Elaine Thompson-Herah, a mulher mais rápida do mundo

Jamaicana repete o ouro da Rio 2016 nos 100 metros rasos e supera suas compatriotas Fraser e Jackson, que completam um pódio 100% jamaicano. Velocista de 29 anos quebra o recorde olímpico de 33 anos

Toca ABBA no Estádio Olímpico de Tóquio, um grande teatro com as arquibancadas vazias. Ao som de Dancing Queen, dois corpulentos suecos ―gigantescos e com sua bandeira e suas camisetas amarelas― comemoram ostentando nos pescoços o ouro e a prata, conquistados no lançamento de disco pouco antes. São Daniel Stahl (68,90m) e Simon Petterson comemorando silenciosamente, em modo pandemia. Quando, de repente, o estádio se apaga e só brilham nas arquibancadas escuras os espaços das portas. Como um foguete, a bicampeã olímpica Shelly-Ann Fraser-Pryce, 32 anos, dispara deixando pra trás as concorrentes. É a prova dos 100 metros rasos ―uma das mais esperadas disputas, senão a mais esperada, das Olimpíadas. Mas atrás dela, como um tiro, vinha a também jamaicana Elaine Thompson-Herah, 29 anos, que a supera na reta final, conquistando não só o ouro, mas também quebrando por um centésimo de segundo o recorde olímpico, marcando 10,61s. Ao lado de Shericka Jackson, que chegou em terceiro, o trio completou um pódio 100% jamaicano nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Atual líder do ranking mundial na modalidade, Fraser é alcançada por sua compatriota Elaine Thompson e, com ela, lado a lado, metro por metro, mantém um duelo de respirações, passos, e olhares para frente e, com o rabo do olho, vigiando os menores gestos, e nos últimos 20 metros o duelo se resolve. É resolvido por Thompson e suas sapatilhas Maxfly de molas, sobre as que quica e avança mais rápido do que qualquer mulher na história com exceção de uma. E quando se aproxima do final, e já deixou Fraser para trás, e seu cabelo dourado como a medalha que a espera, e sua tiara de imperatriz, Thompson, de Kingston como seu herói, se sente Usain Bolt. E, como o deus da velocidade, aponta o cronômetro e o tempo que ele marca, 10,61s, e com um ligeiro vento contrário, uma brisa de 0,6 metros por segundo.

Fraser costuma dizer em entrevistas que é a mãe de Zyon, e que voltou da maternidade mais rápida, ainda mais veloz do que quando ganhou o ouro em Pequim, em 2008, e em Londres, em 2012, como seu amigo Usain Bolt, já há tantos anos. A velocista chega 13 centésimos depois (10,74s) da medalha de ouro, com apenas dois centésimos de margem sobre a terceira, a compatriota Shericka Jackson (10,76s), que também foi bronze nos 400m dos Jogos Olímpicos Rio 2016, e aqui se completa o pódio mais rápido da história. E fica de fora Marie Josee Ta Lou, da Costa do Marfim, que foi capaz de ser a mais rápida de todas nas eliminatórias e nas semifinais (10,78s nas duas) e na final não baixou de 10,91s.

+ sobre o tema

Empresa britânica quer dar folga para funcionárias que estão menstruadas

Uma empresa britânica pretende dar dias de folga para...

Sueli Carneiro – Coordenadora de Difusão e Gestão da Memória Institucional

Sueli Carneiro - Coordenação Executiva [email protected] Filósofa, doutora em Educação pela Universidade...

Você sabe qual é o método contraceptivo mais eficaz?

O implante hormonal contraceptivo de etonogestrel, conhecido como Implanon...

para lembrar

Homem joga ácido no rosto da ex-mulher por não aceitar fim de relação, em AL

Vítima foi socorrida após ácido provocar queimaduras de primeiro...

Primeira desembargadora negra do Tribunal de Justiça denuncia racismo

Ela foi elogiada pela presidente da instituição Por: Francisco Alves...

Boxe: ex-campeão mundial apoia ídolo que “se tornou mulher”

Pupilo de Frank Maloney, Lennox Lewis postou mensagem defendendo...

Liniker: “Sou bicha, sou preta, mas não sei se sou homem ou sou mulher”

Liniker teve seu nome inspirado em um jogador inglês,...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=