Conceição Evaristo é eleita a nova imortal da Academia Mineira de Letras

Aos 77 anos, escritora belo-horizontina passará a ocupar a cadeira 40 da AML, que pertencia a Maria José de Queiroz

A escritora Conceição Evaristo, 77, foi eleita nesta quinta (15) membro da Academia Mineira de Letras, na cadeira número 40, já ocupada por Afonso Pena Júnior e por Maria José de Queiroz, morta em novembro de 2023.

Evaristo recebeu 30 votos, entre 34 possíveis, em disputa que envolveu outros cinco candidatos. A cadeira da escritora tem com patrono Visconde de Caeté.

“A chegada de Conceição Evaristo à Academia Mineira de Letras —a par do reconhecimento de sua trajetória como professora, romancista e poeta, com justiça celebrada no Brasil e no exterior— tem também o sentido de impregnar esta casa com suas qualidades e história de vida”, afirmou em nota o presidente da Academia Mineira de Letras, Jacyntho Lins Brandão.

Ficcionista e ensaísta, a escritora teve sua primeira publicação lançada em 1990 na série Cadernos Negros, antologia coordenada pelo grupo Quilombhoje, coletivo de escritores afro-brasileiros de São Paulo.

Suas primeiras obras individuais, “Ponciá Vicêncio” (2003) e “Becos da Memória” (2006) foram publicadas pela Mazza Edições; sendo seguidas por “Poemas da Recordação e Outros Movimentos” (2008) e “Insubmissas Lágrimas de Mulheres” (2011), ambos pela Editora Nandyala. As duas são editoras mineiras sediadas em BH.

Maria da Conceição Evaristo nasceu na favela do Pindura Saia, na região Centro-sul da capital mineira, em 29 de novembro de 1946.

As obras mais recentes são “Canção para Ninar Menino Grande” (Pallas) e “Macabéa: Flor de Mulungu” (Oficina Raquel).

Sua produção, que envolve poemas, contos, romances e ensaios, em grande parte está traduzida para o inglês, francês, árabe, espanhol, eslovaco e italiano.

Em 2015, a escritora recebeu o Prêmio Jabuti na categoria contos e crônicas pelo livro “Olhos D’água”. Em 2017, recebeu o Prêmio Cláudia na categoria Cultura; já em 2018, o Prêmio Revista Bravo na categoria Destaque, o Prêmio do Governo de Minas Gerais pelo conjunto de sua obra, o Prêmio Nicolás Guillén de Literatura pela Caribbean Philosophical Association e o Prêmio Mestre das Periferias pelo Instituto Maria e João Aleixo.

Em 2019, foi a grande homenageada do 61° Prêmio Jabuti como personalidade literária. Em 2023, foi agraciada com o Prêmio Juca Pato como Intelectual do Ano e laureada com o prêmio Elo no Festival Internacional das Artes de Língua Portuguesa.

+ sobre o tema

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante...

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

para lembrar

As Duas Cores de Machado de Assis

"Mulato, ele foi de fato, um grego da melhor...

Literatura negra não caiu na graça do mercado, diz autor de Cidade de Deus

Em entrevista ao G1, Paulo Lins falou sobre samba,...

Em debate na Flica, Livia Natália diz: ‘Eu digo como quero ser representada’

Poeta baiana participou de mesa ao lado de Sapphire,...

Tradição exemplar: Negroesia, de Cuti

Por Jônatas Conceição da Silva1 Acredito que...
spot_imgspot_img

Morre Maryse Condé, grande voz negra da literatura francófona, aos 90 anos

Grande voz da literatura francófona, a escritora de Guadalupe Maryse Condé morreu na madrugada desta terça-feira (2), segundo informou à AFP seu marido, Richard Philcox. A causa...

USP libera mais de 900 livros para baixar de graça; faça o download

A grana está curta para comprar livros? Temo uma excelente notícia! A Universidade de São Paulo (USP) disponibiliza uma biblioteca virtual com mais de 900 livros...

Bonaventure Ndikung será o curador da Bienal de São Paulo de 2025

Camaronês radicado em Berlim, Bonaventure Soh Bejeng Ndikung foi anunciado nesta terça-feira (2) como o curador da Bienal de São Paulo de 2025. Diretor e curador geral da...
-+=