Conheça Juliano Moreira, médico negro que fundou psiquiatria no Brasil

Nascido em Salvador em 1873, Juliano Moreira foi um dos primeiros médicos negros formados no Brasil e, frequentemente, é citado como um dos fundadores da psiquiatria no país.

Entre os feitos do médico baiano, estão a humanização do tratamento de pacientes com transtornos mentais e o enfrentamento do racismo científico, uma vertente argumentativa que atribuía problemas de saúde às misturas étnicas.

Juliano contribuiu para a abolição do uso de camisas de força e de grades nas janelas dos hospitais de internação. Também trabalhou para a aprovação de uma legislação federal que garantisse assistência médica e legal aos doentes psiquiátricos.

Filho de empregada doméstica negra com funcionário público português, ele só teve sua filiação paterna reconhecida após o falecimento de sua mãe. Para se formar, contou com a ajuda do patrão de sua genitora, o barão de Itapuã.

Aos 13 anos, Juliano ingressou na Faculdade de Medicina da Bahia, ainda dois anos antes da abolição da escravatura no Brasil.

Mais tarde, já formado como médico, foi um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Psiquiatria, Neurologia e Medicina Legal e da Academia Brasileira de Ciências (ABC), na qual, como vice-presidente, teve a responsabilidade de receber o físico Albert Einstein em visita ao país, em 1925. Em seguida, presidiu a entidade.

O médico baiano também foi um dos primeiros a aplicar os conceitos da psicanálise, criada por Sigmund Freud, e da genética psiquiátrica moderna, desenvolvida por Emil Kraepelin, no tratamento dos pacientes.

“Juliano Moreira foi um nome extremamente importante na história da psiquiatria no Brasil. Um memorável humanista”, destaca o psiquiatra Paulo Mattos, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Segundo o físico Luiz Davidovich, atual presidente da ABC, é inegável a contribuição do baiano Juliano Moreira para a ciência nacional. “Ele teve grande atuação nos meios científicos internacionais, realizando grandes esforços para fortalecer a imagem da ciência brasileira no exterior. Foi realmente um grande líder da psiquiatria e da ciência brasileira”, afirmou.

Para tornar a história do médico mais conhecida, a ABC e o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) lançaram uma animação especial. Veja o vídeo produzido sobre a vida do médico baiano:

+ sobre o tema

Estudo indica que DSTs atingem mais os homens negros no Brasil

Fonte: Diário de Pernambuco - O total de homens negros...

Dennis de Oliveira: O plebiscito, os médicos e a contradição entre Casa Grande e Senzala

A presidenta Dilma Rousseff buscou retomar a iniciativa política...

Promotoras Legais Populares do Geledés recebem netos de Nelson Mandela em atividade de prevenção a AIDS

   Por: Nilza Iraci Fotos: Renato Oliveira As Promotoras Legais Populares do...

Irmãos albinos relembram momentos ao lado de fotógrafo Alexandre Severo

Amanda Miranda Kauan, hoje aos 10 anos, não se esquece...

para lembrar

Carta aberta aos negros e negras que lutam pelo fim da escravidão do pensamento

Não nos contaram nos bancos escolares, nem nas cadeiras...

Não seja tão dura com você! Um texto de amor em tempos tão difíceis

Nós não estamos vivendo tempos fáceis e normais e,...

Aumento do número de suicídios entre população trans preocupa ativistas

No primeiro semestre de 2019, foram registrados 12 suicídios...
spot_imgspot_img

Golpes financeiros digitais deixam consequências psicológicas nas vítimas

Cair na conversa de um estelionatário e perder uma quantia em dinheiro pode gerar consequências graves, não só para o bolso, mas para o...

Regina King faz desabafo sobre morte do filho: “A ausência física é tão grande”

Regina King tem lidado com as coisas “minuto a minuto” após a morte de seu filho. A atriz de 53 anos perdeu Ian Alexander Jr., de...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por ano no Brasil entre 2011 a 2022, enquanto as taxas de notificações por autolesões na...
-+=