Em ano olímpico, Rebeca Andrade ganha homenagem da Barbie e quer inspirar outros sonhos

Ginasta brasileira se junta a outras mulheres famosas, como Iza e Viola Davis, em celebração aos 65 anos da boneca

Rebeca Andrade, 25, possui uma longa lista de conquistas. A ginasta é medalhista olímpica, vencedora de ouro e prata, bicampeã mundial, medalhas nos jogos Pan-Americanos e mais de dez medalhas em Copas do Mundo. Neste ano, ela alcançou mais mais um triunfo ao ser transformada em uma Barbie à sua semelhança. “Pode-se dizer que é um sonho inesperado”, diz ela, que vai para a sua terceira Olimpíada.

No 65º aniversário da boneca mais famosa do mundo, Rebeca foi escolhida para ser homenageada no projeto Mulheres Inspiradoras (Role Models, em inglês). A atleta conta que isso nunca havia passado por sua cabeça, apesar da admiração que sente pelo brinquedo. “Desde muita nova eu tinha o sonho de ter uma Barbie, e quando ganhei no Natal da minha tia, foi uma bailarina”, diz ela, que na época já era ginasta e sempre foi apaixonada por balé.

“Eu lembro que era a Barbie normal, com o cabelinho loiro, o rostinho, e ela tinha uma meia calça rosa”, afirma ela, que nasceu em Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo. Se antes a boneca não condizia com seus traços, agora a versão que a representa é negra, possui tranças, baby hair e veste um macacão azul.,

A iniciativa surge diante de uma tentativa nos últimos anos da Mattel de representar mulheres mais diversas e reais para se livrar dos estereótipos e padrões de beleza que as primeiras versões da boneca impunham. O tema foi abordado no filme “Barbie” (2023), de Gretta Gerwig, aclamado pela crítica e pelo público.

O modelo de Rebeca agora se junta ao de outras brasileiras que também foram transformadas em Barbie, como a influenciadora indígena Maira Gomez, a surfista Maya Gabeira, a médica Jaqueline Goes, a professora Doani Emanuela Bertan e a cantora Iza.

Outras esportistas ao redor do mundo também serão homenageadas. É o caso, por exemplo, da tenista Venus Williams, dos Estados Unidos, a futebolista Christine Sinclair, do Canadá, a nadadora Federica Pellegrini, da Itália, e a também ginasta Alexis Moreno, do México.

O programa Mulheres Inspiradoras faz parte do Barbie Brecha do Sonho, projeto lançado em 2017. Ele surgiu a partir de pesquisas feitas com a Universidade de Nova York que mostraram que, desde os cinco anos, muitas meninas começaram a desenvolver crenças autolimitantes e pensam que não são inteligentes e capazes como os meninos. Por isso as homenagens a artistas, esportistas, cientistas e grandes figuras femininas da atualidade.

Ginasta brasileira Rebeca Andrade é homenageada pela Barbie em projeto Mulheres Inspiradoras – Mattel

Para Andrade, essa homenagem surge como uma forma de quebrar essa barreira. “Acredito que seja mais uma forma de inspirar e fazer as pessoas continuarem acreditando nos sonhos delas”, diz.

A autoconfiança também é trabalhada a partir do projeto, o que Rebeca mostra ter adquirido com o tempo ao não se sentir pressionada, mesmo sendo uma das principais ginastas do Brasil.

“Eu trabalhei bastante por isso, corri muito atrás, passei por muitos momentos que, para mim, foram difíceis. Então levo tudo com muita alegria e muita leveza”, diz. “Eu estou crescendo, estou sendo inspiração, um espelho. Acho que era isso que eu queria desde sempre.”

+ sobre o tema

Cartilha ajuda mulheres a identificar sinais de perigo de violência doméstica

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania,...

Érica Malunguinho: “Trans têm mais a oferecer do que apenas pautas LGBTs”

Dois anos depois de dar a Érica Malunguinho (PSOL)...

O lento reconhecimento dos direitos LGBTQIA+ na América Latina

O avanço do reconhecimento dos direitos LGBTQIA+ na América Latina começou...

As escritoras negras que Taís Araújo lê

Nas brechas do trabalho, a estrela de capa de...

para lembrar

Jovens americanos usam tradicionais bailes de formatura para ‘sair do armário’

O fim do ano letivo americano se aproxima e,...

Nina Simone inspira luta anti-racismo no Brasil

O combate ao racismo é o exercício diário do...

Duas mulheres – duas abolições?

É fato notável a ascensão de mulheres, em muitos...

Na quarentena refletindo sobre nossa invisibilidade feminina

Recentemente ouvi de um amigo intelectual, a frase: “escrever...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=