segunda-feira, agosto 15, 2022
InícioQuestões de GêneroViolência contra MulherMeninas no Ceará são mortas por decretos de facções nas redes sociais

Meninas no Ceará são mortas por decretos de facções nas redes sociais

O feminicídio atinge jovens do sexo feminino de 12 a 19 anos e o assassinato visa retirar os símbolos de feminilidade como os cabelos e os seios

Na Marie Claire

Meninas são mortas no Ceará por decretos feitos por facções criminosas no Facebook (Foto: Per-Anders Pettersson/Getty Images)

Um cenário brutal tem tomado conta das regiões periféricas de Fortaleza, capital do Ceará: jovens entre 12 e 19 anos têm sido mortas por decretos de facções criminosas que deixam o aviso em redes sociais como o Facebook. Na guerra pelo poder do tráfico, a medida é para executar “cabuetas”, como são chamados os delatores na gíria local.

De acordo com informações da Folha de São Paulo, as meninas recebem o nome de “decretadas” e “devem ser mortas após a determinação da facção criminosa”. A jovem Luiza, de 15 anos, por exemplo, foi acusada de ser informante da facção rival e levada arrastada de casa, torturada por horas e atingida com sete tiros.

A morte entre jovens do sexo feminino saltou de 2% para 14% nos últimos dois anos, sendo 114 meninas entre 10 e 19 anos assassinadas no estado em 2018, um aumento de 43% na comparação com o ano anterior, segundo os dados do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. Na capital, a situação é ainda mais alarmante: houve um aumento de 90% no número total de mortas.

Segundo a reportagem da Folha, as três principais facções que comandam o crime organizado no estado são a cearense GDE (Guardiões do Estado), a carioca CV (Comando Vermelho) e a paulista PCC (Primeiro Comando da Capital) e todos divulgam decretações nas redes sociais, principalmente no Facebook, por meio de perfis anônimos. As ameaças às garotas são mais frequentes e vem acompanhadas de xingamentos machistas.

Em algumas postagens existe também a forma como a garota deve ser morta, “sem massagem”, que com acréscimo de tortura. As jovens são estupradas, escalpeladas e têm seus seios cortados na hipervolência radical.

Algumas hipóteses levantadas pela polícia para o aumento no número de meninas mortas apontam para o envolvimento delas com garotos que integram grupos criminosos, a possibilidade de elas terem se tornado alvo de vinganças de facções e de estarem sendo cooptadas a assumir papéis dentro dos quadros dessas organizações.

Em resposta à reportagem, a assessoria de comunicação do Facebook disse que não tem conhecimento sobre as postagens de decretação e que removeu o conteúdo e as contas indicadas. Ainda segundo a empresa, tais posts violam as políticas de uso, que proíbem incitação à violência e organizações criminosas.

“Temos equipes dedicadas a segurança, e usamos uma combinação de denúncias da nossa comunidade, tecnologia e revisão humana para aplicar nossas políticas”, disse, em nota, o Facebook.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench