Fundação Palmares revoga regra do governo Bolsonaro e volta a homenagear negros em vida

Enviado por / FonteG1

Portaria de 2020 levou à exclusão de homenagens a Gilberto Gil, Elza Soares e Martinho da Vila, por exemplo. Novo presidente da Palmares e fundador do Olodum, João Jorge, assina nova regra.

Portaria assinada pelo presidente da Fundação Palmares, João Jorge, e publicada nesta quarta-feira (5) revoga a regra editada pelo governo Jair Bolsonaro que proibia a entidade de homenagear personalidades negras em vida.

A regra anterior tinha sido editada pelo então presidente da Fundação Palmares Sérgio Camargo, em 2020, e definia apenas homenagens póstumas – ou seja, após a morte do homenageado.

Esse critério levou o governo Jair Bolsonaro, na época, a excluir do site textos elogiosos aos cantores Gilberto Gil, Elza Soares e Martinho da Vila, por exemplo.

A portaria publicada no Diário Oficial da União desta quarta cria um grupo de trabalho dentro da Fundação Palmares para atualizar as regras de seleção das personalidades negras – nacionais e estrangeiras – a serem homenageadas no site da entidade.

Fundador do Olodum, João Jorge assumiu a Fundação Palmares neste ano, indicado pela ministra da Cultura, Margareth Menezes.

Provocação

Ao editar a regra anterior, Sérgio Camargo havia dito que a intenção era “moralizar” a lista de personalidades negras notáveis editada pela Fundação Palmares.

A declaração e a mudança nas regras foram divulgadas em novembro, mês da consciência negra, e vistas pelo movimento negro como uma provocação de Camargo e do governo Jair Bolsonaro.

Meses antes, em reunião gravada, Camargo já tinha chamado o movimento negro de “escória maldita”, dito que Zumbi era um “filho da puta que escravizava pretos” e criticado o Dia da Consciência Negra – ele defendia um decreto para que a data deixe de ser feriado.

+ sobre o tema

Dinorah, mais um símbolo do racismo brasileiro

Em seu doutorado, posteriormente livro e documentário, Joel Zito...

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente...

Suspeitos de trocar mensagens racistas sobre modelos no DF são identificados

Polícia Civil chegou às identidades de três adolescentes e...

Mais de 200 mil pessoas em Berlim contra o racismo e a direita

O centro da capital alemã estava cheio de uma...

para lembrar

Polícia divulga retrato falado de agressor da avenida Paulista

Por: Pedro da Rocha Cerca de cinco pessoas teriam abordado...

Estudo aponta aumento de casos de racismo no futebol da Rússia no ano da Copa

À medida que a Rússia se preparava para receber...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=