DIRETOR DO ALBERT EINSTEIN DEFENDE MAIS MÉDICOS

 

 

O presidente de um dos mais conceituados hospitais do país, o Hospital Israelita Albert Einstein, Claudio Lottenberg, elogia o Programa Mais Médicos, embora reconheça que a iniciativa não é a solução definitiva para os problemas do sistema de saúde; em entrevista a IstoÉ, ele afirma que a presença destes profissionais nos rincões do país é de extrema importância para a população que vive distante dos grandes centros; sobre a reação negativa contra a iniciativa, Lottenberg é claro: “Não se pode lidar com um problema dessa magnitude na base do contra ou do a favor. É uma questão de saúde pública”.

Indo na direção contrária da maioria da classe médica, o presidente de um dos mais conceituados hospitais do país, o Hospital Israelita Albert Einstein, Claudio Lottenberg, elogia o Programa Mais Médicos, do Governo Federal, embora reconheça que a iniciativa não é a solução para os graves problemas do sistema de saúde. Em entrevista a revista IstoÉ, Lottenberg afirma que o programa supre uma série de carências hoje existentes e que a presença destes profissionais será de extrema importância para a saúde da população que vive distante dos grandes centros.

Para Lottenberg, a presença de médicos nos rincões mais distantes servirá para dar assistência a pessoas que nem sequer sabem que possuem doenças como pressão alta e diabetes. Sobre a reação negativa contra a iniciativa do Governo Federal, Lottenberg questiona a própria classe médica: “Não se pode lidar com um problema dessa magnitude na base do contra ou do a favor. É uma questão de saúde pública que tem inúmeros desdobramentos sociais”. 

Veja abaixo os principais trechos da entrevista em que Claudio Lottenberg fala sobre o Programa Mais Médicos.

O que acha do programa Mais Médicos?

É um programa que nasce como uma iniciativa de curto prazo, voltado para suprir carências. A presença dos médicos em localidades onde não havia ninguém para atender a população trará bons resultados. Eles irão dar assistência a pessoas que sofrem, sem saber, de males como pressão alta e diabetes. Isso não demanda alta tecnologia, mas um médico bem preparado. Outro acerto é o fato de a sociedade se mobilizar em torno do reconhecimento de que a falta de médicos e sua má distribuição são um problema. 

Como considera a reação negativa de boa parte dos médicos brasileiros? 

Questiono-me se nós médicos não temos sido excessivamente reativos ao programa. Os profissionais do Exterior não vão competir em São Paulo. Eles estarão no interior do País, como no Acre, Estado onde o governador Tião Viana disse não conseguir médicos intensivistas nem por R$ 25 mil. Não se pode lidar com um problema dessa magnitude na base do contra ou do a favor. É uma questão de saúde pública que tem inúmeros desdobramentos sociais.

 

 

Fonte:  Brasil  247

+ sobre o tema

Conselho Curador da EBC define lista de novos integrantes

Pela Articulação de ONGs de Mulheres Negras Brasileiras O Conselho...

Casaldáliga recusa homenagem em protesto contra Janete Riva

Com trajetória que o colocou contra os poderosos...

A voz dos que não têm voz

Secretário Geral da ONU deve apontar um Representante Especial...

Projeto de assistência psicológica a mulheres negras pede doações

A Associação de Mulheres de Ação e Reação (A.M.A.R)...

para lembrar

spot_imgspot_img

Câncer de pênis: Brasil é considerado o país com maior número de casos do mundo; veja os 6 sinais mais comuns da doença

O Brasil é considerado o país com maior incidência de câncer de pênis no mundo, em especial nas regiões Norte e Nordeste. Este tumor representa...

Geledés participa da 54ª Assembleia Geral da OEA

Com o tema “Integração e Segurança para o Desenvolvimento Sustentável da Região”, aconteceu entre os dias 26 a 28 de junho, em Assunção, Paraguai,...

Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos abre inscrições para sua 46ª edição

As inscrições para a 46ª edição do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos estão abertas de 20 de junho a 20...
-+=