Daúde

Maria Waldelurdes Costa de Santana Dutilleux (Salvador, 23 de setembro de 1961), artisticamente conhecida comoDaúde, é uma cantora brasileira.

Até os 11 anos de idade Daúde residiu em Salvador, quando então mudou para o Rio de Janeiro com os pais e os três irmãos mais novos. Aos 18 anos começou a estudar canto no Instituto Villa-Lobos e teatro na Escola Martins Pena. Formou-se, mais tarde em Letras (português e literatura), pela Universidade Santa Úrsula do Rio de Janeiro.

A música brasileira tem conseguido projetar para o mundo uma imagem expressiva, vibrante e alegre. Através da nossa herança afro-musical, ela colabora para que o brasileiro assuma sem reservas sua identidade negra e mestiça.

Do samba ao funk, do jongo ao jungle, do maracatu baião e carnaval, a música brasileira é diferenciada, e legitima nossa origem africana, transpondo a barreira do preconceito, promovendo naturalmente a democracia racial.

A música de Daúde também se expressa assim. 

Tradição, modernidade, espontaneidade e sofisticação têm sido a linha mestra da trajetória de Daúde, somando a herança musical afro-brasileira com uma coerente coleção de referências do mundo pop. Com 10 anos de carreira, três discos inéditos bem sucedidos, Daúde tem tido reconhecimento nacional e internacional, por levar ao público uma sonoridade brasileira que passeia por um mix de gêneros – do samba ao rap, do jongo à MPB – e por sua forte e sensual presença de palco, em shows dançantes que chegam às raias do teatral. 

Daúde nasceu no Candeal, Salvador, e mudou para o Rio de Janeiro aos 11 anos de idade onde vive. Estudou canto com o barítono Paulo Fortes na Escola de Música Villa-Lobos, Artes Cênicas na Escola Martins Pena. Formou-se em Letras, Português, Literatura, e é pós-graduada em História Africana. 

Começou sua carreira musical cantando em peças teatrais e casas noturnas, quando apareceu o convite para gravar seu primeiro CD “Daúde” em 1995, com o qual conquistou a crítica especializada, ganhando os prêmios Sharp de Música, APCA (Associação dos Críticos de Arte de São Paulo), e dos leitores do Jornal do Brasil. 

Dois anos depois, lançou “Daúde #2”, produzido por Celso Fonseca e o produtor Inglês Will Mowat. Em 1999, lançou “Simbora”, um CD de remix onde a artista reuniu músicas de seus primeiros álbuns, tendo como objetivo vincular as novas interpretações ao prazer de dançar. A sonoridade deste CD funde definitivamente a música de Daúde, a MPB e os recursos usados na música eletrônica, afirmando a importância de produtores musicais e DJs como artistas criativos e necessários nesta atual cena musical. 

Daúde foi a primeira brasileira a ser contratada pelo selo “REAL WORLD” pertencente a Peter Gabriel. Seu último álbum “Neguinha te Amo” de 2003, homenageou as mulheres e colaborou para que o público internacional tivesse outra visão da música brasileira, transcendendo clichês estabelecidos ou estereótipos tropicais. 

+ sobre o tema

Sede de antiga colônia nazista será demolida

Prédios de tijolos com suástica de antiga colônia nazista...

IV Encontro de cinema Negro Africa Brasil Caribe

    Programação08 DE NOVEMBRO CINE ODEON BR...

Ser negro en la ciudad de la furia

Nació en Buenos Aires, hijo de uruguayos. Defiende la...

Tribunal não vê racismo em ofensas e revolta judeus na Argentina

  Um tribunal de Buenos Aires gerou revolta...

para lembrar

Breivik é declarado são e pega 21 anos por massacre na Noruega

O tribunal de Oslo condenou nesta sexta-feira o...

Aleksandr Pushkin

Aleksandr Sergéyevich Pushkin (ruso: Александр Сергеевич Пушкин; Moscú, 26...

Literatura Angolana: Literatura e Poder Político

por Roderick Nehone Teríamos encontrado dificuldades metodológicas acrescidas para a...

Conselho Nacional do Esporte decide que capoeira é esporte

Chegou ao fim uma discussão que perdurava há tempos:...
spot_imgspot_img

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...
-+=