Homem confessa vandalismo contra terreiro e segue em liberdade

Ataque ocorreu na madrugada de 31 de dezembro para 1° janeiro

Um homem de 25 anos, identificado como Renan Neres Lima, confessou ter invadido e destruído todos os objetos que estavam dentro do Terreiro Casa de Xangô, localizado em Vitória da Conquista, na madrugada de sábado (31). De acordo com o líder da casa de candomblé, Pai Lucas de Xangô, o autor da ação mora próximo ao local e é filho de um pastor evangélico.

Para entrar no terreiro, ele teria arrombado o trinco de uma porta de madeira, entre 21h de sábado e 1h da madrugada de domingo (1°). Neste horário, o líder, junto com outras pessoas, já tinham saído do local. Quando retornaram, na madrugada do dia 1°, encontraram o espaço completamente destruído. Todos os objetos foram jogados no chão, entre eles: imagens de santos, pratos de barro e as prateleiras de vidro da geladeira.

Roupas de santo também foram rasgadas e alimentos foram abertos e jogados no chão. “Só mexeram na casa de candomblé, não mexeram em nossa casa de morada. Destruiu tudo, acabou com tudo e ainda é filho de um pastor. O que mais revolta a gente, é que essa pessoa foi levada para a delegacia, confessou o crime e não foi punida”, conta Pai Lucas, que registrou um boletim de ocorrência na delegacia da cidade, no mesmo dia do crime.

A reportagem do CORREIO teve acesso ao documento, no qual consta que “segundo policiais, o mesmo confessou ter invadido o estabelecimento e quebrado os objetos”. Questionada, a Polícia Civil informou que foi lavrado um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) – registro de um fato tipificado como infração de menor potencial ofensivo -, do qual não caberia a prisão do suspeito. 

No boletim ainda consta que o homem aparenta distúrbio mental, pois conversava sozinho e balbuciava palavras sem nexo. Não há informações sobre a existência de um boletim médico que comprove a suspeita.

Para o líder do Terreiro Casa de Xangô, no entanto, o suspeito nunca apresentou problemas mentais. “O pai dele nos disse que poderia ser excesso de bebidas ou drogas, fora isso, nunca soubemos de nada sobre doenças do tipo”, afirma Pai Lucas.

Reconstrução
Devido à perda total da mobília e dos objetos religiosos, o terreiro não está funcionando desde o ocorrido. “Nós não temos cabeça para fazer nada, estamos focados na recuperação do que perdemos e na busca por justiça”, afirma Pai Lucas. Para ajudar a levantar o valor necessário para a recuperação do que foi perdido, os membros da casa de candomblé têm feito rifas.

Ainda segundo Pai Lucas, o terreiro existe há 10 anos e nunca foi atacado. “A relação com os vizinhos também é tranquila e, por isso, não há nada que justifique o ataque, a não ser a intolerância religiosa”, lamenta Pai Lucas.

Em nota publicada nas redes sociais, a Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro-Ameríndia classificou a ação como uma atrocidade, lamentou o ocorrido e pediu justiça: “Vamos para cima, para que o responsável seja responsabilizado por tamanha atrocidade”.

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

Registros de intolerância religiosa aumentam 22% no estado de SP

Crescimento é referente ao ano 2019, em comparação a...

Nike permite Jesus e Cristo, mas veta Exu e Ogum de camisas da seleção brasileira

A customização das camisas da seleção brasileira já havia...

Povos de Terreiro ganham cartilha de direitos

Diz um ditado: ‘Ìṣẹ́gun rárá ṣe òpin o nìkan...

Entidades denunciam racismo religioso contra professor impedido de assumir vaga em universidade

Aprovado no concurso público para professor no Departamento de...
spot_imgspot_img

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

Iemanjá: conheça a rainha do mar celebrada no dia 2 de fevereiro

‘Quanto nome tem a Rainha do Mar?’ O verso inicial de Maria Bethânia ecoa a presença múltipla da mãe dos orixás no imaginário brasileiro, tomando...

Celebrações para Iemanjá acontecem em Salvador e outras cidades baianas no dia 2 de fevereiro

Já há alguns anos, as celebrações a orixá Iemanjá realizadas no bairro do Rio Vermelho em Salvador entraram para o calendário das festas de largo que...
-+=