Desigualdade de gênero e raça vai muito além de questão identitária, diz Marcelo Medeiros

Pesquisador afirma que discriminação de mulheres e negros no mercado de trabalho é pilar da concentração de renda do país

Marcelo Medeiros, professor visitante na Universidade Columbia, em Nova York, defende que toda política deve ser uma política de combate à desigualdade.

Em “Os Ricos e os Pobres” (Companhia das Letras), o pesquisador expõe alguns contornos da gigantesca concentração de renda do Brasil: os 5% mais ricos da população se apropriam de metade do crescimento econômico do país, enquanto as pessoas entre os 50% mais pobres vivem com menos de R$ 30 por dia.

Medeiros calcula que uma mãe que vivia abaixo da linha da pobreza usada pelo Bolsa Família precisaria, por exemplo, passar cinco dias sem comer se precisasse comprar duas doses de antibiótico para um filho.

No livro, o economista e sociólogo também aponta que os 80% mais pobres da população brasileira compõem um universo relativamente igualitário, enquanto o grupo dos mais ricos é muito heterogêneo, com grandes variações de renda.

Neste episódio, Medeiros diz que não existe panaceia para reduzir os níveis de desigualdade no Brasil. Em sua avaliação, esse processo, de longo prazo, requer uma mobilização política de envergadura e vai esbarrar em resistências de grupos organizados. Para o pesquisador, reformas de envergadura na educação pública e na tributação são medidas necessárias, mas não serão suficientes.

Medeiros também discute a sobreposição de desigualdades de gênero, raça e renda no Brasil e afirma que tratar a discriminação de negros e mulheres no mercado de trabalho a partir da noção de política identitária é uma bobagem.

As pessoas têm que entender que desigualdades raciais são dos pilares da desigualdade de classe. Não existe uma oposição entre essas duas coisas. Na verdade, reduzir a desigualdade de renda como um todo exige tocar nesses assuntos. Assim como as pessoas têm que entender, por exemplo, que a discussão sobre aborto não é uma discussão sobre pauta de costumes. Aborto é controle da vida reprodutiva das mulheres e, portanto, controle do seu acesso ao mercado, se elas vão querer sair do mercado de trabalho por causa de filhos. É muito menos pauta de costumes, é muito menos discussão de identidade e é muito mais discussão dos pilares fundamentais. Quem diz que isso é uma cortina de fumaça, na verdade, está enevoado, não está vendo nada. Está olhando para a cortina de fumaça e está perdido

Marcelo Medeiros
Professor visitante na Universidade Columbia

+ sobre o tema

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

Grupos de periferia se articulam em São Paulo para defender democracia e Dilma

Após violência contra militantes de esquerda em manifestações, Cooperifa...

Vox/Band/iG: Dilma cai de 56% para 54%

Candidata petista varia para baixo pela primeira vez dentro...

para lembrar

No Marrocos, países reconhecem que precisam avançar em direitos humanos

Karine Melo O delegado interministerial para os Direitos Humanos no...

Raça influencia remuneração

O salário de uma mulher negra no Brasil é,...

Sem desigualdade de gênero, mundo poderia ter PIB ao menos 20% maior, diz Banco Mundial

O Produto Interno Bruto (PIB) global poderia aumentar em...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz um levantamento da cobertura vegetal na maior metrópole do Brasil e revela os contrastes entre...

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Quase metade das crianças até 5 anos vivia na pobreza em 2022, diz IBGE

Quase metade das crianças de zero a cinco anos vivia em situação de pobreza no Brasil em 2022, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo IBGE (Instituto Brasileiro...
-+=