Entidades se dizem alarmadas com discurso do governo Alckmin sobre violência da PM

Crescimento na taxa de homicídios é de 96% em setembro na comparação com 2011; governador volta a pregar linha dura e Secretaria de Segurança Pública fala em aumento de crimes passionais

Por: Raimundo Oliveira, da Rede Brasil Atual

São Paulo – Com uma média de 4,5 homicídios por dia na cidade de São Paulo, o mês de setembro passou a liderar a série histórica publicada desde janeiro de 2011 pela Secretaria de Segurança Pública do Estado. Os 135 casos registrados no mês passado representam um crescimento de 96% na comparação com o mesmo período de 2011. Nos seis primeiros meses de 2012 o número passou de 900 e o crescimento foi de cerca de 23% em relação ao primeiro semestre do ano passado.

Para a diretora-executiva do grupo Conectas Direitos Humanos, Lucia Nader, estes aumentos consecutivos nos casos de homicídios em São Paulo revelam um quadro preocupante. “Onde a violência e o uso da força aparecem como recurso preferencial para a resolução dos impasses na maior cidade do País”, afirma, em nota emitida pela entidade. Após a divulgação dos números pela secretaria, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que a ordem de seu governo é para “ir para cima”, na mesma linha daquilo que vinha pregando desde o começo da série de estatísticas negativas.

Hoje, o secretário de Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, disse durante entrevista coletiva que vai reforçar o número de policiais nas ruas e fazer operações secretas para tentar conter as mortes de policiais no estado. Desde ontem, um policial e outras seis pessoas foram assassindas em São Paulo.

Já alarmante, a situação pode ser ainda pior, já que a Secretaria de Segurança não contabiliza como homicídio doloso os casos que considera como “resistências seguidas de morte” (nos confrontos com policiais, por exemplo), os roubos e os furtos seguidos de morte. De acordo com declarações do Comando Geral da Polícia Militar, o que mais contribuiu para o aumento foram os homicídios passionais, quando ocorrem após brigas em casa ou no trânsito. Para o comando, apenas 5 dos 85 PM mortos desde o início do ano foram assassinados em setembro.

Capão Redondo e Parque Santo Antonio foram os locais com maior número de mortes 18, mais de um a cada dois dias. “Estamos alarmados com a forma como o governo interpreta esses números e reage a essa realidade. As autoridades da área de Segurança Pública de São Paulo fazem uso recorrente de um vocabulário de guerra para justificar o uso da força letal, como se o gatilho fosse, em última instância, o juiz, o tribunal e a pena que recai na maioria das vezes sobre pessoas pobres, negras e de periferia”, afirma Lucia.

Para a coordenadora e fundadora do Grupo Mães de Maio, Débora Maria da Silva, a situação do aumento nos números de homicídio ao longo de 2012 evidencia uma situação de calamidade no estado de São Paulo. Segundo ela, os grupos que representam moradores da periferia que sofrem com esta situação vão pedir, mais uma vez, intervenção do Ministério da Justiça junto às autoridades paulistas da área de segurança.

O Mães de Maio foi criado após a onda de ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) ocorridos em maio de 2006 e que resultaram em mais de 600 pessoas mortas, a maior parte entre moradores da periferia, durante ações repressivas da polícia. “Nós estamos cada vez mais sitiados, com medo de sair de casa, e assustados com a postura das autoridades nesta guerra. Eles, cada vez mais, apresentam um discurso fascista e que encoraja a formação e a ação de grupos de extermínio”, afirma.

Fonte: Rede Brasil Atual

+ sobre o tema

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

para lembrar

spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Pacto em torno do Império da Lei

Uma policial militar assiste, absolutamente passiva, a um homem armado (depois identificado como investigador) perseguir e ameaçar um jovem negro na saída de uma...
-+=