Estudante negra diz ter sido barrada em prédio da USP

Uma estudante da Universidade de São Paulo (USP) afirma que foi impedida de entrar na Faculdade de Medicina da universidade por ser negra. Mônica Gonçalves, 28 anos, diz ter sido barrada na portaria do campus na avenida Doutor Arnaldo, zona oeste de São Paulo, no dia 30 de abril. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Mônica é aluna do primeiro ano do curso de saúde pública. Ela afirmou que iria se encontrar com amigos em uma sala do centro acadêmico da Faculdade de Medicina quando passava pela portaria e foi barrada por dois vigilantes, que lhe pediram o crachá de estudante.

Segundo o relato da estudante, após mostrar o crachá, os vigilantes afirmaram que ela não poderia entrar no local. Mônica, então, enviou mensagens aos amigos, que responderam que outras pessoas entraram normalmente.

De acordo com o jornal, um funcionário que disse ser responsável pela segurança afirmou que Mônica não poderia entrar porque uma festa de estudantes ocorria naquele momento no centro acadêmico, o que é proibido. A estudante afirmou que só conseguiu entrar no prédio com um segurança e que não havia festa no local.

O Centro Acadêmico Emílio Ribas, da Faculdade de Saúde Pública da USP, repudiou, em nota, o episódio. Em nota, a USP disse que os funcionários da segurança são terceirizados e que “repudia o racismo e qualquer outra forma de discriminação com base em etnia, religião, orientação sexual, social.”

De acordo com a publicação, a universidade abriu uma sindicância interna para apurar o episódio

Foto: Folha de S.Paulo

Fonte: Terra

+ sobre o tema

para lembrar

Atestado de africanidade

Análise do DNA mitocondrial revela origem que povo negro...

Apenas 34% dos brasileiros confiam na polícia, diz estudo

por: Gustavo Gantois Violência e corporativismo são características mal vistas pela...

BaianaSystem é vítima de racismo na internet durante show: ‘Macacos’

A banda BaianaSystem se apresentou nesta quinta, na programação...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=