Estudante de design de faculdade em BH acusa professora de injúria racial

Uma aluna da faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte está acusando uma professora da instituição de injúria racial. Em post publicado na sua página pessoal no Facebook, Mirna Guedes, 21 anos, conta que já foi vítima de preconceito da professora em três ocasiões, a primeira delas no ano passado.

Do Hoje em Dia

Segundo a estudante de Design de Moda, na primeira vez, ela foi criticada por ter cabelos crespos e com volume. Insistentemente ela disse várias vezes, que deveria alisar os meus cabelos. “Disse até, que eu seria mais bonita assim”.

Na segunda vez, a professora teria voltado a falar sobre os meus cabelos. Se referindo a algumas alunas de outra universidade que fizeram o procedimento. “Na terceira vez, dia 3 de agosto, ela se aproximou de mim e me perguntou: ‘Você aqui assombração. Não formou ainda não?’ Respondi com a voz embargada. Isto é crime, preconceito racial. Ela desconversou”, afirma a jovem.

Ainda no post, a estudante destaca que já sofreu diversos preconceitos raciais. “Chega uma hora que sufoca, que reprime, que me faltam palavras, às vezes o ar, diante de tal sociedade. Só exijo respeito. Não sou movida a raiva que, assumo que sinto, quando ouço ou vejo tamanha barbaridade. Sou movida a justiça. Ao direito de liberdade de expressão e de ser quem você quiser ser”.

Segundo a estudante, nas primeiras vezes que foi ofendida pela professora ela buscou auxílio da universidade, que nada fez. “Mas hoje, descrevo aqui o meu repudio a qualquer tipo de preconceito ou discriminação, seja racial ou não. Agora estou aguardando que a justiça seja feita, já fui à delegacia especializada com minhas testemunhas e espero que as providências sejam tomadas”.

Resposta
Por meio da assessoria de imprensa da faculdade, o diretor geral e reitor do Centro Universitário Estácio de Belo Horizonte, Juciê Abreu afirma que a aluna não procurou a Reitoria para tratar do recente episódio. “Desde que tomamos conhecimento do mesmo, tentamos entrar em contato com ela para esclarecê-lo, o que aconteceu somente às 18h15 desta quarta (5). A aluna só poderá conversar com a instituição amanhã, dia 06, às 18h30″.Ainda segundo a nota, diferentemente do que Mirna tem afirmado em relação ao episódio anterior, o Centro Universitário Estácio de Belo Horizonte buscou esclarecimentos junto à professora e a própria aluna, tendo tomado as devidas providências na ocasião, considerando, portanto, o episódio resolvido.”Ressaltamos que, em nenhuma hipótese, toleramos qualquer tipo de discriminação com os alunos e funcionários da instituição e que, em caso de qualquer ocorrência neste sentido, são tomadas as medidas previstas no nosso Código de Ética.” A professora foi procurada pela reportagem por meio da assessoria da Estácio, mas não quis dar declarações.

Confira abaixo o post da jovem no Facebook:

image

+ sobre o tema

Universidade que investiga ‘blackface’ em gincana já teve alunos com fantasias ligadas a grupo extremista

Estudantes do campus da Unesp de Botucatu (SP) estão assustados após...

‘Enfrentei meu próprio preconceito e o da sociedade ao adotar filhos negros’

"Quando você precisa pensar na roupa que seus filhos...

Pedreiro chora após ser constrangido no estacionamento do Riomar Shopping

O pedreiro Edilson dos Santos, 40 anos, foi constrangido...

Comunicado do Colégio Anhembi Morumbi sobre o caso de racismo e a ‘boa aparência’

do Colégio Internacional Anhembi Morumbi para o Portal Geledés Comunicado O Colégio Internacional...

para lembrar

spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=