Guarujá que mostrarão a tortura a céu aberto?

+ sobre o tema

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

Conversas sobre o luto: quando uma mãe preta retorna ao mundo das encantadas

O encantamento é uma das principais heranças deixadas por...

E assim vamos nós, lutando pela existência de nossas gerações

Vamos que vamos! Frase muito usada por quem sonha...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção...

para lembrar

Bahia tem 5 das 10 cidades mais violentas do país

Dados do Mapa da Violência 2014 revelam que a...

O assassinato do trabalhador Carlos Braga: uma polícia sem autoridade

Por Tomaz Amorim Izabel do blog de Douglas Belchior Isaías de...

Jovens de favelas de São Paulo são treinados para gravar vídeos de abusos policiais

Do encontro com o prefeito Fernando Haddad (PT) às...
spot_imgspot_img

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Após vítima de agressão ser detida, motoboys fazem ato contra o racismo no RS

Após um homem negro ser ferido com uma faca e preso por policiais, o Sindicato dos Motoboys de Porto Alegre, no Rio Grande do...

Abordagem a homem negro no RS: o que se sabe sobre motoboy preso após ser ferido com faca, em Porto Alegre

Uma abordagem policial acabou com um homem negro detido, neste sábado, após denunciar ter sido ferido com faca por um idoso de pele branca, em...
-+=