Corpo, cor e alteridade

Algumas palavras ao leitor

O presente texto é parte da tese intitulada “Entre o corpo da obra e o corpo do observador”, trabalho realizado no Instituto de Artes da Unesp de São Paulo entre 2011 e 2015. Essa menção é necessária porque em alguns momentos faço referências a capítulos ou passagens anteriores da tese.

O texto permanece independente, mas se houver interesse por parte do leitor em conferir essas menções, a bibliografia de referência, bem como o conteúdo integral, basta acessar o seguinte endereço:

http://www.ia.unesp.br/Home/Pos-graduacao/Stricto-Artes/tese—ricardo-coelho.pdf

De maneira sucinta pode-se dizer que o leitor irá se deparar com análises de aspectos relativos a um grupo de representações, as quais resultam do olhar que se lança sobre o Outro, em particular sobre o corpo do Homem Negro: Como é elaborada essa imagem ao longo do tempo? Em que medida nossa origem colonial baseada na mão de obra escrava interferiu e interfere nos modos desse olhar e quais as consequências que se desprendem disso no presente? Como o artista contemporâneo, em especial, o artista Negro e brasileiro atua nesse cenário construindo a imagem de si mesmo? Por fim, algumas reflexões em torno do conceito de alteridade a partir de uma experiência na cidade catalã de Barcelona, encerrando nossas especulações com a leitura de imagens que expõem nossos limites culturais no reconhecimento das diferenças.

Em relação ao “Geledés – Instituto da Mulher Negra”, eu gostaria de agradecer imensamente essa abertura de espaço para parte de minhas reflexões, às quais, muito provavelmente, ficariam restritas ao âmbito acadêmico. Estou ciente de minhas imensas limitações, porém, espero ter apontado alguns aspectos da mais perversa violência, ou seja, aquela que se naturaliza em meio aos nossos hábitos cotidianos.

Leia o PDF Completo:

Corpo, cor e alteridade

 

 

 

+ sobre o tema

Negritude velada: As irmandades de negros de Sorocaba

Um fato que salta aos olhos, de imediato, ao...

Estudar não é para filho(a) de pobre, não!

Inicio esse texto como uma das frases mais marcantes,...

Sobre a prostituição de mulheres negras no Pós-Abolição

Em 7 de fevereiro de 1896, com o título...

Psicóloga Negra à Flor da Pele

Eu, mulher negra, professora universitária, coordenadora da Comissão de...

para lembrar

10 Filmes para conhecer o Cinema Africano

O cinema autêntico africano é bastante tardio quando tomamos...

O futuro se avizinha: a memória ancestral do povo brasileiro

Estamos imersos num caos social, econômico, ambiental, sanitário, político......

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no...

Sobre ser a Maior Poesia

Nossa maior poesia é saber onde nossas raízes estão...

Vitória’s e Carol’s

Quando eu nasci não tinha muito ideia de como definir um tipo de cabelo. O que era crespo, liso, loiro, cacheado, preto, castanho, ruivo,...

132 anos da Abolição da Escravatura: Estamos livres?

No dia 13 de maio de 2020 a Abolição da Escravatura completa 132 anos, uma data histórica para o Brasil e principalmente para a...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...
-+=