Fé cega, faca amolada por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva

 

Um amigo jovem, revolucionário,
indignado com as injustiças do mundo e proativo no cotidiano da transformação
mandou-me um pequeno texto que não entendi. Ele criticava o fato de utilizarem
uma atitude do jogador Neymar para discutir o racismo à brasileira.

De fato, não captei e parti para
a conversa que poderia trazer o entendimento. Sugeri que ele detalhasse as
idéias para ser mais compreendido, não só por mim, mas por seus leitores. Ele
foi taxativo, embora gentil, como sempre. Explicou-me que não quer detalhar
nada, pois não está à procura de clientes para as próprias idéias. Não quer
persuadir ninguém, apenas segue o próprio coração e demonstra solidariedade a
jovens pretos que ainda não morreram de frustração e são os melhores naquilo
que se dispõem a fazer.

Muito que bem. Redargüi que quando a gente argumenta é porque
pretende externar um ponto de vista (a opinião dele sobre o tratamento dado ao
caso de racismo envolvendo Neymar) e uma visão de ponto determinado (a
solidariedade aos jovens pretos que não morreram de frustração, ainda… e são
os melhores naquilo que se propõem a fazer).

O texto
como estava não deu conta da riqueza de propósitos defendida pelo autor em nossa
conversa, principalmente da parte mais importante, a solidariedade aos jovens
pretos que vencem, conseguem respeito pelo que fazem, a despeito do racismo que
tentará destruí-los (incluindo o racismo internalizado) porque sobrepujaram  a norma do fracasso.

Não concebo
a expressão “cliente” quando utilizada para caracterizar pensamentos que
movimentam o mundo em direção a mudanças, ao respeito humano, à saúde plena. Quem
tem cliente para as idéias são pessoas como Silas Malafaia, Edir Macedo e
demais fundamentalistas de rapina das igrejas eletrônicas. É quem vende a
propaganda enganosa de sucesso e felicidade do Big Brother. É quem convence
pobres desamparados a escreverem milhares de cartas sofridas para merecer uma
casa mobiliada ou uma passagem de ônibus para deixar o sul maravilha e
regressar ao nordeste.

Da
mesma forma que o racismo internalizado embaça a visão de muitas pessoas negras
no tema racial, a generalização pseudo-revolicionária da noção de cliente
também nos deixa obtusos. Não é possível confundir a lavagem cerebral que os
profetas da desgraça imprimem ao aliciar corações e mentes para as fileiras de
suas idéias nefastas, com o despertar para idéias transformadoras. Que o gato e
a lebre não sejam trocados, como se fossem a mesma coisa. Há gente, por
exemplo, que critica certos concursos, despreza-os, melhor dizendo, mas
participa escondido. É bom ter atenção para não dormir no reggae dos outros e
repetir certos clichês, abrindo mão da reflexão.

A fé
cega vendida pelos pastores de cérebros de ovelhas tem sido faca amolada,
tortura, tiro certeiro que mata muita gente transgressora, principalmente
transexuais, gays, lésbicas e mulheres, indiscriminadamente. Os agentes desta
barbárie são clientes das idéias desses monstros.

Pessoas
que se inspiram em idéias transformadoras, reveladoras, e por isso as admiram e seguem são matéria de outra magnitude. Alhos e bugalhos são coisas distintas.

O Kong se virou contra o feiticeiro – Por Cidinha da Silva

Neymar acusa técnico do Ituano de racismo: “me chamou de macaco?”

+ sobre o tema

“Angú Incubado” Por: Zulu Araujo

Para quem não sabe, Angu é uma comida típica...

Obama precisa se justificar perante o Congresso sobre ação militar na Líbia

A Casa Branca enviou, nesta quarta-feira, um dossiê de...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

para lembrar

Magia Negra

por Sergio Vaz Magia negra era o Pelé jogando, Cartola...

Amílcar Cabral é o segundo maior líder da história

O ideólogo das independências da Guiné-Bissau e Cabo Verde,...

DECLARAÇÃO DE APOIO DE CATÓLICAS PELO DIREITO DE DECIDIR AO III PNDH

Com quem o governo dialoga? A quem o governo...

Marta Suplicy substitui Ana de Hollanda no Ministério da Cultura

Depois de entrar na campanha de Fernando Haddad...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...

O PNLD Literário e a censura

Recentemente fomos “surpreendidas” pela censura feita por operadoras da educação no interior do Rio Grande do Sul e em Curitiba a um livro de...
-+=