Haiti está à míngua 6 meses após tragédia

Por: ANDRÉ LOBATO

País vê início da temporada de furacões tão despreparado quanto estava logo depois de ser atingido por sismo

Dos US$ 50 bilhões arrecadados para a reconstrução do Estado caribenho, somente 2% foram empregados

 

 

Hoje, seis meses após o terremoto que destruiu a capital do Haiti, Porto Príncipe, o país começa a viver a temporada de furacões quase tão despreparado quanto estava nas horas que se seguiram ao sismo.

Com mais de 1 milhão de pessoas vivendo em acampamentos pouco resistentes a chuvas, 80% das escolas destruídas e o governo funcionando em contêineres, o país não ergueu abrigos para furacões, como previa o plano de reconstrução.

O temor é justificado pelas previsões da NOAA, a agência americana de meteorologia, de que a temporada de furacões será mais forte que o normal, com entre três e sete “grandes furacões” previstos de junho a setembro.

Embora seja impossível determinar se elas atingirão o solo haitiano, a catástrofe seria uma reedição do terremoto, alerta Rubens Gama, diretor designado do Departamento da América Central e do Caribe do Itamaraty -responsável da diplomacia brasileira pela região.

Segundo Gama, estão disponíveis US$ 1 milhão para a construção de dez abrigos capazes de resistir a furacões.

Outra prioridade, diz, é a construção de casas populares. Para isso, o governo brasileiro ofereceu o programa Minha Casa, Minha Vida.

Porém, ainda que feitos a tempo, os abrigos não eliminam os riscos para a saúde pública de imensas áreas alagadas sem saneamento.

 

Para prover o país de infraestrutura, os doadores internacionais se uniram após o terremoto e criaram um fundo de US$ 50 bilhões para o Haiti. Apenas 2% do valor foi gasto, o que levou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a criticar a lentidão da reconstrução do país.

 

Nem o governo haitiano nem os países doadores estão, entretanto, prontos para acelerar a reconstrução, aponta relatório do Senado americano feito em junho.

 

O texto “Haiti na Encruzilhada” diz que o presidente René Préval não demonstra liderança interna, concentra poder e recebe mensagens conflitantes dos países doadores. O relatório também critica a falta de coordenação da CIRH (Comissão Interina de Reconstrução do Haiti).

A CIRH é uma agência dos países doadores criada pelo governo por uma lei de estado de exceção para formular e executar a reconstrução.

Para Camille Chammers, da Papda, uma organização local, “tudo está nas mãos” da CIRH em “um processo no qual toda a soberania nacional foi eliminada”. O diplomata Rubens Gama diz o contrário: todos os países, da Venezuela aos EUA, concordam que é necessário reerguer o governo do Haiti e fazê-lo liderar a reconstrução.

 

ELEIÇÕES
Entre um terremoto e o risco de furacão, o Haiti também precisa enfrentar o fenômeno de natureza política que é realizar eleições com uma comissão eleitoral de legitimidade contestada e um dos principais partidos proibido de lançar candidatos.

O pleito de 28 de novembro define a Presidência, um terço do Senado e toda a Câmara dos Deputados. A eleição é crucial para revitalizar a liderança do Estado, pois muitos membros do governo morreram no terremoto.

O problema é que a Comissão Eleitoral terá membros acusados de falta de transparência no pleito anterior e de beneficiar o partido de Préval, o que ele nega.

Ele também recusa a proposta de colocar estrangeiros na comissão a fim de aumentar a isenção do processo.

 

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

“Jimi Hendrix seria um pioneiro do hip-hop”, diz ex-produtor

O produtor Eddie Kramer, que já trabalhou com Jimi Hendrix,...

‘Este vai ser o século das mulheres na África’, diz Margarida Paredes

“Hoje, um terço dos cargos de poder em Angola...

Marcha da Consciência Negra em São Paulo

Entidades do movimento negro, sindical e popular organizaram na...

para lembrar

Aparecida Petrowky e Rihanna. Separadas no nascimento?

Aparecida Petrowky e Rihanna. Separadas no nascimento? Aparecida Petrowky, 27...

Pai fica sem voz, mãe ‘chora junto’ e Sassá mal consegue falar após título

Por: Carol Oliveira Final da Superliga traz família Gonzaga...

Barbie cria boneca Frida Kahlo e de mais 2 mulheres que fizeram história: veja as fotos!

Há mais de 50 anos, as bonecas Barbie fazem parte da...
spot_imgspot_img

Ícone da percussão, Naná Vasconcelos ganha mostra no Itaú Cultural

O Itaú Cultural, localizado na avenida Paulista, em São Paulo, abre nesta quarta-feira (17) a Ocupação Naná Vasconcelos, em homenagem ao músico pernambucano falecido em 2016. A mostra é...

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...

Majestosa, Lauryn Hill entrega show intenso e coroa história da Chic Show

"Não é só um baile black", gritou Criolo durante o terceiro show do festival Chic Show 50 Anos, no sábado (12). O rapper do...
-+=