Emicida lança ‘Amarelo’ em album ao vivo e em documentário

Enviado por / FonteFolha da Região

LANÇAMENTO Emicida apresenta as 20 faixas ao vivo que circundam o aclamado documentário “AmarElo”

“Eu humildemente acho que nós fizemos história nesse dia maravilhoso”, disse Emicida logo após apresentar a canção “Principía” no Theatro Municipal de São Paulo, na noite em que seu álbum AmarElo dominou um dos palcos mais célebres do país e foi apresentado a uma platéia pela primeira vez.

Em um evento raro para o edifício secular da Praça Ramos de Azevedo, o rapper paulistano reuniu uma platéia participativa e nomes como Mc Tha, Drik Barbosa, Majur, Pabllo Vittar e Jé Santiago para reforçar um compromisso de esperança, união e libertação por meio da música.

Na última quinta-feira (15), a experiência do álbum ganhador do Grammy Latino pôde ser entendida a cada acorde disponibilizado nas plataformas de streaming de áudio e no delicado registro audiovisual do concerto na Netflix.

Antes de entoar os versos “onde estiver, onde pisar, nóis sempre vai ser gueto”, Emicida dedicou a música a sua avó, de 80 anos, que estava pisando naquele prédio de arquitetura renascentista pela primeira em novembro de 2019, quando o show foi gravado. Sobre a importância dessa apresentação, o artista declarou em comunicado enviado à imprensa.

“Quando a gente coloca naquelas cadeiras do Theatro Municipal de São Paulo o pessoal do Movimento Negro Unificado, que em 1978 estava do lado de fora, protestando contra o racismo nas escadarias porque eles não podiam acessar aquele espaço, a gente está passando a seguinte mensagem: nós somos a continuidade daqueles homens e daquelas mulheres”, relatou o cantor.

DOCUMENTÁRIO

Com um show histórico e dedicado aos seus ancestrais, Emicida apresenta, agora, as 20 faixas ao vivo que circundam o aclamado documentário “AmarElo – É Tudo Pra Ontem’, lançado em novembro de 2020 na Netflix. “Para que hoje a gente esteja nesse lugar, que foi negado aos nossos ancestrais, muitas pesoas suaram e sangragram no caminho”, disse o rapper durante o registro.

+ sobre o tema

Conheça Nyadak Duckie Thot uma modelo que parece a Barbie

A internet está enlouquecida com a modelo Nyadak Duckie...

Chega de regras: essas modelos estão desafiando padrões de beleza

Os padrões de beleza são cada vez mais desafiados. Ainda bem!...

O racismo está no centro de todas as questões

A diretora Kathryn Bigelow especializou-se em criar filmes de...

para lembrar

Mano Brown, Criolo, Yzalú, Emicida e nomes do Hip Hop dizem não ao golpe

“Os articuladores do impeachment estão preocupados em chegar ao...

Alaide Costa

Alaíde Costa Silveira Mondin Gomide nasceu no Rio de Janeiro...

Beyoncé e Jay-Z abrem turnê conjunta e enlouquecem o público

Na noite da última quarta-feira (25), Beyoncé e Jay-Z...

Uma tarde inesquecível com Alaíde Costa

Ontem passei uma tarde inesquecível, gravando uma entrevista com...
spot_imgspot_img

Conselho Universitário da Unicamp aprova título de Doutores Honoris Causa para Racionais MC’s no marco dos 50 anos do Hip-hop

No marco dos 50 anos do Hip-hop, este movimento que vem transformando as perspectivas da juventude negra, pobre e periférica em todo o mundo,...

Reggae: ritmo jamaicano sofreu preconceito até ter reconhecimento

A cidade de São Luís tem motivos para comemorar: aos 411 anos, a capital maranhense foi agraciada com o título de capital nacional do reggae, concedida por lei. Mas...

Hip-hop, 50 anos: a história da cultura que saiu do Bronx para ganhar o mundo

Neste dia de 1973, em uma festa em um apartamento no Bronx, em Nova York, nascia o hip-hop. Utilizando dois toca-discos e um microfone, o...
-+=