Escrito em Nego

Quando buscaram os Negros na África,
trazendo-os como bichos amontoados em uma nau,
ignorando suas paixões, estórias e a própria raiz ancestral,
Foi escrito em negro e nos negros: sina trágica!

No momento em que chegavam ao Cais do Valongo,
Mortificados em corpo e alma pelos dissabores do trajeto;
Travessia oceânica que pelo medo, pela ira e pela fome fazia-se mais longa,
Escrito em pele negra foi: Objetos!

No momento em que chegavam às senzalas com seus cabelos “Sarárá,”
pele negra, dentes brancos, falando em dialetos nagô, suaíli ou banto,
o povo da casa grande se perdia em olhares; ainda que ninguém se atrevesse nada a falar;
Era ali escrito em negras pele, talvez por medo ou ignorância: Espanto.

Na ração regrada e seca que aos negros era ofertada,
Na água barrenta e lameada que não lhes provia da sede a saciedade,
No preparar e não comer os quitutes da casa grande abastada,
Nas bocas e línguas negras, era escrito em tintas famigeradas: Desumanidades…

No trabalho braçal, bossal e desmedido,
de sol a sol, de chuva a chuva repetidos,
Não importando o calor ardente dos dias ou no lombo a chuva fria,
marcava-se nas peles negras: nada valiam…

Nas violências ao corpo e alma, repetidas e imbricadas,
No tratamento desumano, impostos aos negros, como castigo e opressão,
No zunir do chicote que corta o vento e inflige-lhes punição,
Tatua-se traumaticamente nas peles, mas não na alma: feras indomadas…

No interdito posto a fala, aos dizeres e aos saberes, sem chamas ou incenso,
mais que ignorar o que o negro tinha a dizer, ignorava-se os sujeitos.
Calava-se assim todo grito ou sussurro, queixa ou pleito!
Marca-se assim mais uma palavra escrita a sangue e sal: Silêncio!

Desmontado-se as tradições e as memórias,
Mudando-se os nomes e os santos, até o dialeto de devoção,
Tenta-se aniquilar o pouco da terra natal que os negros ainda traziam no coração…
No ato de branquear as negras lembranças, tenta-se: apagar a história.

Na dança que se dançava nas senzalas,
No defender-se manifesto pelo gingado da capoeira,
que aos olhares brancos só significava uma agressão vil e traiçoeira!
Em dialeto universal era escrito, a carvão e a chicote, mais uma palavra negra: Batalha!

Quando as negras tinham seus corpos, pelos senhores violados,
quando sem vergonha ou pudor eles lhes penetravam as carnes, de forma impura e obscena
Não se continham pela religião, pela moral ou por costumes: era luxúria apenas!
Escrevia-se assim, ao som de gritos, a traços de suor e sangue virginal: pecado!

No contraforte que esta história aponta,
Na tentativa dura e vera de resistir as agressões e aos impostos tombos,
organiza-se em matas fechadas e densas a resistência pelos quilombos.
Desta vez quem escreve é o negro e o branco é quem tenta aniquilar a palavra: Afronta!

No amamentar um filho que não era o seu,
Ao transpor alimento, afeto e amor ao filho do patrão,
as Mães de Leite alimentavam um ser que como mãe muitas vezes não a reconheceu!
Escrevia-se assim na pele negra, com tinta branca feito leite: Ingratidão!

No mercado de escravos, cabeças raspadas e dentes amostra, valiam algo os desvalidos.
Valor não pela essência, valor como objetos, feito animais ali eram vendidos,
pouco importavam se tinham família ou qual fim teriam
E assim em pele negra colocava-se uma etiqueta escrito em negro: Mercadoria!

No açoite infligido por outros negros a mando branco, feridas abertas e não esquecidas,
Capatazes, feitores ou capitães do mato tornavam-se algozes,
Na preservação de si, ignoravam os gemidos emitidos pelas negras vozes!
Ditava-se mais um vernáculo a tatuar-se em negros escritos: Fratricida!

O ato abolicionista por uma princesa foi assinado,
mas o Real da estória, saibam vocês, nem sempre foi fielmente contado.
Negros alforriados, negros expulso das terras para onde como bicho foram levados!
Uma palavra nova à eles foi assim ensinado, verbo no pretérito conjugado: Despojados!

Na busca da sobrevivência que se deu daí então,
Em negras formas buscavam conseguir, teto e provisão.
Aos morros e baixios foram relegados, e foi ali que fizeram suas cidadelas,
surge mais uma palavra escrita em tantos e tantos negros: Favela!

Neste novo aglomerado urbano, Sujo e torpe, torto e improvisado,
Os negros se amontoam como antes, numa nova espécie de senzala;
casa sem vela, sem água; sem pão e sem chicote; trapos poucos e puídos a ocupar a mala,
Lê-se assim, se os negros escravizados soubessem ler, mais uma palavra: abandonados.

Nos tempos atuais, para justificar a barbárie, silenciar lembranças e dizeres inconsequentes,
Fala-se de algo impalpável, rancoroso e incoerente. Uma palavra bonita, mas vazia…
Como podemos querer ver quem vai mais longe, se cada um parte de um ponto diferente?
A essa falácia, que querem mais uma vez escrever em negro, dá-se o nome de meritocracia.

Por mais que a escravatura pareça temporalmente muito distante,
Os grilhões invisíveis ainda estão por aí, acorrentando, tangendo…
Todos os dias o povo negro se levanta e segue como possível for, adiante!
Outra expressão inscrita na pele negra com tinta que não apaga: Escravos continuam sendo!

Tantas palavras Escritas em Negro, tantas palavras sem nenhum sentido,
pois quem as escreveu não foi o negro. Palavras escritas por brancos com tons de opressão!
Testemunho de todo sofrimento que o negro sofre nesta terra desde tempos idos,
Espécie de funesto memorial para que ninguém esqueça como é no nosso país a escravidão!

Além destas palavras, há muitas outras, ditas no correr do tempo e na sua transitoriedade:
A pele negra foi usada para escrever estórias de tortura e sofrimento!
Por mais que não seja a estas palavras que contam o lado negro da verdade,
se prestam para que esta página amoral da nossa estória caia no esquecimento!

 

Mariana, 20 de Novembro de 2020

Homero Flávio Peixoto Gonçalves

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

PSG admite ter cometido crime de racismo em recrutamento de atletas nas categorias de base

Documentos vazados pelo 'Football Leaks' dão conta de que...

Quem tem medo dos números?

Existe uma recusa tácita do Estado português em tomar...

Natural Hair Song By Tiririca Deemed Racist, Sony Music Ordered To Pay $1.2 Million

We couldn't stop laughing when Franchesca Ramsey joked about...

para lembrar

spot_imgspot_img

PM afasta dois militares envolvidos em abordagem de homem negro em SP

A Polícia Militar (PM) afastou os dois policiais envolvidos na ação na zona norte da capital paulista nesta terça-feira (23). A abordagem foi gravada e...

‘Não consigo respirar’: Homem negro morre após ser detido e algemado pela polícia nos EUA

Um homem negro morreu na cidade de Canton, Ohio, nos EUA, quando estava algemado sob custódia da polícia. É possível ouvir Frank Tyson, de...

Denúncia de tentativa de agressão por homem negro resulta em violência policial

Um vídeo que circula nas redes sociais nesta quinta-feira (25) flagrou o momento em que um policial militar espirra um jato de spray de...
-+=