Indesculpável

Por: Edson Lopes Cardoso

Os promotores Maurício Lopes e Marcelo Rovere encaminharam denúncia à Justiça contra quatro soldados da PM paulista que assassinaram Alexandre Menezes dos Santos, no dia 8 de maio. Os promotores argumentam que não se pode dissociar o crime de suas circunstâncias agravantes que envolvem preconceito racial. A denúncia foi aceita por juíza da 1ª Vara do Tribunal do Júri.

 

Os quatro militares interrogados (Carlos Magno dos Santos Diniz, Ricardo José Manso Monteiro, Márcio Barra da Rocha e Alex Sandro Soares Machado) não souberam precisar o motivo que teria justificado a abordagem violenta e brutal. “Talvez”, declararam os promotores, “pela única circunstância de se tratar de pessoa negra e pobre”. Uma nota de rodapé no texto da denúncia dos promotores explica que o Boletim de Ocorrência registrou a vítima como parda.

 

Afonso Benites, da equipe de reportagem da “Folha de S. Paulo” (edição de 18 de maio, p. C7) reproduziu importante fragmento da argumentação dos promotores, quando estes chamam a atenção da Justiça para a ausência de registro de abordagem violentamente discriminatória da polícia militar em bairro nobre da cidade de São Paulo. “Aquele” (aquela pessoa branca e rica dirigindo um famoso carro de luxo)pode dispensar placas e nunca será incomodado pela PM:

“Não se tem notícia de que abordagem semelhante se faça por policiais militares no Jardim Europa com aquele que trafegue em uma Lamborghini sem placas. A ação, além de desastrosa, foi movida por preconceito racial e social”.

 

O fragmento acima foi transcrito da Folha. Na denúncia dos promotores, a última frase é: “A ação, além de desastrosa, foi movida indesculpavelmente por preconceito racial e social.” A diferença é o advérbio (‘indesculpavelmente’) que a “Folha” julgou talvez irrelevante e dispensou.

 

O ato que não merece desculpa é aquele que não merece perdão, indulgência, absolvição – nem escusa, nem justificação. Está assim no dicionário. A ausência do advérbio, portanto, modifica o sentido de toda a frase dos promotores. Os assassinos de negros em todo o país, com raríssimas exceções, permanecem impunes.

 

A pele negra, estigmatizada, motivou a abordagem e tudo o mais que se seguiu. Abdias do Nascimento disse isso em carta aberta ao chefe de Polícia do Rio de Janeiro em 1949: “Dir-se-ia que a polícia considera o homem de cor um delinqüente nato, e está criando o delito de ser negro”. Foi esse o delito, podemos dispensar o “talvez” dos promotores.

 

Mas você não precisa de uma Lamborghini para circular no Jardim Europa, basta ligar a TV. O que entre nós confronta para valer o processo de desumanização das pessoas não-brancas? A escola? A propaganda? O mercado de trabalho? Os partidos políticos? A polícia, afinal, extrai significados surpreendentes e inusitados da pele negra ou eles circulam livremente em todo lugar?Além de punir severamente os assassinos fardados, devemos refletir sobre as conexões racistas que aproximam diferentes aspectos da vida social brasileira.

 

Uma última observação sobre muletas inadequadas e portanto dispensáveis, para que não se perca ou dilua o essencial. Algumas expressões utilizadas pelos promotores na denúncia, tais como “preconceito racial e social”, “pessoa negra e pobre”, “jovem pardo, pobre, periférico”, ao invés de agravar acabam por atenuar.

 

A informação transmitida pela cor negra da pele, ninguém se iluda, é a de que se pode dispor, quem assim queira, quem assim o desejar, da vida desse ser inferior que exibe tão acintosa e provocativamente as marcas de sua inferioridade. Contrariamente, o tipo de relação que se acaba por estabelecer com as muletas indicadas é de outra natureza: bastaria então não ser pobre para ficar livre dos constrangimentos raciais. Ledo engano.

 

 

Fonte: ìrohín

+ sobre o tema

‘Crianças comiam em cochos’: os últimos relatos em vida de americanos escravizados

"Meu Deus, minha senhora, nunca ninguém lhe contou que...

Jharrel Jerome vence Emmy de Melhor Ator por papel em “Olhos que Condenam”

Jerome vence Melhor Ator Principal em Série Limitada. Por Vinicius Voutsinas,...

‘Tenho orgulho em falar que fui lixeiro’, afirma campeão da maratona

Brasileiro ex-catador de lixo domina as ruas de Guadalajara...

Johnny Alf

Alfredo José da Silva, o grande Johnny Alf, nasceu...

para lembrar

Consumido pela crise, Haiti sonha com promessas do passado

Nos muros da capital do Haiti, Porto Príncipe, encontramos...

Morre rapper Dumdum, integrante do grupo Facção Central, aos 54 anos

O rapper Dumdum, integrante do Facção Central - um dos...

“Com que Adinkra que eu vou?” Celebra a africanidade brasileira no carnaval do Sesc Consolação 

O carnaval deste ano já começou no Sesc Consolação, que preparou uma programação...

Rocco publica o best-seller “Filhos de Sangue e Osso” no Brasil

A Editora Rocco trouxe para o Brasil em outubro...
spot_imgspot_img

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...

Álbum de Lauryn Hill é considerado melhor da história em lista da Apple Music; veja ranking

Uma lista publicada pela Apple Music elegeu os 100 melhores álbuns de todos os tempos. Em primeiro lugar, a escolha foi para 'The Miseducation...

iAMO lança seu programa de residência artística audiovisual durante Festival de Cannes

O Instituto Audiovisual Mulheres de Odun (iAMO), presidido pela cineasta Viviane Ferreira, anuncia na sexta-feira, 17 de maio, o lançamento do seu Programa de...
-+=