quinta-feira, setembro 16, 2021
InícioQuestão RacialCasos de RacismoEugenia e racismo comunista: União Soviética planejou criar super-homens

Eugenia e racismo comunista: União Soviética planejou criar super-homens

A história da eugenia e do racismo comunista na União Soviética e em outros países de regime marxista é muito pouco pesquisada e divulgada.

Diferentemente do que muitos imaginam, houve uma poderosa corrente eugenista na Rússia após a tomada do poder pelos comunistas e a instituição dos governos de Lênin (1917-1924) e Stálin (1924-1953).

O termo “eugenia” foi utilizado na Rússia desde 1915. Dois dos fundadores da eugenia russa eugenia foram: Nicholas Koltsov (1892-1940) e Yuri Filipchenko (1882-1930).

O primeio deles fundou em Moscou, em 1918, o Instituto de Biologia Experimental; o segundo, Filipchenko, foi o promotor mais ativo das teorias eugênicas entre 1914 e 1920.

Ele publicou vários trabalhos sobre genética e neurociência craniométrica. Em 1918, ele publicou seu primeiro artigo sobre a eugenia, que o tornou muito popular.

No período de 1921-1925, ele escreveu quatro livros sobre o mesmo assunto, incluindo esboços biográficos de Galton e Mendel.

Filipchenko se beneficiou da mudança de regime. A ciência a serviço do novo homem da Revolução de 1917 e a guerra civil que se seguiu deram início a um período crucial para os jovens investigadores russos. O novo regime se seduziu com a ideia de que ele poderia melhorar as condições de vida humana graças ao progresso científico.

Kol’tsov no verão de 1920, criou o Departamento de Eugenia” em seu Instituto de Moscou. Em setembro, ele se ofereceu para ajudar Filipchenko em pesquisa nessa nova área e em 19 de novembro de 1920 foi criada a Sociedade Eugênica Russa.

Filipchenko por sua vez fundou em 14 fevereiro de 1921 o Escritório de Eugenia na Academia de Ciências de São Petersburgo.

A Sociedade Eugênica Russa em 1922 contava com cem membros e tinha escritórios em Moscou, Leningrado, Saratov, Odessa e outras grandes cidades.

No mesmo ano, ele começou a publicar trimestralmente o “Jornal Russo de Eugenia” que saiu até o início dos anos 30.

A revista levantava os mesmos temas da eugenia ocidental: a demografia, a criminalidade, mendelianismo, esterilização, análise da hereditariedade dos transtornos mentais e nervosos (esquizofrenia, psicose maníaco-depressiva), epilepsia, alcoolismo, da sífilis e da propensão para a violência, a organização prática da estatística e análise antropológica, etc.

Koltsov foi nomeado o representante da Sociedade Eugênica Russa na Comissão Internacional da eugenia em dezembro de 1921.

Em 1922, a União Soviética tornou-se um membro pleno da Comissão. Dois anos mais tarde, a delegação soviética participou do Congresso Internacional de eugenia, que foi realizada em Milão, durante o regime fascista.

Finalmente, em um estudo comparativo entre o Islã eo Socialismo (1922) Anel escreveu: “A eugenia é em si um ideal nobre, que dá sentido à vida” e que visaria “a criação pelo trabalho consciente de várias gerações de um tipo superior de homem, o conquistador da natureza e criador da vida. A eugenia é a religião do futuro, e tem seus profetas.”

D. T. Yudin, autor de “Eugenia”, publicado em 1924, afirma no prefácio que a nova ciência combina a “genética humana”, “antropologia social”, “demografia política”,”análise patológica”, “higiene social ou racial” e que tem como objetivo criar uma “biologia de tipos sociais.”

Mas na Rússia esses profetas rapidamente se dividiram em “liberais” e “bolcheviques”, ou mais precisamente, por pessoas como Anel (que publicou artigos sobre a inteligência superior dos membros do partido e da necessidade de transferir essa mente superior através de prole numerosa), e estudiosos como Filipchenko, que foi expulso pela primeira vez do movimento eugenista, em 1926, por que insistiu em estudar a genealogia da elite burguesa do antigo regime.

Em meados dos anos 20. uma nova geração de estudiosos marxistas (M.V.Volotsky, Alexander Serebrovskiy) se propôs a transformar a eugenia em uma ciência puramente bolchevique. Seria baseado no darwinismo materialista, com alegada base científica e experimental, e visando eliminar todos os vestígios de “idealismo”.

Na ordem do dia havia três itens: esterilização, melhores condições de higiene e um aumento em indivíduos com “excelente” fertilidade.

Volotsky em 1923 publicou o livro “Aumentando a força da raça” (Поднятие жизненных сил расы, em russo), no qual ele conclamou a Rússia soviética a adotar urgentemente um programa de esterilização.

Sua proposta foi recebida com hostilidade pelos liberais baseados em torno de Filipchenko em Leningrado. Mas, em última análise, os argumentos morais e demográfico obrigou as autoridades a abandonar a esterilização, pois de 1917 a 1930, Moscou perdeu mais de 40% de sua população e 70% em Petrogrado! Na maioria das províncias da taxa de mortalidade soviética ultrapassou a taxa de natalidade, de modo que as medidas eugênicas não estavam no momento apropriado.

Mil crianças talentosas de cada fabricante

Muitos estudiosos marxistas eram seguidores de Lamarck. Estava em voga o biólogo vienense Paul Kammerer, lamarckiano e eugenista convicto.

Ele inspirou Volotsk a escrever o segundo livro de “interesse de classe e da eugenia moderna”, assim como muitos cientistas e médicos, como A.Serebrovsky, que escreveu em 1926, “Anais da Sociedade de biólogos marxistas”: “Cada classe tem que criar a sua próprio eugenia”.

Para este fim Serebrovskiy fundou com Salomão Leavitt, em 1926, o Escritório da Saúde Humana e Hereditariedade. Em seu artigo de abertura, “Antropogenética e eugenia em uma sociedade socialista”, o biólogo sugeriu que melhorar a saúde das pessoas, melhorando o “abastecimento” para atender período de cinco anos em dois anos e meio.

Não foi só sobre a melhoria do estado nutricional das pessoas: as pessoas ainda tinham que ganhá-lo! Para este fim Serebrovskiy ofereceu um banco de esperma e lançou um amplo programa de inseminação artificial: “A fabricação talentosa e eficaz pode, portanto, chegar a mil. Em tais circunstâncias, a seleção humana vai dar um salto para a frente.”

Assim, dez anos antes de Hitler, pesquisadores soviéticos já estavam planejando a «Lebensborn» bolchevique para a maior glória da pátria do socialismo.

Mas o programa de eugenia ocorreu no Quinto Plano Quinquenal (1929-1933), quando Stalin estava firmado no poder. Esta foi a era da industrialização contínua do país, os primeiros processos políticos, a fome organizada, o controle populacional e a propaganda visando desacreditar a ciência dos especialistas burgueses.

A Sociedade Eugênica Russa foi dissolvida em 1930, e Filipchenko, apesar de ter passado 10 anos sujeito a todos os caprichos do novo regime, foi removido de todos os seus postos. Ele morreu de repente de meningite maio 1930, quando a eugenia foi acusado de “bio” forma agravada de “idealismo menchevique”, no jargão stalinista.

Todavia é sabido que os russos comunistas são racistas e realmentes o restante ignorantes são idiotas úteis!

Fonte: Nação Mestiça

RELATED ARTICLES