Homenageada em enredo, Alcione lembra ajuda de outras escolas na criação da Mangueira do Amanhã e início do projeto: ‘Chamado espiritual’

A cantora Alcione terá sua trajetória exaltada pela Estação Primeira de Mangueira, escola do coração, no carnaval deste ano.

A Estação Primeira de Mangueira homenageia a cantora Alcione em seu desfile do carnaval deste ano. A trajetória da Marrom que se se mistura, em parte, com a história da escola – a agremiação teve a escola de samba mirim fundada pela cantora.

A artista subiu o Morro da Mangueira, um dos berços do samba e cultura carioca, há 50 anos – quando ainda era uma jovem de 26. Foi ela quem sonhou e fundou a Mangueira do Amanhã – a escola mirim descobre e forma talentos no samba e ajuda crianças na educação escolar.

“Acredito que seja uma coisa espiritual, acredito nos caminhos que a vida leva a gente. Foi um chamado espiritual”

afirma ela sobre a criação.

Marrom conta que não era muito ligada a escolas de samba na época.

“O presidente da época, seu Carlinhos Doria, me disse ‘eu já tenho pouco dinheiro para uma Mangueira, como podemos ficar com duas?’. Eu disse que ia estender a mão e comecei a pedir retalho de pano pra dona Zica, dona Neuma, o que sobrava das baianas. Eu ia no Império e pegava o que sobrava do verde, a Imperatriz também me ajudou, todo mundo um pouco”, conta ela.

A cantora, de voz potente e inconfundível, afirma que nunca se imaginou sendo um enredo de carnaval.

“Sempre estive lá dentro e trabalhei, a minha função era essa. Nunca me imaginei. É com muita honra que sou enredo da minha escola”, diz ela.

“Eu me achei na Mangueira, era aqui que eu queria me divertir, brincar, me dedicar. Eu sou alguém da comunidade, pertenço a ela”

completa Alcione

Pais contra a vinda pro Rio e prisão no início da carreira

Dona Felipa e o pai, o maestro João Carlos, eram contra a filha se mudar de São Luís do Maranhão para o Rio.

“Por eles, eu não viria pra cá ser cantora. Tinha uma vizinha que dizia que eu ia me perder aqui, dizia que tem que dormir com diretor de televisão. Graças a Deus, quando eu vim meu pai sempre confiou em mim”,

Para seguir seu sonho, ela trabalhou como vendedora em uma loja de discos e cantava e tocava seu trompete em “night clubs” de Copacabana. Em uma vez, ela acabou detida pela Polícia Militar, e até hoje ela lembra o diálogo:

  • Policial: Ô neguinha
  • Alcione: Neguinha é seu passado
  • Policial: Você é muito saliente, o que você leva nessa sua sacola?
  • Alcione: Não te interessa
  • Policial: Entra aqui nesse camburão

“Quando eu entrei, já tinha uma menina lá dentro, que disse ‘você é nova na praça’. Ele me levou para a delegacia e disse que era pra me dar uma [passagem policial por] vadiagem”, relembra

Na sede policial, ela se livrou graças a um policial que a reconheceu das noites em que ia a ver tocar trompete. De lá, ela foi direto para o trabalho.

Reverência em vida

Em relação ao desfile da Mangueira, Marrom não fez nenhuma exigência. Pelo contrário, ajudou os carnavalescos contando detalhes íntimos, histórias da carreira e da vida em família.

Um trecho do samba diz: “Meu palácio tem rainha, e não é uma qualquer”. A cantora diz que sempre dizia que não era uma qualquer, e a escola aprendeu isso.

Para toda uma comunidade, Alcione é resistência e inspiração.

“A Alcione representa a força da mulher brasileira, resiliência de toda mulher negra que a gente carrega, e empoderamento. Eu acho que não poderia, em um enredo como esse, não exaltar toda a minha gratidão por ela”, destaca a rainha de bateria Evelyn Bastos.

+ sobre o tema

‘Mudei minha cor no RG’: mulheres contam como se reconheceram negras

Alice Melo tinha 32 anos quando decidiu atualizar seu...

Mulheres negras ainda são prejudicadas no desenvolvimento profissional

Dados do IBGE indicam que a parcela de mulheres...

Virgínia Leone Bicudo: quem foi a psicanalista negra pioneira homenageada pelo Google

Ela foi a primeira não-médica a ser reconhecida como...

SEPPIR pretende reverter suspensão dos editais do MinC feitos para negros

A SEPPIR-PR (Secretaria de Políticas de Promoção da...

para lembrar

Mangueira faz samba que serve em cheio pra crise: “Só com a ajuda do santo”

O samba enredo da Mangueira, atual campeã do carnaval...

Dinheiro de ditador africano é detalhe num Carnaval bancado pela pilantragem há 40 anos

O financiamento do samba-enredo da Beija-Flor por um ditador...

Carnaval – Com Vânia Flor a Salgueiro inova no quesito musa

Com 104 kg, Vânia Flor foi eleita durante concurso...

Beth Carvalho: Carnaval de rua é protesto e escolas viraram esquemão

A sambista Beth Carvalho, madrinha do samba, explica por...
spot_imgspot_img

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba do país, vai homenagear o cantor e compositor Milton Nascimento no carnaval de 2025. A...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria Lata D’Água’ – morreu na noite dessa sexta-feira (23), em Cachoeira Paulista, no interior de São...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A temperatura da cidade de São Paulo bate 33°C, mas lá fora, longe do meu ventilador,...
-+=