Heloisa Buarque de Hollanda é eleita para a Academia Brasileira de Letras

Enviado por / FonteDo G1

A escritora e crítica cultural vai ocupar a Cadeira 30, que era da escritora Nélida Piñon. Ela recebeu 34 dos 37 votos.

A paulista Heloisa Buarque de Hollanda, professora emérita da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi eleita para a Cadeira 30 da Academia Brasileira de Letras, na tarde desta quinta-feira (20). A escritora e crítica cultural de 83 anos recebeu 34 dos 37 votos e é a 10ª mulher eleita para a Academia.

Ela vai ocupar a vaga aberta em dezembro do ano passado, com a morte de Nélida Piñon. A escritora de 85 anos foi a primeira mulher a presidir a ABL.

Para a vaga também concorreu o pintor e escritor Oscar Araripe, que teve 2 votos. Um acadêmico votou em branco.

A Cadeira 30 tem como fundador o contista Pedro Rabelo, como patrono o jornalista e romancista Pardal Mallet, e teve como titulares o advogado Heráclito Graça, o médico Antônio Austregésilo e o ensaísta, filólogo e lexicógrafo Aurélio Buarque, além de Nélida Piñon.

Vida acadêmica, literatura e curadoria

Heloisa é formada em letras clássicas pela PUC-Rio, com mestrado e doutorado em literatura brasileira na UFRJ e pós-doutorado em sociologia da cultura na Universidade de Columbia, em Nova York.

É diretora do Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC-Letras/UFRJ), onde coordena o Laboratório de Tecnologias Sociais, do projeto Universidade das Quebradas, e o Fórum M, espaço aberto para o debate sobre a questão da mulher na universidade.

Seu campo de pesquisa privilegia a relação entre cultura e desenvolvimento, área em que se tornou referência, dedicando-se às áreas de poesia, relações de gênero e étnicas, culturas marginalizadas e cultural digital. Nos últimos anos, vem trabalhando com o foco na cultura produzida nas periferias das grandes cidades, o feminismo, bem como no impacto das novas tecnologias digitais e da internet na produção e no consumo culturais.

Heloisa também diretora da Aeroplano Editora e Consultoria, da Editora UFRJ e do Museu da Imagem e do Som (MIS-RJ). Dirigiu o Programa Culturama, na TVE, Café com letra, na Rádio MEC e alguns documentários cinematográficos, entre eles, “Dr. Alceu” e “Joaquim Cardozo”.

Foi curadora de várias exposições, entre elas “Dez anos sem Chico Mendes” (Sesc Rio, 1998), “Estética da Periferia” (Centro Cultural dos Correios, RJ, jul/2005), “H20, o futuro da águas” (Sesc Rio, jan/2009), “Vento Forte: 50 Anos de Teatro Oficina” (Centro Cultural dos Correios RJ, jan/2009) e “O Jardim da oposição” (Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Rio, jun/2009).

Tem vários artigos publicados nas áreas de arte, literatura, feminismo, cultura digital, cultura da periferia e políticas culturais.

Entre os livros que publicou, destaca-se a histórica coletânea “26 Poetas Hoje”, de 1976, que revelou uma geração de poetas “marginais” que entrou para a história da literatura brasileira, como Ana Cristina Cesar, Cacaso e Chacal. Essa antologia é considerada um divisor de águas entre uma poesia canônica e uma poesia contemporânea e performática. Segundo a autora, o livro causou furor na época.

Outros livros publicados por Heloísa são “Macunaíma, da literatura ao cinema”; “Cultura e Participação nos anos 60”; “Pós-Modernismo e Política”; “O Feminismo como Crítica da Cultura”; “Guia Poético do Rio de Janeiro”; “Asdrúbal Trouxe o Trombone: memórias de uma trupe solitária de comediantes que abalou os anos 70”; “Escolhas, uma autobiografia intelectual”; e “Feminista, eu¿”.

+ sobre o tema

Conheça o Fundo Agbara: 1º Fundo de Mulheres Negras do Brasil

Apesar das mulheres negras representarem a maior parcela populacional...

Mercado da beleza acompanha empoderamento da mulher negra no Brasil

Indústria ainda é nicho, mas consumidoras têm mais produtos...

Simone Biles é gigante no compromisso contra cultura de violência sexual

Os Jogos Olímpicos têm resgatado a emoção do brasileiro....

Portugal tem primeira afrodescendente como candidata ao Parlamento Europeu

Natural de Guiné-Bissau, Joacine afirma em entrevista à DW...

para lembrar

10 comportamentos machistas disfarçados de “coisas naturais”

1. Divisão de tarefas Num mundo em que mulheres e...

Universidade de Stanford lança o primeiro curso de liderança exclusivo para profissionais LGBT

Com o objetivo de aumentar o número de profissionais...

Djamila: racismo só choca quando acontece com a filha do Bruno Gagliasso

Djamila: racismo só choca quando acontece com a filha...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=