Conheça as bandeiras LGBTQIA+ e saiba seus significados

Enviado por / FonteCNN, por Gabriel Ferneda

27ª Parada do Orgulho LGBT+ acontece neste domingo (11), na Avenida Paulista, em São Paulo

A cidade de São Paulo receberá a 27ª Parada do Orgulho LGBT+ neste domingo (11), que será realizada na Avenida Paulista. A concentração para o evento começa às 10h.

Com o passar dos anos, o termo LGBT (que engloba Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgênero) foi ganhando variantes para incluir outras formas de representação de orientação sexual e identidade de gênero.

Com tantas letras, o entendimento da sigla pode ser difícil para quem não tem familiaridade com o tema. “Quanto mais complexo a sigla, ela menos vai ser compreendida por um público maior”, disse a professora Evorah Cardoso, da ONG VoteLGBT+. Além das letras, cada grupo dentro da comunidade possui uma bandeira que o representa.

O ativista Toni Reis, membro do Fórum Nacional de Educação e da Aliança Nacional LGBTI+, acrescenta que, apesar da importância dessa representatividade, a melhor saída não é apenas classificar grupos, uma vez que pode colocar essas categorias em “aquários”, ao invés do “oceano”.

“Tem uma frase que diz que a sexualidade é um oceano. Nessas palavrinhas, você acaba colocando as pessoas em aquários. Eu preciso que a gente quebre os aquários.”

CNN conversou com especialistas e separou uma lista com as principais bandeiras do movimento LGBTQIA+, assim como seus significados.

Bandeira do Orgulho LGBTI+

Bandeira do Orgulho LGBTI+
Bandeira do Orgulho LGBTI+ / Aliança LGBTI+

A tradicional e mais conhecida bandeira do movimento LGBTQIA+, é representada com seis faixas horizontais, cada uma de uma cor, formando um arco-íris. Cada uma dessas cores possui um significado próprio.

O vermelho representa a vida; o laranja, a saúde; o amarelo, o sol; o verde, a natureza; o azul, a arte; e o roxo, o espírito.

A bandeira foi criada em 1978 por Gilbert Baker e usada pela primeira vez na Gay and Lesbian Freedom Day March.

Bandeira do Orgulho Lésbico

Bandeira Lésbica
Bandeira do Orgulho Lésbico / Reprodução

A bandeira do Orgulho Lésbico foi criada contendo sete tons diferentes de rosa, com cada um expressando um significado diferente.

A bandeira traz a ideia de feminilidade, amor, paz, serenidade, comunidade e independência.

Bandeira do Orgulho Bissexual

Bandeira do Orgulho Bissexual
Bandeira do Orgulho Bissexual / Aliança LGBTI+

A bandeira do Orgulho Bissexual foi criada por Michael Page em 1998.

A explicação das cores traz a ideia de transição e mistura, com a faixa roxa intermediando o rosa e o azul.

“A chave para compreender o simbolismo da bandeira do orgulho bi é saber que a faixa roxa cria uma transição suave entre as faixas rosa e azul, assim como no ‘mundo real’ os bissexuais se misturam suavemente tanto com as comunidades gays e lésbicas como com as comunidades heterossexuais”, disse Page.

Bandeira do Orgulho Intersexo

Bandeira do Orgulho intersexo
Bandeira do Orgulho intersexo / Aliança LGBTI+

Um pouco mais recente, a bandeira do Orgulho Intersexo foi criada pela Organização Internacional Intersexo, na Austrália, em 2013.

Pessoas intersexuais nascem com características sexuais — incluindo genitais, padrões cromossômicos e glândulas, como testículos e ovários — que não se encaixam nas noções binárias típicas de corpos masculinos ou femininos. A bandeira foi feita com um círculo roxo ao centro e um fundo amarelo.

Segundo a organização, “o círculo não tem quebras ou ornamentos, representando a inteireza, a completude e nossas potencialidades. Nós ainda lutamos por autonomia corporal e integridade genital, e isso simboliza o direito de sermos quem e como nós quisermos”.

Bandeira do Orgulho Pansexual

Bandeira do Orgulho Pansexual
Bandeira do Orgulho Pansexual / Aliança LGBTI+

Pansexual é a pessoa que sente atração por outras, independentemente do sexo, não se limitando a masculino e feminino, ou a uma orientação específica.

A bandeira possui uma faixa azul, que representa a atração por homens, uma faixa rosa, que representa a atração por mulheres, e uma amarela, que representa a atração por pessoas que se identificam como sem gênero, de ambos os gêneros ou de um terceiro gênero.

Bandeira da Polissexualidade

Bandeira Polissexual
Bandeira Polissexual / Reprodução

A polissexualidade é uma identificação de quem sente atração sexual por mais de um gênero, mas não por todos.

A terminologia se difere da panssexualidade uma vez que “poli” quer dizer muitos, e “pan” significa todos.

A bandeira possui três faixas, uma rosa, que representa quem se identifica como mulher; uma verde, que representa atração por vários gêneros; e uma azul, que representa pessoas que se identificam com o masculino.

Bandeira do Poliamor

Bandeira Poliamor
Bandeira do Poliamor / Reprodução

A bandeira do Poliamor foi desenhada em 1995, por Jim Evans, e é representada com uma faixa azul, uma vermelha e uma preta.

O azul representa a abertura e honestidade entre todos as pessoas parceiras; o vermelho representa a paixão; e o preto representa solidariedade com quem esconde seus relacionamentos devido a pressões sociais.

Poliamor representa várias formas de relacionamentos, sexuais ou não, não-monogâmicos.

Bandeira de Gênero Não-Binário

Bandeira Não Binário
Bandeira Não-Binário / Reprodução

Pessoas não-binárias possuem identidade de gênero que flui entre os gêneros masculino e feminino.

A faixa amarela na bandeira está fora do conceito binário de gênero; o branco são pessoas de muitos gêneros; o roxo é a fluidez e multiplicidade das experiências de gênero, enquanto o preto representa o agênero.

Essa bandeira foi criada por Kye Rowan, em 2014.

Bandeira do Orgulho Arromântico

Bandeira do Orgulho Arromântico
Bandeira do Orgulho Arromântico / Aliança LGBTI+

A primeira Bandeira do Orgulho Arromântico foi criada em 2011, com a atual versão datada de 2014. A pessoa arromântica é aquela que sente pouca ou nenhuma atração romântica por outros indivíduos.

A bandeira arromântica é composta por cinco faixas: duas faixas verdes, uma faixa branca, uma faixa cinza e uma faixa preta.

As duas faixas verdes significam o espectro arromântico, a faixa branca significa o amor platônico e relacionamentos, a faixa cinza representa todos os espectros da sexualidade humana, enquanto a faixa preta representa a aromaticidade estrita.

Bandeira do Orgulho das Pessoas Trans

Bandeira do Orgulho das Pessoas Trans
Bandeira do Orgulho das Pessoas Trans / Aliança LGBTI+

A bandeira do Orgulho das Pessoas Trans foi criada em 1999 por Monica Helm.

As duas faixas azuis nas extremidades representam os homens trans, enquanto as faixas em rosa-claro simbolizam as mulheres trans.

Já a faixa branca no centro da bandeira representa o intersexo, pessoas em transição, gênero neutro ou sem gênero definido.

Bandeira da Demisexualidade

Bandeira Demisexual
Bandeira Demisexual / Reprodução

Pessoas demisexuais são aquelas que necessitam de uma conexão mais profunda com quem vão se relacionar, buscando um vínculo emocional para sentir atração.

O triângulo preto representa a assexualidade; a listra branca representa a sexualidade na bandeira demisual e “parceiros não assexuais e aliados”; o roxo representa o conceito de comunidade; e o cinza, a demisexualidade.

Bandeira do Orgulho Genderqueer

Bandeira do Orgulho Genderqueer
Bandeira do Orgulho Genderqueer / Aliança LGBTI+

A bandeira do Orgulho Genderqueer foi criada em 2010 por Marilyn Roxie, e consolidada dois anos depois. Genderqueer é um termo em inglês para pessoas que não se enquadram somente ao gênero masculino ou feminino, podendo expressar características de um ou nenhum delas.

Possui três faixas: a primeira, na cor lavanda, representa a androginia (termo utilizado para designar pessoas com traços físicos tanto masculinos, quanto femininos).

A faixa branca representa a neutralidade de gênero e a verde, as identidades para além do sistema binário.

Bandeira do Orgulho Assexual

Bandeira do Orgulho Assexual
Bandeira do Orgulho Assexual / Aliança LGBTI+

A bandeira do Orgulho Assexual foi criada em 2010 pela Asexual Visibility and Education Network (Aven).

Assexual é a pessoa que não possui atração sexual por outras pessoas, independentemente do gênero.

Das quatro faixas horizontais, a preta representa a assexualidade; a cinza simboliza a área entre ser sexual e assexual; a branca representa o
desejo sexual; e a faixa roxa representa a comunidade.

Bandeira da Ageneridade

Bandeira Agênero
Bandeira da Ageneridade/ Reprodução

Agênero, basicamente, é aquela pessoa que não se identifica com nenhum gênero, ficando, assim, no guarda-chuva não binário.

A bandeira contém faixas horizontais em preto, branco e verde, sendo que o preto e o branco simbolizam a ausência de gênero e o verde os gêneros não-binários.

Bandeira Urso

Bandeira Urso
Bandeira Urso / Reprodução

A bandeira da comunidade Urso foi criada por Craig Byrnes, em 1995.

Pode ser caracterizada como uma subcultura da comunidade gay, que engloba uma tendência de pessoas que mantém pelos corporais e faciais.

Em geral, essa comunidade conta com a forte presença de homens gays ou bissexuais.

+ sobre o tema

As diásporas da b¡cha preta

A descoberta da sexualidade pelos homens negros, e aqui...

ONG conclui primeira edição de programa de capacitação a jovens LGBTs+

Embaixadorxs capacitou em empreendedorismo social e liderança 26 jovens...

Jovens indígenas incluem pauta LGBT no debate

Juventude discute a questão LGBT e pretende levar o...

Argentina tem primeira condenação por crime de ódio contra transexual

Gabriel David Marino foi condenado à prisão perpétua por...

para lembrar

Sônia Nascimento – Vice Presidenta

[email protected] Sônia Nascimento é advogada, fundadora, de Geledés- Instituto da...

Suelaine Carneiro – Coordenadora de Educação e Pesquisa

Suelaine Carneiro [email protected] A área de Educação e Pesquisa de Geledés...

Sueli Carneiro – Coordenadora de Difusão e Gestão da Memória Institucional

Sueli Carneiro - Coordenação Executiva [email protected] Filósofa, doutora em Educação pela Universidade...
spot_imgspot_img

Geledés e Alana lançam pesquisa sobre municípios que colocam a Lei 10.639/03 em prática

Em Diadema (SP), após um ano de implementação da Lei 10.639/03, que há 20 anos alterou a LDB e instituiu a obrigatoriedade do ensino da história e...

Superior Tribunal Militar julga recurso de condenados pela morte do músico Evaldo Rosa e do catador de latinhas Luciano Macedo, no RJ

O Superior Tribunal Militar (STM), em Brasília, julga nesta nesta quinta-feira (29) um recurso contra a condenação de oito militares do Exército pelas mortes do músico Evaldo Rosa e do...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria racial e ter sido esganado por uma mulher após discutir com o genro dela, em São...
-+=